Após atraso, astronautas da Nasa se preparam para nova caminhada no espaço

Tarefa no exterior da Estação Espacial Internacional tem como objetivo substituir antena que está com defeito; início está previsto para 09h10

Estação Espacial Internacional fotograda pela cápsula Soyuz após desatracagem.
Estação Espacial Internacional fotograda pela cápsula Soyuz após desatracagem. NASA

Steve Gormanda Reuters

Ouvir notícia

Dois astronautas da Nasa estão prontos para embarcar em uma caminhada no espaço, nesta quinta-feira (02), para substituir uma antena com defeito na Estação Espacial Internacional (ISS). A tarefa será iniciada após um atraso de 48 horas causado por um alerta de “detritos orbitais”, que posteriormente a agência considerou que não seriam motivos para preocupação.

A Nasa TV planeja uma cobertura ao vivo da caminhada espacial, que deve durar de 6 a 12 horas, programada para começar às 9h10, horário de Brasília.

Os astronautas Thomas Marshburn e Kayla Barron vão sair de uma câmara de ar do laboratório de pesquisa em órbita a cerca de 402 km acima da Terra.

O passeio é a quinta caminhada espacial de Marshburn, 61, médico e ex-cirurgião de voo com duas viagens anteriores em órbita, e a primeira de Barron, 34, oficial da Marinha dos EUA e engenheira nuclear em seu primeiro voo espacial para a Nasa.

O objetivo é remover uma antena de comunicação de rádio com defeito, que já está no local há mais de 20 anos, e substituí-la por uma reserva guardada fora da estação espacial.

A estação espacial está equipada com outras antenas que podem executar as mesmas funções, mas a instalação de um sistema de substituição garante um nível ideal de “redundância de comunicações”, disse a Nasa.

Marshburn trabalhará com Barron enquanto estiverem posicionados na extremidade de um braço robótico manobrado de dentro pelo astronauta alemão Matthias Maurer da Agência Espacial Europeia, com a ajuda do companheiro de tripulação da Nasa, Raja Chari.

Os quatro chegaram à estação espacial em 11 de novembro em uma cápsula Crew Dragon da SpaceX lançada do Centro Espacial Kennedy na Flórida, juntando-se a dois cosmonautas russos e um astronauta da Nasa, Mark Vande Hei, já a bordo do posto avançado em órbita.

Quatro dias depois, um teste de míssil antissatélite conduzido sem aviso pela Rússia gerou um campo de destroços na órbita baixa da Terra, forçando os sete membros da tripulação da ISS a se abrigarem em suas espaçonaves ancoradas para permitir uma fuga rápida até que o perigo imediato passasse, disse a Nasa.

A nuvem residual de destroços do satélite detonado se dispersou desde então, de acordo com Dana Weigel, vice-gerente do programa ISS da Nasa.

Mas a Nasa calcula que os fragmentos restantes continuam a representar um risco “ligeiramente elevado” para a estação espacial como um todo, e um risco 7% maior de perfurar trajes de caminhantes espaciais, em comparação com antes do teste de mísseis da Rússia, Weigel disse a repórteres na última segunda-feira.

No entanto, a Nasa determinou que esses níveis de risco, embora elevados, caíram dentro de limites toleráveis e avançou com os preparativos para conduzir a caminhada no espaço, conforme planejado originalmente na terça-feira.

Horas antes do início da operação, a Nasa recebeu um alerta de rastreadores espaciais militares dos EUA sobre uma ameaça de colisão de destroços recentemente detectada, solicitando que o controle da missão atrasasse a missão de atividade extra-veicular (EVA).

Na tarde de terça-feira, a Nasa disse que sua avaliação concluiu que os destroços em questão – sua origem não foi esclarecida – não representavam nenhum risco para os caminhantes espaciais ou para a estação, e a substituição da antena foi reprogramada para quinta-feira de manhã.

O exercício de quinta-feira marca a 245ª caminhada no espaço em apoio à montagem e manutenção da estação espacial, que neste mês ultrapassou 21 anos de presença humana contínua, disse a Nasa.

Um porta-voz da Nasa, Gary Jordan, disse que o adiamento da caminhada no espaço desta semana foi considerado o primeiro da estação causado por um alerta de destroços.

Empresa oferece voos de balão até o espaço por menos de R$ 300 mil; confira imagens:

Mais Recentes da CNN