Facebook vai remover publicações falsas sobre vacinas e pode excluir perfis

A empresa afirmou que vai remover grupos, páginas e contas que compartilham repetidamente as informações sem comprovação científica

Elizabeth Culliford e Sheila Dang, Reuters
08 de fevereiro de 2021 às 18:18
Ilustração com logos do Facebook
Foto: Johanna Geron/Reuters (2.dez.2019)

O Facebook afirmou, nesta segunda-feira (8), que vai expandir uma lista de informações falsas sobre saúde e vai proibir a plataforma de incluir notícias não comprovadas sobre vacinas em geral, como, por exemplo, que são tóxicas ou causam autismo.

A empresa disse que está aumentando a análise de dados falsos sobre o coronavírus, a vacina contra a Covid-19 e outras vacinas. E que removerá, inclusive, afirmações de que o coronavírus é foi criado pelo homem e que as vacinas são perigosas. Tais afirmações já são proibidas em anúncios na plataforma.

O Facebook afirmou que vai remover grupos, páginas e contas que compartilham repetidamente as informações sem comprovação científica.

A empresa introduziu políticas mais rígidas para combater a desinformação da vacina contra a Covid-19 durante a pandemia, mas adotou uma abordagem menos direta em publicações sobre outras vacinas, que raramente foram removidas.

Em dezembro, o Facebook anunciou que removeria as falsas afirmações sobre as vacinas da Covid-19 que haviam sido desmascaradas por especialistas em saúde pública, mas nas últimas semanas publicações dessa natureza têm sido identificadas em páginas do Facebook, grupos e contas do Instagram que ainda espalham desinformação.

Outra medida prometida pelo Facebook é uma ajuda para que usuários descubram onde e quando eles podem receber a vacina contra o coronavírus.

A empresa fará parceria com a Johns Hopkins e a AARP para alcanças negros, latinos, americanos nativos e pessoas com mais de 50 anos com conteúdo educacional.