Cientistas descobrem fêmea de tartaruga que acreditava-se estar extinta

Animal foi visto em 2019 em uma ilha vulcânica isolada no Equador

Fernanda vive no Centro de Criação de Tartarugas Gigantes Fausto Llerena, na ilha de Santa Cruz, no Parque Nacional de Galápagos, no Equador.
Fernanda vive no Centro de Criação de Tartarugas Gigantes Fausto Llerena, na ilha de Santa Cruz, no Parque Nacional de Galápagos, no Equador. Lucas Bustamante

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Quando uma pequena tartaruga fêmea foi vista em 2019 na ilha vulcânica isolada de Fernandina, no arquipélago Galápagos, no Equador, a equipe de pesquisa que fazia expedição ficou chocada.

Anteriormente, apenas uma outra tartaruga, um grande macho solitário, havia sido encontrada lá em 1906 pelo explorador Rollo Beck. Os cientistas pensaram que este animal era o último da “tartaruga gigante”, ou Chelonoidis phantasticus, tornando a espécie extinta.

Então encontraram Fernanda.

“Era quase bom demais para ser verdade que havia uma tartaruga vivendo em Fernandina. Estávamos todos tão empolgados”, disse Evelyn Jensen, professora de ecologia molecular na Universidade de Newcastle, no Reino Unido, e coautora de um estudo publicado na quinta-feira (9) na revista Communications Biology.

Mas quando Fernanda foi inicialmente comparada com o espécime macho de 1906, mantido em uma coleção da Academia de Ciências da Califórnia, os dois pareciam tão diferentes que os cientistas tiveram que questionar se eram da mesma espécie.

Algumas das tartarugas de Galápagos têm uma concha superior abobadada, chamada carapaça, que se assemelha a uma tigela de cabeça para baixo. Mas algumas espécies, como o macho de Fernandina, têm uma carapaça em forma de sela, na qual a frente da concha superior acima da cabeça e do pescoço se arqueia para cima, disse Jensen.

“O arco no casco dá a essas tartarugas uma amplitude de movimento muito maior com seus pescoços, permitindo que elas alcancem mais alto para comer a vegetação do chão, então pode ter evoluído para ter acesso a mais comida”, disse Jensen.

A tartaruga de 1906 tinha uma forma extrema de sela e um alargamento distinto nas bordas, razão pela qual foi apelidada de “phantasticus”, disse ela.

O status de Fernanda como uma tartaruga phantasticus nativa estava em dúvida porque ela tinha uma concha menor e mais lisa sem nada dessa queima, embora alguns questionassem se seu crescimento havia sido atrofiado e feito com que suas feições fossem distorcidas.

Talvez Fernanda fosse outra espécie inteiramente, tendo flutuado de outra ilha no arquipélago de Galápagos. Juntas, essas ilhas abrigam 14 espécies distintas de tartarugas gigantes. Pode haver outra tartaruga ainda a ser identificada, de acordo com pesquisas recentes.

Acredita-se que as tartarugas Fernandina foram extintas devido ao vulcão ativo da ilha, que entrou em erupção cerca de 25 vezes nos últimos dois séculos. Os fluxos de lava provavelmente reduziram os pequenos bolsões de vegetação onde as tartarugas poderiam viver e se alimentar. A ilha está isolada ao longo da borda ocidental do arquipélago.

Lendo entre as linhas genéticas

Para responder à questão da herança de Fernanda, a equipe de pesquisa primeiro sequenciou o genoma completo de Fernanda e depois o comparou com o da tartaruga de 1906, bem como com os genomas das outras 13 espécies de tartarugas gigantes de Galápagos.

O DNA de Fernanda contou uma história surpreendente, muito parecida com a descoberta da própria tartaruga.

“Vimos – honestamente, para minha surpresa – que Fernanda era muito parecida com a que encontraram naquela ilha há mais de 100 anos, e ambas eram muito diferentes de todas as tartarugas das outras ilhas”, disse a coautora Stephen Gaughran, geneticista e pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Princeton, em um comunicado.

A espécie considerada extinta por 100 anos finalmente teve um membro vivo comprovado.

A autora sênior do estudo, Adalgisa Caccone, pesquisadora da Universidade de Yale, sugeriu que Fernanda poderia ser um híbrido, criado por um phantasticus acasalando com uma espécie agora extinta que vivia na grande ilha vizinha de Floreana. Mas são necessárias mais informações — especificamente, encontrar mais tartarugas em Fernandina.

