Nasa encontra água na superfície da Lua na parte iluminada pelo Sol


Da CNN
26 de outubro de 2020 às 13:30 | Atualizado 26 de outubro de 2020 às 14:17

 

A Nasa afirmou nesta segunda-feira (26) que encontrou água na superfície lunar, na parte iluminada pelo Sol. Segundo a agência espacial norte-americana, no entanto, ainda não é possível afirmar se a água poderá ser utilizada como um recurso por humanos.

Segundo a Nasa, vestígios foram detectados na área iluminada através da aeronave Sofia, um observatório espacial acoplado em um Boeing 747 que fica na atmosfera da Terra.

Leia também:
Sonda da Nasa coleta amostras do asteroide Bennu a 321 milhões de km da Terra
Nasa e Nokia vão instalar rede 4G na lua

Lua

Lua

Foto: Ponciano/Pixabay


A Nasa não soube afirmar em qual estado físico a água foi detectada.

A água é um recurso precioso e uma presença lunar relativamente abundante pode ser importante para futuros astronautas e missões robóticas que procuram extrair e utilizar a água para fins como abastecimento ou um ingrediente de combustível.

A descoberta ocorreu na cratera Clavius, que é visível da Terra. A Nasa trabalha com a hipótese de que a água pode ter chegado ao corpo celeste através de impactos de meteoritos ou formada pela interação de partículas ejetadas do Sol.

A agência espacial ainda não sabe se as moléculas são de H²0 ou de outros compostos de HO, assim não sendo possível determinar se a água poderá ser usada para futuras missões.

A equipe que fez a descoberta é liderada por Casey Honniball. "Muitas pessoas pensam que a detecção que fiz é gelo de água, o que não é verdade. São apenas as moléculas de água - porque estão tão espalhadas que não interagem umas com as outras para formar gelo de água ou mesmo líquido", disse Honniball.

A Nasa planeja o retorno dos astronautas à Lua, uma missão que visa preparar o caminho para uma viagem posterior que levará uma tripulação a Marte. Fontes acessíveis onde a água pode ser colhida na Lua seriam benéficas para esses empreendimentos.

“A água não está restrita apenas à região polar da Lua. É mais espalhada do que pensávamos”, disse Honniball.

(Com informações de Henrique Melo, da CNN, e da Reuters)