Cientistas desenvolvem combustível de aviação à base de molécula de planta

Essa pode ser uma alternativa sustentável para reduzir emissões nocivas ao meio ambiente

Avião no céu emite rastro
Avião no céu emite rastro Getty Images/amana images RF

Ingrid Oliveirada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Pesquisadores da Universidade do Estado do Washington (WSU, na sigla em inglês) desenvolveram um tipo de combustível de aviação com base em lignina, uma macromolécula orgânica encontrada nas plantas. Os resultados da descoberta foram publicados na revista científica “Fuel”.

O combustível de aviação experimental poderia aumentar o desempenho e eficiência do motor, além de dispensar os compostos causadores da poluição, chamados de aromáticos.

Vários combustíveis alternativos de aviação são compostos principalmente de isoalcanos (de baixo peso molecular) e só podem ser misturados até 50% em volume devido a problemas de compatibilidade e densidade do material.

Os aromáticos normalmente estão associados ao aumento das emissões de fuligem, assim como os rastros. Esses rastros podem permanecer por longo tempo no céu e prender o calor dentro da atmosfera da Terra, impactando ainda mais a crise climática.

“Os aromáticos ainda são usados ​​em combustível hoje porque não temos soluções para alguns dos problemas que eles resolvem: eles fornecem combustível de aviação com uma densidade que outras tecnologias sustentáveis ​​não têm. O mais exclusivo é a capacidade de dilatar os anéis de vedação usados ​​para vedar as juntas metal-metal, e eles fazem isso bem”, disse em comunicado Joshua Heyne, coautor, cientista da Universidade de Dayton.

Usando planta como alternativa

A equipe de pesquisa desenvolveu um processo que transforma a lignina de resíduos agrícolas em combustível de jato de lignina de base biológica. Essa seria uma forma sustentável que pode ajudar a indústria da aviação a reduzir a dependência de combustíveis fósseis e atender às necessidades ambientais.

“Quando testamos nosso combustível de jato de lignina, vimos alguns resultados interessantes”, disse Bin Yang, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas Biológicos da WSU e autor do estudo em um comunicado.

As propriedades do combustível à base de lignina oferecem grandes oportunidades para aumentar o desempenho do combustível, maior eficiência, emissões reduzidas e custos mais baixos, segundo os pesquisadores.

“O fato de essas moléculas apresentarem volume de selante comparável aos aromáticos abre as portas para o desenvolvimento de combustíveis para jatos praticamente sem aromáticos, emissões muito baixas e características de alto desempenho”, escreveram.

Heyne disse que o combustível à base de lignina que foi testado complementa outros combustíveis de aviação sustentáveis, aumentando a densidade e, talvez o mais importante, o potencial de aumento do anel das misturas.

“Enquanto atendem às nossas necessidades materiais, essas misturas sustentáveis ​​conferem densidades de energia mais altas e energias específicas sem usar aromáticos.

 

 

Mais Recentes da CNN