Telescópio James Webb captura imagem impressionante da luz das estrelas

Capacidade de observação do Webb é tão sensível que galáxias e estrelas individuais também podem ser vistas atrás da estrela na imagem

Galáxias e estrelas podem ser vistas atrás da estrela 2MASS J17554042+6551277 nesta imagem capturada pelo Telescópio Espacial James Webb
Galáxias e estrelas podem ser vistas atrás da estrela 2MASS J17554042+6551277 nesta imagem capturada pelo Telescópio Espacial James Webb Nasa

Ashley Stricklandda CNN*

Ouvir notícia

O Telescópio Espacial James Webb deu um passo gigante em sua missão de desvendar os mistérios do universo.

O principal observatório espacial do mundo completou com sucesso uma série de etapas cruciais para alinhar seus 18 segmentos de espelhos de ouro. Tendo verificado este marco da lista de Webb, a equipe do telescópio espera que o observatório possa até exceder os objetivos que deveria alcançar.

Webb será capaz de espiar dentro das atmosferas de exoplanetas e observar algumas das primeiras galáxias criadas depois que o universo começou, observando-as através da luz infravermelha, que é invisível ao olho humano.

Em 11 de março, o Webb concluiu o “faseamento fino”, um estágio crítico que garante que os recursos ópticos do Webb estejam funcionando como deveriam. Durante os testes, a equipe não encontrou nenhum problema e determinou que Webb pode observar a luz de objetos distantes e alimentar essa luz nos instrumentos científicos a bordo do observatório.

Para o teste, Webb focou em uma estrela chamada 2MASS J17554042+6551277. Um filtro vermelho foi usado para mostrar o contraste. A capacidade de observação do Webb é tão sensível que galáxias e estrelas individuais também podem ser vistas atrás da estrela na imagem.

“As imagens são focadas tão bem quanto as leis da física permitem”, disse Marshall Perrin, vice-cientista de telescópios Webb no Space Telescope Science Institute em Baltimore. “Mas como estávamos focando nessas estrelas brilhantes, não pudemos deixar de ver o resto do universo entrando em foco atrás delas, para ver as estrelas e galáxias mais distantes aparecendo.”

Embora as primeiras imagens de alta resolução que Webb coleta do cosmos não sejam esperadas até o final de junho, as novas imagens de teste divulgadas pela Nasa nesta quarta-feira (16) mostram que Webb pode usar os segmentos individuais de seu espelho como um gigante de 6,5 metros e capture a luz de uma única estrela.

“As imagens de engenharia que vimos hoje são tão nítidas quanto as imagens que o Hubble pode tirar, mas estão em um comprimento de onda de luz que é totalmente invisível para os humanos, então isso está fazendo o universo invisível se encaixar em um foco muito, muito nítido.”, disse Jane Rigby, cientista do projeto de operações Webb no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland.

O espelho é tão grande que teve que ser dobrado para caber dentro do foguete para seu lançamento em 25 de dezembro. Depois de atingir uma órbita de 1,6 milhão de quilômetros da Terra em janeiro, Webb iniciou o cuidadoso processo de desdobramento e alinhamento de seu espelho.

“Há mais de 20 anos, a equipe Webb decidiu construir o telescópio mais poderoso que alguém já colocou no espaço e apresentou um design óptico audacioso para atender às exigentes metas científicas”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Missão Científica da Nasa, em Washington. “Hoje podemos dizer que o design vai entregar.”

Embora o processo esteja em andamento, a equipe é encorajada a ver o desempenho do Webb ainda melhor do que o esperado. Agora que o estágio de fase fina está completo, a Câmera de Infravermelho, que serve como o gerador de imagens primário do telescópio, é alinhada ao espelho.

Webb também capturou uma nova “selfie” usando uma lente focada na captura de imagens dos segmentos reais do espelho. A selfie mostra o alinhamento dos segmentos do espelho à medida que capturam a luz das estrelas em uníssono.

Esta nova “selfie” mostra todos os 18 segmentos de espelhos primários de Webb coletando luz da mesma estrela. / NASA/STScI

A conclusão da fase fina e todas as etapas críticas anteriores também trazem um suspiro de alívio para a equipe.

“Todas as noites sem dormir que tive e as preocupações que tive, estão todas para trás agora”, disse Zurbuchen. “Ainda há uma montanha para escalar, mas estamos subindo essa montanha.”

Nos próximos meses, a equipe concluirá as últimas etapas do processo de alinhamento e garantirá que todos os instrumentos científicos estejam calibrados.

“Estamos exatamente onde pensávamos que estaríamos neste momento, cerca de três meses após o lançamento e isso nos prepara para concluir o restante do comissionamento dentro de seis meses após o lançamento e passar para a ciência a partir deste verão”, disse Perrin.

Quando o Webb estiver totalmente operacional, ele “passará para um ano muito exigente de operações científicas”, disse Rigby.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN