Cansado do Zoom? Empresa dos EUA cria máquina de transmissão de hologramas


Reuters
07 de agosto de 2020 às 17:15
David Nussbaum ao lado de uma máquina com seu holograma
David Nussbaum, presidente-executivo da PORTL, ao lado de uma máquina com seu próprio holograma
Foto: Lucy Nicholson/Reuters (7.ago.2020)

Procurando uma nova maneira de se comunicar durante a pandemia? Uma empresa de Los Angeles criou máquinas do tamanho de cabines telefônicas para transmitir hologramas ao vivo para a sua sala de estar.

O dispositivo fabricado pela PORTL permite que usuários conversem com um holograma em tamanho real de outra pessoa.

As máquinas também podem ser equipadas com tecnologia para permitir a interação com hologramas gravados de figuras históricas ou parentes que faleceram.

Cada dispositivo PORTL tem dois metros de altura, um metro e meio de largura e qualquer pessoa com uma câmera e um fundo branco pode enviar um holograma para a máquina, no que o presidente-executivo David Nussbaum chama de "holoportação".

Leia também:

Facebook lança ferramenta para transmitir videoconferências ao vivo

Zoom dobra previsão de faturamento para 2020 por avanço do home office

"Dizemos que, se você não pode estar lá, pode se transmitir para lá", disse Nussbaum, que anteriormente trabalhava em uma empresa que desenvolveu os hologramas de Ronald Reagan para a biblioteca do ex-presidente e do rapper Tupac Shakur.

"Somos capazes de conectar famílias de militares que não se veem há meses, pessoas de costas opostas [dos EUA]" ou qualquer pessoa em isolamento social, acrescentou Nussbaum.

A máquina custa a partir de 60 mil dólares, um custo que Nussbaum espera que caia nos próximos três a cinco anos. A empresa também planeja um dispositivo menor com um preço mais baixo que deve ser lançado no início do próximo ano.

Os dispositivos podem ser equipados com tecnologia de inteligência artificial da empresa StoryFile, com sede em Los Angeles, para produzir gravações de hologramas que podem ser arquivadas. Acrescentar isso ao dispositivo atual eleva o preço a pelo menos 85 mil dólares.

As empresas estão promovendo a máquina para museus que poderão permitir que os frequentadores conversem com hologramas de uma figura histórica.

"[Você] sente a presença deles, vê a linguagem corporal, vê todos os sinais não verbais", disse a presidente-executiva da StoryFile Heather Smith. "Você sente que realmente conversou com esse indivíduo, mesmo que ele não esteja lá".