Variantes da Covid ‘muito provavelmente’ surgiram em imunossuprimidos, diz Fauci

Infectologista Anthony Fauci afirmou que o surgimento de variantes afetará quaisquer medicamentos futuros desenvolvidos para tratar a Covid-19

Foto: Getty Images (Adene Sanchez)

Virginia Langmaid, da CNN

Ouvir notícia

É provável que as variantes da Covid-19 tenham evoluído nos corpos de pessoas imunossuprimidas, disse o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, nesta terça-feira (3).

Não é uma teoria nova – a ideia de que pessoas com supressão imunológica podem ser incapazes de combater a infecção por Covid-19 por semanas ou meses, dando ao vírus tempo suficiente para evoluir e ganhar mutações.

“Variantes, todos nós sabemos, surgiram por causa da pressão que o sistema imunológico humano exerceu sobre o vírus, muito provavelmente de pessoas imunossuprimidas que acabaram se infectando e ficaram com o vírus por dias e dias antes do desaparecimento do microrganismo ou morte, e isso essencialmente levou ao surgimento de uma variante”, disse Fauci em uma discussão promovida pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Achamos que é muito provável que seja o que aconteceu com a B.1.1.7 e o que aconteceu agora com a variante Delta atual”. A variante B.1.1.7 ou Alpha surgiu no ano passado e se tornou dominante nos Estados Unidos na primavera do hemisfério norte. A variante Delta ou B.1.617.2 surgiu no final de 2020 e agora é a linhagem dominante nos Estados Unidos.

Fauci disse que o desenvolvimento de variantes virais afetará quaisquer medicamentos futuros desenvolvidos para tratar a Covid-19.

“Assim que começarmos a tratar a Covid-19 com novos antivirais, precisamos planejar e antecipar o surgimento de resistência aos medicamentos”, disse ele. “Não vai ser o caso de você ter um patógeno e uma droga e então um nocaute. Você sempre terá que estar pronto para continuar a desenvolver alternativas que possam acompanhar as variantes”.

Texto traduzido, leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN