Após indícios de invasões hacker, Ministério da Saúde migra para Telegram

Mudança foi avisada via assessoria de comunicação da casa

Will Marinho, da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 19:25 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 20:49
Ministério da Saúde não informou sobre o "possível ataque para preservar provas e dados", diz o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco
Foto: Divulgação

Em comunicado nesta quinta-feira (17) via assessoria de comunicação, o Ministério da Saúde mudará o envio de suas mensagens abriu um canal no Telegram, por onde se comunicará com a imprensa. Neste espaço será postado demandas como: o quadro diário de casos e óbitos da Covid-19, avisos de pauta, releases e outros informes.

O envio de mensagens pelo Whastapp será encerrado no dia 18/12. Na sexta-feira (13), o Ministério da Saúde reconheceu, indícios de um ataque cibernético em seu sistema.

Leia e assista também:

Presidente da Anvisa pede entendimento a autoridades: já temos problemas demais
Brasil registra mais 1.092 mortes por Covid-19, maior número desde junho
STF decide que vacina contra a Covid-19 deve ser obrigatória, mas não, forçada


"Após o início das investigações sobre o vírus que afetou nossa rede de tecnologia, na semana passada, há indício de que a pasta também foi alvo de tentativa de ataques cibernéticos, embora não haja laudo conclusivo", disse o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, em pronunciamento à TV Brasil.

Franco disse que o Ministério não havia informado ainda sobre o possível ataque para "preservar provas e garantir a segurança de dados". "Desde o início da ocorrência todas as medidas necessárias para preservar a integridade de sistemas, servidores e dados do Ministério da Saúde foram tomadas. Não houve comprometimento, sequestro ou vazamento de informações."

(Com informações da Agência Estado)