Relâmpagos podem ter gerado a vida na Terra, aponta novo estudo

Fenômenos há 4 bilhões de anos podem ter gerado quantidade necessária de elemento fundamental para o início da vida no planeta

Ashley Strickland, da CNN
22 de março de 2021 às 18:38
Relâmpago
Relâmpago
Foto: Free-Photos/Pixabay

Milhões de relâmpagos podem ter sido exatamente o que era necessário para a vida começar na Terra, de acordo com um novo estudo.

Um dos principais ingredientes necessários para a vida como a conhecemos é o fósforo — e a infinidade de relâmpagos que aconteceram quando a Terra era jovem, 4 bilhões de anos atrás, pode ter desbloqueado a quantidade necessária de fósforo para criar a base para a vida.

O fósforo é necessário nas moléculas que formam as estruturas celulares básicas e membranas celulares e compõe também a espinha dorsal de fosfato do DNA e do RNA, disse Benjamin Hess, autor do estudo e estudante de graduação na Universidade de Yale no Departamento de Ciências da Terra e Planetárias.

Mas esse elemento era um tanto inatingível na Terra primitiva porque ficava preso dentro de minerais.

"A maior parte do fósforo na Terra primitiva estava presa em minerais que são essencialmente insolúveis e não reativos, o que significa que não podiam ser usados ??para fazer biomoléculas necessárias para a vida", disse Hess. "Os relâmpagos fornecem um novo mecanismo para a criação de fósforo em uma forma que pode fazer compostos importantes para a vida."

O estudo foi publicado na terça-feira na revista Nature Communications.

Há muito tempo se pensa que os meteoritos teriam dado à Terra os elementos necessários para que houvesse vida. Os meteoritos são conhecidos por conter schreibersita, um mineral de fósforo que pode ser dissolvido em água. Se um número suficiente deles colidisse com a Terra, a schreibersita poderia ter fornecido a quantidade certa de fósforo.

No entanto, a vida começou entre 3,5 a 4,5 bilhões de anos atrás, e foi quando uma quantidade menor de meteoritos impactou a Terra.

A schreibersita também pode se originar da fulgurita, um corpo vitrificado que se forma quando um raio atinge o solo.

Descobriu-se que a fulgurita contém fósforo liberado das rochas superficiais, e é solúvel.

"O relâmpago é um mecanismo que não diminui necessariamente com o tempo, como ocorre com a fonte comumente aceita, os meteoritos", acrescentou Hess. "Esse mecanismo pode ser muito importante para considerar a formação de vida em planetas semelhantes à Terra depois que os impactos de meteoritos se tornaram raros."

Os relâmpagos também têm sido um assunto de interesse para os cientistas quando pensam sobre a vida na Terra primitiva, porque levam à criação de gases como os óxidos de nitrogênio, que também desempenharam um papel na origem da vida.

Hess e seus colegas pesquisadores usaram essa pesquisa existente para investigar e refinar a taxa de relâmpagos na Terra primitiva.

Na Terra hoje, temos cerca de 560 milhões de relâmpagos por ano. Na Terra primitiva, esse número estava entre 1 e 5 bilhões por ano, com 100 milhões a 1 bilhão atingindo o solo.

Em um bilhão de anos, isso poderia ter levado a 1 quintilhão de relâmpagos - e muito fósforo.

Os relâmpagos eram mais prevalentes na Terra primitiva porque havia mais dióxido de carbono na atmosfera. O dióxido de carbono influi na temperatura global, e uma temperatura global mais alta causa tempestades mais frequentes e intensas, disse Hess.

Os níveis de dióxido de carbono foram elevados na Terra primitiva depois que um corpo do tamanho de Marte colidiu com a Terra para criar a lua, há 4,5 bilhões de anos. Isso também liberou muitos gases de dentro da Terra, como dióxido de carbono - que então ficou preso na atmosfera da Terra e levou a mais relâmpagos, disse Hess.

"Nossa ideia de queda de raios como um mecanismo significativo para a criação de fósforo é importante para a nossa compreensão do surgimento da vida porque as descargas atmosféricas são relativamente constantes ao longo do tempo", disse Hess.

Compreender o papel dos raios como forma de criar fósforo utilizável tem implicações na busca por vida fora da Terra.

"Nossas descobertas são provavelmente aplicáveis ??a qualquer planeta que tenha uma atmosfera que gere raios. Enquanto um planeta tiver uma quantidade significativa de raios, ele terá uma fonte de fósforo necessária para o surgimento da vida", disse Hess.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)