Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bebês foca compartilham habilidade vocal rara com humanos, diz estudo

    Com poucas semanas de idade, animais podem alterar tom de voz para melhor compreensão

    bebê foca
    bebê foca John O' Connor/Instituto Mark Planck

    Kristen Rogersda CNN

    Além de ser uma parte adorável e importante dos ecossistemas marinhos, a foca bebê pode ter uma habilidade incomum. Um novo estudo descobriu que estes animais podem mudar o tom de suas vozes para serem melhor compreendidos, como os humanos fazem.

    Uma pessoa ou animal que usa esse recurso está sendo “plasticamente vocal” ou ajustando seus sinais vocais em resposta a mudanças no ambiente que se sobrepõem ou encobrem suas vozes, de acordo com o estudo publicado nesta segunda-feira (1).

    Ser capaz de se comunicar com clareza e precisão é importante para oportunidades de acasalamento, fuga de predadores e aprendizado social, escreveram os autores.

    Os pesquisadores tiveram uma série de razões para querer testar as cordas vocais de focas bebês . A rara habilidade de imitar novos sons – aprendizagem vocal – foi observada anteriormente entre focas adultas e algumas outras espécies de mamíferos, de acordo com os autores.

    Poucos mamíferos têm a capacidade de alterar seu tom vocal para soar mais alto ou mais baixo, o que é crítico para a comunicação humana.

    “Olhando para um dos poucos outros capazes de aprenderem sons, podemos entender melhor como nós, humanos, adquirimos a fala e, em última análise, por que somos animais tão tagarelas”, disse Andrea Ravignani, pesquisadora sênior do estudo e líder do grupo de pesquisa no departamento de bioacústica do Instituto Max Planck de Psicolinguística.

    Os pinípedes – animais como focas e morsas que pertencem à ordem Pinnipedia – são ótimos modelos para o aprendizado vocal, uma vez que estão mais próximos do que outras espécies dos humanos em termos de desenvolvimento evolutivo e diversificação, escreveram os autores.

    Depois de gravar os sons de ruídos ambientais no Mar de Wadden – localizado entre Dinamarca, Alemanha e Holanda – os pesquisadores usaram um software para filtrar o áudio a uma frequência que se sobreporia à faixa de comunicação entre focas mães e seus bebês.

    Os autores então testaram oito focas selvagens, saudáveis ​​e sem parentesco que tinham entre 1 e 3 semanas de idade do Centro de Pesquisa e Reabilitação de Focas na Holanda. Em última análise, este centro libera os animais de volta à natureza.

    Quando ouviram um alto-falante tocar uma gravação de 45 minutos consistindo de alto ruído, baixo ruído ou nenhuma reprodução por vários dias, os filhotes emitiram sons constantemente. Quando ouviram barulhos mais altos, eles diminuíram seu tom de voz. Durante níveis de ruído mais intensos, os filhotes usaram um tom mais estável.

    Esse comportamento, chamado de efeito Lombard, é típico da fala humana quando as pessoas falam mais alto para ser mais compreensível, disseram os autores.

    Foca bebê
    Foca bebê / John O’ Connor/Seal Center Pieterburen/Divulgação

    As focas podem ter abaixado o tom, já que sons de baixa frequência viajam mais longe em ambientes ventosos, como o projetado pelo áudio gravado, disse Caroline Casey, cientista pesquisadora e professora adjunta da Universidade da Califórnia. Casey revisou independentemente o estudo, mas não estava envolvido na pesquisa.

    “Ou (o tom mais baixo) pode ajudar a reter as identidades dos filhotes, já que a frequência fundamental é uma característica fortemente relacionada à identidade e ao tamanho do filhote”, acrescentou ela.

    Nesse contexto, a frequência fundamental descreve a faixa de frequência vocal de um animal dependente da velocidade, tamanho e uso de suas cordas vocais.

    As descobertas mostraram que “os filhotes de focas têm um controle mais avançado sobre suas vocalizações do que se supunha até agora”, disse Ravignani. “Esse controle parece já estar presente com apenas algumas semanas de idade. Isso é surpreendente, pois poucos outros mamíferos são capazes disso”.

    Anteriormente, pensava-se que os humanos eram os únicos mamíferos com conexões neurais diretas entre o córtex – a camada externa do cérebro – e a laringe, que usamos para produzir o tom vocal, acrescentou.

    “Esses resultados mostram que as focas podem ser as espécies mais promissoras para encontrar essas conexões diretas e desvendar o mistério da fala.”

    Ao estudar quais redes neurais ou condições sociais precisam estar em vigor para a linguagem evoluir, os pássaros têm sido os melhores animais para nos compararmos, disse Casey. Isso porque durante os estudos sobre ambiente e aprendizagem vocal, as aves podem ser criadas em cativeiro e amadurecem naturalmente mais rápido.

    “No entanto, há muitas diferenças, especialmente no que diz respeito à sociologia e à história de vida entre humanos e pássaros”, acrescentou ela. “Estamos sempre procurando por mamíferos que sejam bons modelos para o estudo do aprendizado vocal.”

    Pesquisas futuras, escreveram os autores, poderiam explorar mais quais outros fatores podem ser importantes para a plasticidade vocal das focas.

    (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

    Tópicos

    Tópicos