Evolução humana pode ter ocorrido em diferentes locais na África simultaneamente

Novo estudo com peças encontradas aponta que o desenvolvimento tecnológico humano pode ter tido origem tanto na costa quanto no centro da África

Katie Hunt, da CNN
02 de abril de 2021 às 12:08
Escavações arqueológicas
Escavações arqueológicas no sítio Ga-Mohana Hill North Rockshelter, na África do Sul
Foto: Jayne Wilkins

O início do desenvolvimento científico e cultural da humanidade tinha como único cenário possível uma caverna com vista para o mar no sul da África.

As primeiras evidências sugerindo que os humanos eram capazes de pensamento simbólico e comportamento complexo — como o uso de tinta com pigmentos ocre e itens decorativos — vêm de locais costeiros da África que datam de cerca de 70.000 a 125.000 anos atrás. Esses tipos de objetos nos fornecem percepções sobre a mente humana porque sugerem uma identidade compartilhada por vários indivíduos.

Os arqueólogos presumiram que muitas das inovações e habilidades que tornam o homo sapiens único evoluíram em grupos que viviam na costa antes de se espalharem para o interior. Recursos marinhos como crustáceos e um clima mais tolerante podem ter permitido que os humanos primitivos nessas áreas prosperassem. Além disso, uma dieta rica em frutos do mar, que contém ácidos graxos ômega-3, importantes para o crescimento do cérebro, também pode ter desempenhado um papel na evolução do cérebro e do comportamento humano.

No entanto, novas descobertas a 600 quilômetros para o interior do continente, no sul do deserto de Kalahari, contradizem essa visão. O novo estudo sugere que os primeiros humanos modernos que viviam nesta região não ficaram atrás de seus homólogos que viviam na costa.

Cristais coletados por homo sapiens
Cristais coletados por homo sapiens no deserto do Kalahari há 105 mil anos
Foto: Jayne Wilkins

Acredita-se que cerca de 22 cristais de calcita e fragmentos de cascos de avestruz - encontrados em Ga-Mohana Hill North Rockshelter, na África do Sul, e datados de aproximadamente 105.000 anos atrás — foram propositalmente coletados e trazidos para o local. Os cristais não têm um propósito óbvio, e os pesquisadores sugeriram que os cascos de avestruz poderiam ter sido usados como garrafa de água.

"Eles são bem formados, brancos e visualmente impressionantes e adoráveis. Os cristais ao redor do mundo são importantes por razões espirituais e rituais em diferentes períodos e lugares", disse Jayne Wilkins, paleontóloga e arqueóloga do Centro Australiano de Pesquisa sobre a Evolução Humana, na Universidade de Griffith, Brisbane, Austrália, e principal autora do estudo publicado na quarta-feira (1) na revista Nature.

"Tentamos muito descobrir se os processos naturais poderiam ou não explicar como eles entraram nos sítios arqueológicos, mas não há uma explicação. As pessoas devem tê-los trazido para o local."

Wilkins disse que, à luz dessas descobertas, as ideias que ligam o surgimento do homo sapiens aos ambientes costeiros "precisam ser repensadas". Ela sugeriu que a história da origem dos humanos é mais complexa, envolvendo diferentes lugares e ambientes na África e diferentes grupos de pessoas primitivas interagindo entre si e contribuindo para o surgimento de nossa espécie.

“Antes, o Kalahari não era considerado uma região importante para entender as origens dos comportamentos complexos do homo sapiens, mas nosso trabalho mostra que é. Em última análise, isso significa que os estudos que se concentram em um único centro de origem, como a costa da África do Sul, são muito simplistas ", disse ela à CNN por e-mail.

Pamela Willoughby, professora do departamento de antropologia da Universidade de Alberta, em Edmonton, Canadá, que não participou da pesquisa, concordou com essa avaliação.

Cristal de calcita
Cristal de calcita escavado em sítio no deserto do Kalahari
Foto: Jayne Wilkins

"Os objetos que eles encontraram sugerem que é hora de revisar o pensamento atual sobre o surgimento de inovações culturais entre as primeiras populações humanas", disse ela em um comentário publicado juntamente com o estudo.

O clima no Kalahari, 100.000 anos atrás, teria sido muito diferente do lugar árido que é agora.

Os artefatos recém-descobertos estariam em mãos humanas em um momento de aumento das chuvas. Os pesquisadores afirmam que a maior disponibilidade de água pode ter levado a maiores densidades populacionais, o que pode ter influenciado a origem e disseminação de comportamentos inovadores.

Willoughby disse que parte do problema em desvendar a complexa história das origens humanas é que apenas algumas regiões africanas foram estudadas em detalhes.

Ela disse que o registro fóssil na África "agora indica que não parece haver um único padrão de desenvolvimento tecnológico e social ao longo do tempo. Iniciar pesquisas e escavações em áreas menos conhecidas ajudará a esclarecer o que fez nossos ancestrais imediatos verdadeiramente modernos, tanto biológica como culturalmente. "

(Texto traduzido. Leia o original em inglês).