Vacina da CanSino contra Covid-19 mostra eficácia de 65,7% em teste no Paquistão

Aplicação em dose única e armazenamento em refrigerador comum podem tornar imunizante uma opção favorável para muitos países

Pesquisador trabalha em laboratório da fabricante de vacinas CanSino, em Tianjin, na China
Pesquisador trabalha em laboratório da fabricante de vacinas CanSino, em Tianjin, na China Foto: Stringer - 20.nov.2018/Reuters

Reuters

Ouvir notícia

A vacina contra Covid-19 da CanSino Biologics mostrou eficácia de 65,7% na prevenção de casos sintomáticos e uma taxa de sucesso de 90,98% na prevenção de doenças graves em uma análise interina de testes globais, disse o ministro da saúde do Paquistão na segunda-feira (8).

Os dados positivos colocam a vacina, desenvolvida em conjunto por um instituto de pesquisa afiliado ao Exército chinês, um passo mais perto de se tornar a terceira vacina bem-sucedida da China para a doença.

Embora as vacinas contra o novo coronavírus de desenvolvedores chineses tenham mostrado taxas de proteção mais baixas do que algumas ocidentais – e nenhum estudo detalhado esteja disponível publicamente – elas já foram aprovadas em vários países em desenvolvimento que lutam contra um aumento nas infecções pela doença.

A vacina CanSinoBIO está sendo testada no Paquistão, México, Rússia, Argentina e Chile, de acordo com dados de registro de ensaios clínicos. A empresa tem acordos de fornecimento com alguns desses países, incluindo o México.

O ministro da Saúde do Paquistão, Faisal Sultan, disse que o país poderia receber “na faixa de dezenas de milhões” da vacina sob um acordo com a empresa chinesa.

Hassan Abbas, chefe do ensaio do CanSinoBIO na AJ Pharma, do Paquistão, disse que já solicitou ao governo permissão para importar a vacina.

“O conjunto inicial de vacinas virá em frascos cheios, mas esperamos no futuro obtê-los na forma de concentrados da CanSino e fazer o envaze aqui no Paquistão”, disse ele à Reuters.

A eficácia de imunização tem como base a análise de 30.000 participantes e 101 casos confirmados de Covid-19, disse o ministro no Twitter, citando dados de um comitê independente de monitoramento de dados.

Não ficou claro se o estudo também investigou a eficácia da vacina contra variantes novas e altamente transmissíveis encontradas pela primeira vez na África do Sul, no Reino Unido e no Brasil.

Nenhuma preocupação séria de segurança foi mostrada no estudo, disse Sultan.

No subconjunto do Paquistão, a eficácia da vacina CanSinoBIO na prevenção de casos sintomáticos foi de 74,8% e 100% na prevenção de doenças graves, acrescentou. A CanSino não comentou os resultados.

Aplicação em dose única

Embora a taxa de proteção da vacina fique abaixo da eficácia de mais de 90% das injeções desenvolvidas pela Pfizer e seu parceiro BioNTech e da Moderna, seu regime de dose única e necessidade de armazenamento em refrigerador normal podem torná-la uma opção favorável para muitos países.

A vacina do CanSinoBIO – que foi aprovada para uso nas Forças Armadas chinesas no ano passado e desde então foi administrada a pelo menos 40 mil a 50 mil pessoas – usa um vírus do resfriado comum modificado conhecido como adenovírus tipo 5 (Ad5) para transportar material genético da proteína do coronavírus no corpo.

No entanto, os pesquisadores em um relatório de ensaio em estágio inicial e intermediário expressaram preocupação de que a vacina pode não funcionar em pessoas previamente expostas ao Ad5, já que o anticorpo pré-existente contra o vírus do resfriado comum pode enfraquecer a resposta imunológica desencadeada pela vacina.

A CanSinoBIO também está testando um regime de duas doses da vacina na China, incluindo participantes com idade entre 6 e 17 anos e com mais de 55 anos.

As vacinas das empresas chinesas Sinovac e Sinopharm, esta última apoiada pelo Estado chinês, mostraram eficácia entre 50% e 91%.

As três empresas pediram para se juntar ao esquema global de compartilhamento de vacinas COVAX e a China planeja fornecer 10 milhões de doses para a iniciativa, que é apoiada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela aliança de vacinas GAVI.

Mais Recentes da CNN