China se torna 2º país a dirigir um veículo espacial na superfície de Marte

O veículo espacial de seis rodas movido a energia solar, que pesa cerca de 240 quilogramas (529 libras), pousou em Marte em 15 de maio

Ben Westcott e Sarah Faidell, CNN
22 de maio de 2021 às 10:07
China rover
Rover se dirigiu para Marte neste sábado
Foto: Feature China/Barcroft Media/Getty Images

O rover chinês Zhurong deixou sua plataforma de pouso e dirigiu na superfície de Marte neste sábado (22), informou a mídia estatal — tornando o país apenas o segundo depois dos EUA a pousar e operar um rover no planeta vermelho.

O veículo espacial de seis rodas movido a energia solar, que pesa cerca de 240 quilogramas (529 libras), pousou em Marte em 15 de maio. Sua missão deve durar três meses, disse o governo chinês, período durante o qual procurará por sinais ou evidências de vida antiga na superfície de Marte.

Zhurong recebeu o nome de um deus do fogo na mitologia chinesa e pousou na região Utopia Planitia do planeta vermelho.

A conta oficial do rover na mídia social no Weibo anunciou o sucesso do test drive do rover na tarde de sábado, horário de Pequim, dizendo que ele estava pronto para "patrulhar e explorar".

Os Estados Unidos lançaram nove pousos bem-sucedidos em Marte, incluindo o envio de cinco robôs para explorar a superfície do planeta. A União Soviética já havia conseguido pousar na superfície de Marte, mas foi incapaz de operar um rover no planeta.

A missão da China conseguiu entrar na órbita do planeta e pousar um rover que poderia atravessar a superfície marciana de uma vez. Embora a NASA tenha concluído isso décadas antes da China, foram necessárias várias missões dos EUA para ser concluído.

A mídia estatal chinesa Xinhua também relatou a "primeira viagem bem-sucedida" do rover de Marte, e disse que ele havia deixado "as primeiras 'pegadas' do país no planeta vermelho."

Enquanto Zhurong explora Marte, suas descobertas serão retransmitidas à Terra pelo orbitador Tianwen-1 de Marte. Após o término da missão do rover, o orbitador conduzirá uma pesquisa global do planeta por um ano marciano, ou 687 dias terrestres.

A sonda já passou três meses em órbita fazendo o reconhecimento da área de pouso antes de liberar o rover para a superfície.

Tianwen-1 foi lançado por um foguete Longa Marcha 5 do centro de lançamento espacial

Wenchang na província de Hainan em 23 de julho de 2020, e passou sete meses a caminho de Marte antes de entrar em sua órbita em fevereiro. Em chinês, Tianwen significa "Busca da Verdade Celestial".

Tianwen-1 é uma das três missões internacionais a Marte lançadas no verão passado, junto com o rover Perseverance da NASA, que pousou em Marte em fevereiro, e a Sonda Hope dos Emirados Árabes Unidos, que entrou em órbita ao redor de Marte, também em fevereiro. Ao contrário das missões dos EUA e da China, a sonda dos Emirados Árabes Unidos não tem como objetivo pousar em Marte — apenas estudar o planeta em órbita.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).