Agência dos EUA recomenda uso emergencial de vacina da Pfizer contra Covid-19

Painel de especialistas do FDA aprovou, com 17 votos a favor, quatro contra e uma abstenção, vacinação emergencial de pessoas a partir dos 16 anos

Murillo Ferrari, Guilherme Venaglia e Heloísa Vilela, da CNN, em São Paulo e em Nova York
10 de dezembro de 2020 às 19:40 | Atualizado 10 de dezembro de 2020 às 20:21

Um comitê de especialistas da Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, em inglês), órgão regulador equivalente à Anvisa, aprovou nesta quinta-feira (10) o uso emergencial no país da vacina contra Covid-19 da Pfizer-BioNTech.

Foram 17 votos a favor, quatro votos contra e uma abstenção. A votação ocorreu pelo painel de especialistas independentes do FDA, que tiveram de responder à seguinte pergunta: "A vacina é eficaz e segura para pessoas de 16 anos ou mais?".

O voto do painel de especialistas não significa que a vacina será autorizada imediatamente. O FDA irá agora decidir se aceita ou não a recomendação, mas já sinalizou que deve dar sinal verde ao imunizante.

Houve muito discussão sobre a faixa que vai dos 16 aos 18 anos, sobre as quais a Pfizer não teria números suficientes para comprovar a eficácia. Os especialistas, no entanto, concluíram que seria mais prudente autorizar, deixando claro que os menores de idade autorizados a tomar precisarão da permissão dos pais para serem vacinados.

Vacina contra Covid-19 da Pfizer-Biontech deve chegar ao Reino Unido em 2 dias

A FDA, agência reguladora dos EUA, aprovou o uso emergencial da vacina da Pfizer-BioNtech contra Covid-19

Foto: Dado Ruvic - 10.nov.2020/Reuters

A Pfizer seguirá com os trabalhos de pesquisa. A empresa já sustenta que seu imunizante é eficaz e seguro a partir dos 12 anos e prosseguirá com pesquisas sobre eficácia em crianças de 5 a 11 anos de idade.

Na terça-feira (8), um comitê consultivo da FDA já havia divulgado um documento com dados sobre o imunizante sem levantar novos questionamentos sobre sua segurança ou eficácia.

Pesquisas

O imunizante da Pfizer-BioNtech requer duas doses para ser eficaz, e a segunda é aplicada três semanas após a primeira. As empresas fecharam um acordo nos Estados Unidos para fornecer 100 milhões de doses, cada uma a US$ 19,50 (aproximadamente R$ 102).

Os resultados das pesquisas conduzidas pelas duas empresas foram publicados nesta quinta no New England Journal of Medicine, uma das revistas especializadas mais respeitadas do mundo. Os números apontam que a vacina tem eficácia de 95% após as duas doses.

Os estudos contemplaram 43.448 pessoas, sendo que metade recebeu a vacina BNT162b2 e a outra metade recebeu o placebo.

A taxa de eficácia significa, na prática, que a cada 100 pessoas que receberam o imunizante durante os testes, 95 desenvolveram a proteção contra a Covid-19. De acordo com os estudos, a proteção começa a ser verificada parcialmente em pessoas vacinas a partir de 12 dias da aplicação da primeira dose.

Estados Unidos

O país é o quinto do mundo a emitir essa autorização para a vacina, depois do Reino Unido – que começou nesta semana a imunização de sua população – e do Canadá, que abriu caminho na quarta-feira (9) para a vacinação no país.

Assista e leia também:
Como o mundo conseguiu uma vacina em menos de 1 ano
Os próximos passos da vacina da Pfizer após o começo da vacinação no Reino Unido
Temperatura, doses e preço: o que se sabe sobre a vacina de Pfizer

Nos Estados Unidos, a decisão final sobre a autorização de uso de qualquer vacina é tomada pela FDA. Além do site, a reunião foi transmitida pelos canais do YouTube, Facebook e Twitter da agência.

Com a autorização de uso de emergência da vacina pela FDA, espera-se que, dentro de um ou dois dias, um comitê consultivo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos faça uma recomendação sobre quem deve tomar as vacinas primeiro. 

Esse grupo provavelmente incluirá profissionais de saúde e residentes de lares de idosos.

Além disso, está programado para a próxima quinta-feira (17) uma reunião similar da FDA para avaliar o uso emergencial da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Moderna.

Apesar do avanço na liberação dos imunizantes, os Estados Unidos enfrentam dificuldades na conscientização da necessidade da vacinação. Tanto o presidente eleito Joe Biden quanto três ex-presidentes -- Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama -- prometem se vacinar em público, em apoio à campanha de imunização.

Destaques do CNN Brasil Business:
Homem mais rico do Brasil, o banqueiro Joseph Safra morre aos 82 anos
Com Selic em 2%, quanto rende investir R$ 1 mil em poupança, fundos ou títulos?
Airbnb precifica ações acima da faixa estimada no maior IPO dos EUA em 2020
'Carreira em Y' pode explicar por que algumas empresas têm chefes tão ruins

Países

A vacina da Pfizer-BioNtech também é avaliada pela Agência Europeia de Medicamentos, que deve completar sua análise até 29 de dezembro.

Além disso, a Índia também acelerou sua revisão da vacina da Pfizer para uso emergencial. Nesta semana, o país negou autorização de uso emergencial para a vacina contra Covid-19 da AstraZeneca.