Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Virose pode evoluir para pneumonia?

    Cantora Ivete Sangalo contraiu doença após maratona de Carnaval e precisou ser internada; saiba mais

    Ivete Sangalo é internada com pneumonia
    Ivete Sangalo é internada com pneumonia Reprodução/Ivete Sangalo/Instagram

    Nicoly Bastosda CNN

    São Paulo

    Na quinta-feira (22), a cantora Ivete Sangalo foi internada com pneumonia. Através das redes sociais, a artista compartilhou que contraiu uma virose após a maratona de Carnaval, e, procurando o auxílio médico, descobriu a doença respiratória.

    Na publicação, a dona de “Macetando” conta que, após a maratona de Carnaval, contraiu uma virose e, como apresentou tosse, procurou os médicos. Foi aí, então, que recebeu o novo diagnóstico.

    O quadro de pneumonia pós virose não é incomum, informam especialistas à CNN. Isso porque, qualquer doença de cunho viral pode evoluir para a inflamação dos pulmões.

    Uma virose pode evoluir para pneumonia?

    Segundo o pneumologista Wanderson Silva, qualquer infecção viral das vias aéreas superiores como resfriados, gripe ou covid-19 pode evoluir para uma pneumonia.

    “Isso acontece pois o vírus inflama suas vias aéreas, facilitando a entrada de bactérias que poderão causar sinusite, traqueobronquite e pneumonia”, explica o profissional. “Durante uma virose você fica mais sensível. As nossas proteções naturais ficam comprometidas, ficamos desidratados, alimentamos pouco, todos esses fatores contribuem para que outros micro-organismos causem infecções secundárias.”

    “O vírus pode machucar o epiderme, a proteção das vias respiratórias e isso favorecerá a entrada de bactérias no pulmão. É por isso que a virose pode sim anteceder uma virose bacteriana. 30% das pneumonias bacterianas tiveram uma infecção viral anteriormente”, complementa José Roberto Medga, presidente Regional do Vale do Paraíba na Sociedade Paulista De Pneumologia E Tisiologia.

    Alvaro José de Souza, Cirurgião Geral e Cirurgião do Aparelho Digestivo da Clinica Gastro ABC, explica que as viroses precisam ser acompanhadas por um especialista na área da saúde para não evoluírem clinicamente.

    “Normalmente sintomas de virose se restringem ao mal estar, diarreia com fezes líquidas, náuseas e vômitos, com algum desconforto abdominal, por vezes acompanhado de febre baixa. Sintomas de alarme, que inspiram gravidade, além da própria desidratação, são a febre alta e persistente, a diarreia com sangue, muco ou restos de alimento, associados a dor abdominal de forte intensidade, além da duração com mais de 14 dias. É fundamental procurar um serviço de saúde imediatamente”, ressalta o profissional.

    A evolução da virose, no entanto, não ocorre em todos os casos. Segundo André Augusto Pinto, Cirurgião Geral e Bariátrico da clínica gastro ABC, os quadros mais graves estão nos extremos de idade, como idosos e crianças pequenas, além de pacientes com alguma doença prévia grave. “Nesses casos, o maior risco está na desidratação, provocada por uma diarreia mais grave, ou nos vômitos quando são excessivos.”

    Segundo os especialistas, os sintomas de uma virose duram em uma média de três dias a uma semana. Se dentro deste período não houver melhora dos sintomas ou se piorarem, um médico deve ser consultado.

    Os sinais e sintomas de alarme incluem febre alta (acima de 38 graus) por mais de 2 dias, falta de ar, respiração rápida e ofegante, dor torácica, tosse persistente, desidratação, sonolência e confusão mental.

    Como tratar a virose e impedir que ela evolua para um caso mais grave?

    “Durante uma virose é fundamental se manter hidratado, ter uma alimentação balanceada, evitar atividades exaustivas, não fumar ou ingerir álcool e repousar”, explica Wanderson Silva.

    Segundo o médico, ainda que ajude a controlar alguns sintomas, antigripais, antialérgicos e vitamina C não impedem a progressão de uma virose para um quadro mais grave. O foco deve estar na prevenção da doença, e em tomar a vacina, que já existe, indicada.

    “Por isso, a prevenção é extremamente necessária e é importante lembrar que existe vacina contra pneumonia, chamada de pneumocócica, que protege contra as formas graves da doença. Ela deve ser prescrita e recomendada por um médico. A vacina contra influenza e da covid-19 também previnem contra quadros graves, hospitalização e morte”, finaliza o profissional.