Sonda Juno, da Nasa, captura as primeiras imagens de Ganimedes; veja

Ganimedes é a lua de Júpiter, observada pela Nasa na missão Juno; com 5.262 quilômetros de diâmetro, esta lua é maior que o planeta Mercúrio

Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo
09 de junho de 2021 às 08:22 | Atualizado 09 de junho de 2021 às 18:40
Juno - Ganimedes
Imagem de Ganimedes capturada pela missão Juno, da Nasa, nesta segunda-feira (7)
Foto: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS

A missão Juno, da Nasa, se aproximou o suficiente da maior lua do sistema solar para capturar novas imagens. A última vez que Ganimedes, a maior lua de Júpiter, foi fotografada tem mais de 20 anos. As fotos, divulgadas pela Nasa, revelam a superfície da lua e seu lado escuro. 

A sonda que capturou essas imagens em alta resolução chegou a 1.038 quilômetros da superfície de Ganimedes. Essa distância é a mais próxima que uma espaçonave já esteve da lua desde que a sonda Galileo conseguiu se aproximar, em maio de 2000. 

Com 5.262 quilômetros de diâmetro, esta lua é maior que o planeta Mercúrio e é a única lua no sistema solar com sua própria magnetosfera – uma região em forma de bolha que carrega partículas localizadas em torno do corpo celestial.

As câmeras a bordo de Juno revelaram a superfície, as crateras da maior lua do sistema solar, partes do terreno escuro e longas características estruturais possivelmente ligadas a falhas tectônicas, diz a Nasa. 

As fotos – uma do gerador de imagens JunoCam e a outra da câmera da Unidade de Referência Estelar – foram recebidas na Terra nesta segunda-feira (7).

lado negro de Ganimedes
lado negro de Ganimedes
O lado negro de Ganimedes, capturado pela sonda Juno, da NasaCrédito: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS
  • lado negro de Ganimedes
  • Representação artística mostra a nave Juno na órbita de Júpiter
  • Imagem de Júpiter capturada pela missão Juno, da Nasa
  • Imagem capturada pela missão Juno mostra atmosfera de Júpiter
  • Nuvens de Júpiter capturadas pela missão Juno
  • Tempestades em Júpiter capturadas pela missão Juno

“É o mais próximo que uma espaçonave chegou desta lua gigantesca em uma geração”, disse o investigador principal da Juno, Scott Bolton, do Southwest Research Institute, em San Antonio, no Texas. “Vamos levar tempo antes de tirar qualquer conclusão científica, mas até lá podemos simplesmente observar esta maravilha celestial.”