Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Capturada por telescópio, imagem mais profunda do universo deve ser revelada em julho

    Observação feita pelo James Webb está prevista para ser divulgada pela Nasa no dia 12 de julho

    O Telescópio Espacial James Webb será o principal observatório espacial da próxima década.
    O Telescópio Espacial James Webb será o principal observatório espacial da próxima década. Adriana Manrique Gutierrez/CIL/GSFC/NASA

    Ashley Strickland,da CNN

    Ouvir notícia

    Estamos prestes a ter uma perspectiva inteiramente nova sobre o universo.

    O Telescópio Espacial James Webb lançará suas primeiras imagens coloridas de alta resolução em 12 de julho. Uma dessas imagens “é a imagem mais profunda do nosso universo que já foi tirada”, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson, durante uma entrevista coletiva nesta quarta-feira (29).

    “Se você pensar sobre, isso é mais longe do que a humanidade já se moveu antes”, disse Nelson. “E estamos apenas começando a entender o que o Webb pode fazer e o que fará. Vai explorar objetos no sistema solar e atmosferas de exoplanetas orbitando outras estrelas, nos dando pistas sobre se suas atmosferas são semelhantes às nossas.”

    Nelson, que compartilhou que testou positivo para Covid-19 na noite de terça-feira (28), não pôde comparecer ao evento pessoalmente no Space Telescope Science Institute, em Baltimore.

    A missão Webb, que foi estimada para durar 10 anos, tem capacidade de combustível em excesso suficiente para operar por 20 anos, de acordo com o vice-administrador da Nasa, Pam Melroy.

    Enquanto isso, a equipe Webb está finalizando os últimos passos de preparação do observatório e seus instrumentos para coletar dados científicos, que devem terminar na próxima semana, disse Bill Ochs, gerente de projeto Webb da Nasa.

    O observatório está tendo um desempenho ainda melhor do que o esperado, disseram os engenheiros da missão. E a equipe continua trabalhando no desenvolvimento de estratégias para evitar impactos de micro meteoroides, como a que atingiu parte do espelho de Webb em maio.

    O que esperar

    O observatório espacial, lançado em dezembro, poderá espiar dentro das atmosferas dos exoplanetas e observar algumas das primeiras galáxias criadas após o início do universo, observando-as através da luz infravermelha, invisível ao olho humano.

    O Webb começou a tirar suas primeiras imagens há algumas semanas e ainda está capturando algumas das imagens que serão compartilhadas em 12 de julho. Esse pacote de imagens coloridas será o resultado de 120 horas de observação — cerca de cinco dias de dados.

    O objetivo inicial do telescópio era ver as primeiras estrelas e galáxias do universo, essencialmente observando “o universo acender as luzes pela primeira vez”, disse Eric Smith, cientista do programa Webb e cientista-chefe da Divisão de Astrofísica da Nasa.

    O número exato e a natureza das imagens não foram compartilhados, mas “cada uma delas revelará diferentes aspectos do universo com detalhes e sensibilidade nunca vistos antes”, disse Klaus Pontoppidan, cientista do projeto Webb no Space Telescope Science Institute.

    A primeira versão destacará as capacidades científicas do Webb, bem como a capacidade de seu enorme espelho dourado e instrumentos científicos de produzir imagens espetaculares.

    As imagens mostrarão como as galáxias interagem e crescem e como as colisões entre galáxias impulsionam a formação de estrelas, bem como exemplos do violento ciclo de vida das estrelas. E podemos esperar ver o primeiro espectro de um exoplaneta, ou como comprimentos de onda de luz e cores diferentes revelam características de outros mundos.

    O espelho principal do telescópio James Webb tem 18 espelhos hexagonais / Divulgação/NASA

    O instrumento Near-Infrared Imager e Slitless Spectrograph do telescópio encerrou os preparativos esta semana. A ferramenta poderá usar um prisma especializado para dispersar a luz coletada de fontes cósmicas para criar três arco-íris distintos que revelam matizes de mais de duas mil cores infravermelhas a partir de uma única observação.

    Isso é especialmente útil ao observar exoplanetas para determinar se eles têm uma atmosfera — e escolher átomos e moléculas dentro dele quando a luz das estrelas brilha através da atmosfera para determinar sua composição.

    Olhando para frente

    A melhor parte é que a equipe do Webb está apenas no início da missão, e os dados coletados pelo observatório espacial serão divulgados publicamente para que cientistas de todo o mundo “possam iniciar uma jornada compartilhada de descoberta”, disse Pontoppidan.

    Os dados coletados pelo Webb permitirão aos cientistas fazer medições precisas de planetas, estrelas e galáxias de uma maneira que nunca foi possível antes, disse Susan Mullally, vice-cientista do projeto James Webb no Space Telescope Science Institute.

    “O Webb pode ver para trás no tempo logo após o Big Bang, procurando galáxias que estão tão distantes, a luz levou muitos bilhões de anos para chegar dessas galáxias a nós”, disse Jonathan Gardner, vice-cientista sênior do projeto Webb na Nasa .

    Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da Nasa, viu algumas das primeiras imagens que serão compartilhadas em 12 de julho.

    “É um momento emocionante quando você vê a natureza de repente liberando alguns de seus segredos”, disse Zurbuchen nesta quarta-feira. “Com este telescópio, é muito difícil não quebrar recordes.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN