Facebook passa a alertar usuário que interagir em fake news sobre coronavírus


Por Anne Barbosa Da CNN, em São Paulo
16 de abril de 2020 às 10:03
Aplicativo do Facebook em um smartphone

Aplicativo do Facebook em um smartphone

Foto: Dado Ruvic/Reuters (06.jan.2020)

A rede social Facebook informou, nesta quinta-feira (16), que vai começar a enviar alertas aos usuários que curtirem, reagirem ou comentarem postagens com informações falsas e nocivas sobre o Covid-19. As mensagens – que irão conectar os usuários às informações checadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – devem começar a ser enviadas nas próximas semanas e também serão retroativas.

Falsas soluções como a de que beber água sanitária cura o vírus e a de que o distanciamento social não funciona para prevenir a disseminação estão entre as mensagens que foram excluídas pela rede social. “Queremos permitir que as pessoas que interagiram com esses conteúdos saibam a verdade de uma fonte autorizada e estejam avisadas caso vejam ou escutem essas alegações novamente fora do Facebook”, informou Guy Rosen, vice-presidente de Integridade do Facebook em um comunicado.
 
A medida foi anunciada após uma pesquisa da George Washington University e da Ohio State University, encomendada pela Avaaz, entidade que organiza campanhas em todo o mundo, mostrar que emitir correções por verificadores de fatos independentes, a cada vez que um usuário do Facebook for exposto a uma desinformação, pode reduzir em 49,4% a crença no conteúdo enganoso, podendo esta redução chegar a 61%.
 
Os pesquisadores da Avaaz analisaram uma amostra com mais de 100 exemplos de desinformação, em seis idiomas, sobre o coronavírus no Facebook. Essas postagens foram compartilhadas 1,7 milhão de vezes e foram visualizadas, aproximadamente, 117 milhões de vezes nos seis idiomas, apesar de já terem sido checadas por verificadores de fatos independentes.
 
“Agir contra a desinformação sobre o coronavírus pode salvar vidas neste exato momento, mas essa medida é apenas o primeiro passo. As pessoas expostas a desinformação sobre sarampo, conteúdo antivacina ou desinformação política também merecem ser protegidas”, afirma Flora Rebello Arduini, Coordenadora de Campanhas da Avaaz.
 
O Facebook também anunciou a criação de uma nova seção chamada ‘Conheça os Fatos’. Ela inclui artigos de verificação de fatos de parceiros nos Estados Unidos, que desmascaram informações erradas sobre o coronavírus. No momento, essa nova seção está disponível somente nos EUA.
 
No Brasil, o Facebook e o Instagram já tinham implementado um centro de informações no topo do feed de notícias que conecta as pessoas a informações de fontes confiáveis e dicas sobre o novo coronavírus. Além da opção “Solicite ou ofereça ajuda”, um espaço onde as pessoas podem oferecer ou solicitar suporte a quem está por perto, como comprar mantimentos ou oferecer transporte para aqueles que estão mais vulneráveis.