Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja oito mitos sobre dieta, exercícios físicos e sono

    Alguns deles envolvem uso de smartphone, regimes milagrosos e rotina para dormir

    "Se alguém disser que a dieta X é a melhor para você, essa pessoa está mentindo", diz especialista
    "Se alguém disser que a dieta X é a melhor para você, essa pessoa está mentindo", diz especialista Foto: Unplash/Divulgação

    Sandee  LaMotteda CNN

    Crenças desenvolvidas quando jovens sobre o que é ou não saudável podem nos acompanhar por toda a vida, dizem os especialistas. Mas e se essas crenças não resistirem a uma análise científica detalhada?

    Aqui estão oito suposições sobre dieta, exercícios e sono que precisam de mais atenção.

    Mito nº 1: Dietas populares estão em toda parte, então elas devem funcionar

    Perder peso rápido é empolgante, mas a dieta típica da moda — mesmo as mais estabelecidas, como a cetogênica — enfatiza a limitação da ingestão nutricional, muitas vezes banindo grupos inteiros de alimentos.

    A Cetôgenica, por exemplo, proíbe grãos, legumes e frutas, exceto um punhado de frutas. Cortar micronutrientes importantes não é saudável, e dietas restritivas “tendem a falhar a longo prazo”, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

    “Esse tipo de restrição a longo prazo leva ao ganho de peso, não à perda de peso, e muitas vezes leva ao que chamos de ciclo de peso”, disse Nina Taylor, gerente de educação da National Alliance for Eating Disorders.

    Entrar e sair de uma dieta é chamado de ciclo de peso, ou dieta ioiô, e estudos associaram esse padrão alimentar a maior gordura corporal, pressão arterial e colesterol, o que aumenta o risco de doença cardíaca coronária e morte súbita cardíaca em mulheres.

    Comer uma dieta baseada em vegetais, observar a ingestão de açúcar e limitar a alimentação sem sentido são ótimas maneiras de adicionar anos à sua vida, mostrou a pesquisa.

    Mito nº 2: Não há problema em levar seu smartphone para a cama

    Quem não quer checar seus feeds sociais uma última vez antes de pegar no sono? Mas pesquisas relacionaram o uso excessivo noturno de smartphones a problemas para adormecer, redução da duração do sono, cansaço diurno e até distúrbios de humor.

    Quando você usa seu telefone, está inundando seus olhos com luz azul, que interrompe a produção de melatonina — esse é o hormônio que regula seu relógio biológico. Especialistas sugerem proibir qualquer luz de espectro de LED por uma hora antes de dormir.

    Resumindo: não leve seu celular e sua luz azul prejudicial para a cama. Use um despertador antiquado para ajudá-lo a acordar.

    Mito nº 3 A mídia social pode inspirá-lo a fazer dieta e se exercitar

    Pesquisas mostram que os jovens acreditam que recorrer a vídeos de fitness e dieta no TikTok, Facebook ou outras mídias sociais os inspirará a ser uma versão melhor de si mesmos, disse Taylor.

    “Eles acreditam que isso os motivará a malhar ou fazer dieta”, disse Taylor. “No entanto, isso pode levar à insatisfação corporal — comparação social e muitas preocupações sobre corpo e peso. Esses são todos fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares”.

    Especialistas temem que a disforia corporal possa ter aumentado durante a pandemia, à medida que mais jovens se voltam para as mídias sociais, ao mesmo tempo em que enfrentam isolamento social e rotinas interrompidas, disse Taylor.

    “A alimentação desordenada é muitas vezes um mecanismo de enfrentamento”, disse ela. “É uma maneira de se sentir no controle e lidar com emoções difíceis.”

    A alimentação intuitiva é uma maneira natural de ouvir os sinais do corpo sobre fome e plenitude, o que os especialistas acreditam que configura uma maneira mais saudável de comer. Alguns chamam isso de “anti-dieta”.

    Mito nº 4: “Apertar o botão soneca” ajuda você a dormir mais

    À medida que a manhã se aproxima, seu corpo está naturalmente chegando ao fim de seu último movimento rápido dos olhos, ou ciclo de “sonho”. Aperte o botão de soneca e seu cérebro volta a um novo ciclo de sonhos, dizem os especialistas.

