Casais que se conheceram em aplicativos de namoro preferem relacionamento sério

Mulheres que conheceram seus parceiros em aplicativos também mencionaram o desejo e o planejamento de ter um filho no curto prazo, disseram os pesquisadores

Diferente das chamadas de vídeo tradicionais, o “Face to Face” do Tinder divide a tela em duas partes iguais
Diferente das chamadas de vídeo tradicionais, o “Face to Face” do Tinder divide a tela em duas partes iguais Foto: Tinder

Amy Woodyatt, da CNN

Ouvir notícia

Pessoas que conhecem seus parceiros em aplicativos de namoro muitas vezes têm objetivos de relacionamento de longo prazo mais fortes, diferentemente da ideia de que a tecnologia incentiva encontros casuais em vez de compromisso, segundo revelou um novo estudo.

Analisando os dados de uma pesquisa feita com famílias em 2018, pesquisadores da Universidade de Genebra (UNIGE) da Suíça olharam para uma amostra de 3.235 adultos que estavam em um relacionamento e conheceram seus parceiros e parceiras nos últimos dez anos.

Eles descobriram que os casais que se encontraram usando um aplicativo eram mais motivados a morar juntos do que os outros.

Leia também:
Mega da Virada: 2 apostas levarão R$ 162,6 milhões cada; veja números do sorteio
Prefeitos eleitos tomam posse nesta sexta com indefinição em 93 cidades

“O estudo não diz se a intenção final deles era viver juntos por um longo ou curto prazo, mas dado que não há diferença na intenção de se casar, e que o casamento ainda é uma instituição central na Suíça, alguns destes os casais provavelmente veem o morar junto como um período experimental antes do casamento”, escreveu Gina Potarca, pesquisadora do Instituto de Demografia e Socioeconomia da Faculdade de Ciências Sociais da UNIGE, em um comunicado.

Mulheres que conheceram seus parceiros em aplicativos também mencionaram o desejo e o planejamento de ter um filho no curto prazo, disseram os pesquisadores, observando que isso era mais comum em romances de aplicativos do que em outras formas de encontro.

Segundo os pesquisadores, os casais que se juntaram através de aplicativos estavam tão satisfeitos com a qualidade do relacionamento e de suas vidas quanto aqueles que o fizeram em outras circunstâncias.

“A internet está transformando profundamente a dinâmica de como as pessoas se conhecem”, disse Potarca.

Leia também:
Louças em miniatura, de avó da rainha Elizabeth II, são leiloadas em Londres
Mantendo a tradição, Obama compartilha lista de 30 músicas favoritas em 2020

O estudo disse que os aplicativos de namoro encorajam “uma mistura” de pessoas com diferentes níveis de educação, especialmente entre mulheres com alto nível educacional e homens com baixo nível de escolaridade.

Os aplicativos também podem facilitar relacionamentos de longa distância, pois os usuários podem se conectar com pessoas que vivem a mais de 30 minutos de distância, acrescentou ela.

“Sabendo que os aplicativos de namoro provavelmente se tornaram ainda mais populares durante os períodos de lockdown e distanciamento social deste ano, é reconfortante descartar as preocupações alarmantes sobre os efeitos de longo prazo do uso dessas ferramentas”, acrescentou Potarca. A pesquisa foi publicada na revista PLOS ONE na quarta-feira (30).

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN