Saiba quais devem ser as prioridades da Nasa no governo de Joe Biden


Arick Wierson, da CNN
11 de janeiro de 2021 às 15:39 | Atualizado 12 de janeiro de 2021 às 07:07
Rover Perseverence na superfície de Marte
Rover da Nasa enviado para explorar Marte 'Perseverence'
Foto: Divulgação/Nasa

NOTA DO EDITOR: Moriba Jah é professor associado de Engenharia Aeroespacial e Engenharia Mecânica da Universidade do Texas em Austin. As opiniões expressas neste texto são dele.

Como administrador da Nasa nos últimos dois anos e meio, Jim Bridenstine fez muitas coisas boas para a agência espacial, e uma delas foi ter sucesso em levar norte-americanos de volta ao espaço em foguetes que saíram dos Estados Unidos.

Ele também definiu uma visão para a exploração especial pelo Programa Artemis, que busca a exploração humana do espaço, inicialmente focado em levar as pessoas de volta à lua e as mulheres lá pela primeira vez até 2024.

Com a transição para o governo Biden, fica claro que haverá um novo administrador da Nasa colocado no lugar. É importante que este novo chefe se concentre em continuar nossos esforços de exploração espacial enquanto amplia as proteções ambientais para incluir o espaço sideral.

Ou seja, sermos melhores administradores e guardiães da vida aqui na Terra e em outros corpos celestes.

A questão é mais importante agora do que nunca, pois estamos no meio de uma nova corrida espacial, desta vez entre empresas de informação e tecnologia que buscam capitalizar em novos mercados e empurrar os limites da miniaturização, velocidade e tecnologia, com um espectro que vai da observação da Terra à internet global baseada em satélite.

Leia e assista também:

Saiba quais foram os três maiores asteroides que já passaram bem perto da Terra

Nasa escolhe as melhores fotos do ano na Estação Espacial Internacional

Além disso, o Departamento de Defesa criou recentemente outro ramo de serviço chamado Força Espacial dos EUA, que fornecerá proteção e segurança para o comércio e atividades dos EUA no espaço.

Com a atual pandemia, o governo Biden-Harris provavelmente estará menos focado na exploração espacial e no comércio do que o governo anterior.

Mas dada a ênfase do novo governo na mudança climática, o novo administrador da Nasa poderia ser mais eficaz se concentrando em como os serviços, capacidades e atividades espaciais podem ajudar a garantir o ambientalismo alcançável. Muitos dos dados usados para monitorar e avaliar as mudanças climáticas, por exemplo, são coletados de ativos baseados no espaço.

O espaço próximo à Terra no qual nossos satélites viajam está cada vez mais congestionado, deixando nossos ativos desprotegidos de perigos e ameaças de tráfego espacial. Se qualquer um dos satélites de coleta de dados de mudança climática sofrer danos causados pelo lixo espacial, isso diminuiria muito nossa capacidade de entender o escopo da sustentabilidade ambiental.

Os administradores que chegarão à Nasa devem buscar maneiras de tornar o tráfego espacial mais previsível (onde ele está e onde estará nas rodovias orbitais), o que ajudará muito na segurança espacial. Com o amplo compartilhamento das localizações dos satélites e as manobras planejadas, o resto dos operadores de satélites podem planejar adequadamente.

A estação espacial internacional está repleta de assistentes robóticos
O astronauta Chris Cassidy na estação espacial internacional
Foto: Reprodução/Nasa

O tráfego espacial é crescente significativamente sem regras de tráfego espacial acordadas. Cada país é livre para usar o espaço, pacificamente, como desejar, mas, na órbita próxima à Terra, várias entidades se comportando individualmente sem uma estratégia podem resultar em tragédia.

Uma diretiva de política de 2018 define a prioridade nacional para a consciência da situação espacial e gestão de tráfego para auxiliar a exploração e apoiar o comércio espacial, recentemente apoiado pelo Congresso sob o Departamento de Comércio do Escritório de Comércio Espacial.

Este conhecimento é necessário para entender quando lançar um satélite e quando sair do caminho de uma possível colisão. O número de quase-acidentes previstos – qualquer par de objetos espaciais com previsão de chegar a 10 quilômetros um do outro – no espaço dobrou nos últimos dois anos, como pode ser visualizado no Serviço de Transmissão Conjunta (CSS) da Universidade do Texas em Austin. O próximo administrador da Nasa deve mitigar esse risco para a exploração espacial.

É improvável que o próximo chefe da Nasa consiga continuar o caminho iniciado por Bridenstine com o Programa Artemis devido ao seu ambicioso cronograma e requisitos de financiamento. Mas o ambientalismo espacial é uma questão crítica a ser abordada e a Nasa tem um papel claro do ponto de vista científico e tecnológico.

Sob o próximo administrador, a Nasa deve continuar a pesquisar energia limpa e aviação, ao mesmo tempo que ajuda a humanidade a compreender o impacto e o alcance das mudanças climáticas.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).