    Quando o alarme dispara alguns minutos depois, é provável que você esteja no meio desse ciclo e acorde grogue. Você vai ficar sonolento por mais tempo também.

    Dica profissional: coloque o alarme do outro lado do quarto, então você tem que sair da cama para desligá-lo. (E não, você não pode dizer ao Google ou Alexa para desativá-lo. Isso é trapaça.)

    Mito nº 5: Você pode perder gordura da barriga com flexões

    Na realidade, o exercício queima gordura em todo o corpo, não apenas na parte do corpo que seu treino visa.

    “Você pode fazer um exercício para aumentar a força de um músculo, mas não pode reduzir para remover gordura”, disse Angela Smith, ex-presidente do American College of Sports Medicine.

    Especialistas sugerem aumentar o cardio para queimar gordura. Esforce-se por uma rotina de exercícios equilibrada variando a intensidade do treino para incluir treinamento de alta e baixa intensidade.

    Mito nº 6: É melhor ficar na cama com os olhos fechados quando não conseguir dormir

    Ficar na cama mais de 20 minutos se você não conseguir dormir é uma das piores coisas que você pode fazer, de acordo com especialistas em sono, porque treina seu cérebro para associar a cama à falta de sono. Fazer isso pode levar à insônia crônica.

    “É contra-intuitivo, mas passar o tempo na cama acordado transforma a cama na cadeira do dentista”, disse Michael Grandner, psicólogo clínico e especialista em sono, à CNN anteriormente.

    Em vez disso, levante-se e faça algo chato, como dobrar a roupa, até ficar com sono. Certifique-se de manter as luzes fracas e não verifique seu smartphone ou laptop.

    Mito nº 7: Eu tenho que malhar ou fazer dieta o tempo todo para mudar meu tipo de corpo

    Há uma crença de que o exercício ou dieta o tempo todo pode mudar seu tipo básico de corpo, disse Taylor. “Especialmente entre as faixas etárias mais jovens, a sensação é ‘se eu apenas fizesse uma dieta melhor, ou se eu apenas me exercitasse mais, eu faria meu corpo parecer de uma certa maneira’. A realidade é que há uma grande variedade e diversidade de tipos de corpo que são todos normais e saudáveis”.

    A genética é a chave de como o exercício pode afetar seu corpo, disse Smith. “Se seus pais tiverem mais de 1,80 metro de altura, você provavelmente não terá sucesso como ginasta, por exemplo”, disse ela. “Parte disso pode ser determinada pela forma e tamanho do músculo, e parte pode ser determinada pelos equilíbrios hormonais que você recebeu no nascimento”.

    A ideia de que todos podem perder ou ganhar peso ou aumentar a imagem corporal ideal não faz sentido, disse Taylor. “Sempre haverá diversidade corporal. Afinal, nunca diríamos ‘Você deveria ser mais alto’ ou ‘Você deveria ser mais baixo’, certo?”

    Mito nº 8: Suplementos de musculação anunciados nas redes sociais realmente funcionam

    Jovens do ensino médio e universitário podem sentir que precisam de suplementos de musculação depois de ver produtos anunciados nas mídias sociais, disse John Xerogeanes, chefe de medicina esportiva do Emory Orthopaedic & Spine Center e professor de ortopedia da Emory University School of Medicine em Atlanta.

    “O maior problema que tenho com meus pacientes são os suplementos”, disse Xerogeanes. “Algum influenciador está comercializando algo que é um lixo completo, e de repente o garoto diz: ‘Ei, eu posso tomar este suplemento, e ele vai me dar um abs.'”

    Isso é um problema, disse ele, porque a Food and Drug Administration dos EUA não regula a indústria de suplementos.

    “Pode dizer uma coisa no rótulo, mas você realmente não sabe o que está nele”, disse Xerogeanes. “Os fabricantes podem colocar outros minerais ou até estimulantes em sua mistura, e é por isso que alguns atletas do ensino médio e universitários dão positivo nos testes de drogas”.

    Quando ele trabalha com equipes universitárias, ele disse: “Eu digo a eles, se você for fazer qualquer suplemento, precisamos ver esse suplemento e precisamos testá-lo independentemente”.

    Pesquisas mostram que, se você comer uma dieta saudável e equilibrada, provavelmente não precisará de suplementos, a menos que esteja grávida, idosa ou tenha uma limitação alimentar específica.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original