Rover Curiosity descobre que Marte não perdeu toda sua água de uma vez

Observações revelam que mudanças entre as eras úmida e seca foram eventos em grande escala que se alternaram até que o planeta se tornou permanentemente árido

Ashley Strickland, da CNN
18 de abril de 2021 às 07:26
Self feita pelo rover Curiosity, da Nasa, no Monte Sharp, em Marte
Self feita pelo rover Curiosity, da Nasa, no Monte Sharp, em Marte
Foto: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Marte era um planeta quente e úmido que provavelmente era capaz de sustentar vida há bilhões de anos. Algo fez com que o planeta perdesse sua atmosfera e se transformasse no deserto gelado que é hoje.

O rover Curiosity, que pousou em Marte em 2012, tem explorado diferentes aspectos da cratera Gale para entender mais sobre essa transição de quente e úmido para seco e muito frio.

O último estudo a partir de dados capturados por um dos instrumentos do rover, sugere que Marte na verdade fez a transição entre os tempos mais úmidos e mais secos antes de perder completamente a água da superfície há cerca de três bilhões de anos.

A Curiosity tem escalado constantemente o Monte Sharp de 4,8 km de altura, localizado no centro da cratera Gale, desde 2014.

Um instrumento chamado ChemCam fica no mastro do rover e inclui uma câmera de alta resolução e laser que pode vaporizar rochas para ajudar o rover a analisar sua composição química. 

O ChemCam tem um laser infravermelho que pode aquecer pedaços de rocha a 9,9 mil graus Celsius. Isso vaporiza a rocha e cria plasma, permitindo aos cientistas essencialmente olhar para dentro dos minerais e produtos químicos que compõem a rocha e olhar para trás na história geológica do planeta.

A câmera da ChemCam foi usada para capturar observações do terreno do Monte Sharp, que revela fatias do passado marciano conforme a variação da rocha.

Uma lição de história de Marte

O Monte Sharp é um local intrigante em Marte porque é uma das melhores maneiras pelas quais o planeta vermelho registrou a história de seu clima, água e sedimentos.

"Um dos principais objetivos da missão Curiosity era estudar a transição entre o ambiente habitável do passado, para o clima seco e frio que Marte tem agora. Essas camadas de rocha registraram essa mudança em grande detalhe", disse Roger Wiens, co- autor do artigo e cientista da equipe ChemCam do Laboratório Nacional de Los Alamos, em um comunicado.

O estudo foi publicado na semana passada na revista Geology.

Orbitadores em torno de Marte registraram anteriormente informações sobre os minerais nas encostas do Monte Sharp. Os dados do Curiosity forneceram observações ainda mais detalhadas das camadas de rochas sedimentares e revelaram períodos secos e úmidos no passado do planeta.

Curiosity detecta grandes mudanças nas camadas

À medida que o Curiosity ascendeu o Monte Sharp, as camadas mudaram dramaticamente.

A base do Monte Sharp é feita de argila depositada à beira do lago que antes enchia a cratera. Acima estão camadas de arenito que ainda preservam evidências de como foram formadas por dunas em forma de vento em épocas mais secas. As camadas acima revelam mais depósitos da planície de inundação, indicando quando as condições úmidas retornaram a Marte.

As observações do Curiosity revelam que essas mudanças entre as eras úmida e seca foram eventos em grande escala que se alternaram até que o planeta se tornou permanentemente árido. O recorde climático de Mount Sharp permitiu que o Curiosity se aprimorasse em um período que vai de 2,9 bilhões a 3,7 bilhões de anos atrás.

À medida que o rover continua sua missão, o Curiosity continuará subindo o sopé do Monte Sharp e usará sua broca para explorar ainda mais os tipos de rocha e o que eles revelam. Isso pode fornecer mais informações sobre a causa de tais flutuações climáticas drásticas.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)