Há evidências que sugerem que pode haver mais phantasticus. Fezes de tartaruga foram vistas na ilha em 2014. Muito de Fernandina ainda não foi explorado porque extensos campos de lava impedem que alguém entre na região.

Fernanda é geneticamente distinta de outras espécies de tartarugas gigantes de Galápagos. / Galapagos Conservancy

“Fernandina é a mais alta das ilhas Galápagos, geologicamente jovem, e é principalmente uma enorme pilha de blocos irregulares de lava marrom”, disse o coautor Peter Grant, professor emérito de zoologia e professor emérito de ecologia e biologia evolutiva da Universidade de Princeton, em um comunicado.

“Em altitudes mais baixas, a vegetação ocorre em aglomerados semelhantes a ilhas em um mar de lava recentemente congelada. Fernanda foi encontrada em um deles, e há evidências de que alguns parentes podem existir em desses locais.”

Duas expedições para procurar mais tartarugas como Fernanda desde sua descoberta em 2019 não tiveram sucesso, mas o Parque Nacional e a Galápagos Conservancy planejam realizar mais campanhas com a esperança de preservar a espécie.

Fernanda agora mora no Centro de Criação de Tartarugas Gigantes Fausto Llerena do parque, que serve como centro de resgate e reprodução. Se mais tartarugas como essa forem encontradas, os conservacionistas poderão iniciar um programa de reprodução em cativeiro para manter a espécie viva.

Tanto Fernanda quanto a tartaruga de 1906 têm uma diversidade genética muito alta em comparação com as outras espécies de tartarugas de Galápagos, disse Jensen.

“Isso significa que, mesmo que apenas algumas outras tartarugas Fernandina fossem encontradas e criadas juntas, é improvável que qualquer filhote sofra impactos negativos da endogamia”, disse ela.

Vivendo no limite

As tartarugas de Galápagos não podem nadar, então como elas chegaram às ilhas? Acontece que eles podem flutuar, o que significa que furacões e tempestades podem transportá-las.

Cerca de dois milhões ou três milhões de anos atrás, uma tempestade carregou tartarugas gigantes para o oeste da América do Sul. As tartarugas cruzaram entre si nas ilhas onde desembarcaram, o que fez com que evoluíssem rapidamente. Este cruzamento resultou nas 14 espécies, todas descendentes de um ancestral.

Fernanda pode ser o que os pesquisadores chamam de “fim” de sua espécie, mas eles esperam que ela seja apenas o começo para as gerações futuras. / Galapagos Conservancy

A maior diferença nessas tartarugas é a forma do casco, com tartarugas abobadadas vivendo em ambientes úmidos com maior altitude, enquanto as tartarugas de sela estão em ecossistemas mais baixos e mais secos.

O número de tartarugas de Galápagos diminuiu de 85% a 90% desde o início de 1800, de acordo com o estudo, quando os baleeiros e piratas chegaram ao arquipélago.

À medida que os piratas atacavam as colônias sul-americanas e os baleeiros caçavam nas águas da região, eles fizeram das tartarugas gigantes sua fonte de alimento.

As tartarugas podiam viver por meses sem comida ou água, então os marinheiros enchiam os cascos de seus navios com tartarugas vivas e depois as matavam ao longo do caminho para obter carne fresca, disse Jensen.

E quando chegasse a hora de aliviar a carga, as tartarugas vivas seriam despejadas no oceano. Alguns flutuaram e pousaram em diferentes ilhas.

“Por causa disso, existem tartarugas presentes em algumas ilhas que são descendentes dessas tartarugas abandonadas e têm identidades genéticas que não combinam com as espécies locais, embora em muitos casos as tartarugas abandonadas tenham hibridizado com as espécies locais”, disse Jensen.

As 14 espécies estão todas na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza, variando de vulneráveis ​​a extintas.

A tartaruga, o maior herbívoro terrestre de sangue frio encontrado na Terra, desempenha um papel crítico como agente de estabilidade nas Galápagos.

“A presença de tartarugas mantém um certo tipo de ecossistema e comunidade de vegetação que é natural para as ilhas”, disse Jensen. “Quando as tartarugas são tiradas de campo, o ambiente muda e isso afeta todas as outras espécies que dependem do ecossistema mantido por esses animais”.

Fernanda, que os pesquisadores estimam ter mais de 50 anos, é uma verdadeira sobrevivente. Ela sobreviveu a erupções vulcânicas e a um habitat cada vez menor em face dos fluxos de lava. E se ela é a última de sua espécie ou apenas o começo, Fernanda dá aos pesquisadores a esperança de que espécies invisíveis ainda possam sobreviver.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN