Cientistas desenvolvem tomate transgênico rico em vitamina D

Quantidade de vitamina D seria semelhante à presente em 28 gramas de atum ou equivalente a dois ovos

Um tomate editado por genes (esquerda) em comparação lado a lado com um tomate não modificado (direita).
Um tomate editado por genes (esquerda) em comparação lado a lado com um tomate não modificado (direita). John-Innes-Centre

Katie Huntda CNN

Ouvir notícia

Peixes e laticínios são as melhores fontes alimentares de vitamina D, o que pode tornar uma luta para aqueles que seguem uma dieta baseada em vegetais obter o suficiente do micronutriente essencial. A vitamina D ajuda a proteger os nossos ossos e a manter músculos e dentes saudáveis.

Agora, uma equipe de pesquisadores apresentou uma potencial nova e vegana fonte de vitamina D: o gene do tomate editado usando a tecnologia CRISPR-Cas9 para conter um precursor da vitamina D.

O estudo descobriu que a provitamina D3 (substância precursora) em um tomate –uma vez convertida em vitamina D3– seria equivalente à quantidade contida em dois ovos de tamanho médio ou 28 gramas de atum.

Se o processo for adotado comercialmente por agricultores e produtores, esses tomates podem ajudar a combater a insuficiência de vitamina D, que, segundo o estudo, afeta 1 bilhão de pessoas em todo o mundo.

“Esta descoberta empolgante não apenas melhora a saúde humana, mas contribui para os benefícios ambientais associados a dietas mais baseadas em vegetais – muitas vezes associadas ao desafio de garantir algumas vitaminas e minerais importantes amplamente encontrados e biodisponíveis em produtos de origem animal”, Guy Poppy, professor de ecologia da Universidade de Southampton, ao Science Media Center em Londres. Ele não estava envolvido na pesquisa.

Os suplementos de vitamina D estão amplamente disponíveis em muitos países, mas a coautora Cathie Martin, professora do John Innes Center em Norwich, Inglaterra, disse que comer um tomate era “muito melhor do que tomar uma pílula”.

“Acho que ter uma fonte alimentar [de vitamina D] na forma de uma planta também significa que você pode obter benefícios adicionais ao comer tomates. Não comemos frutas e vegetais suficientes de qualquer maneira. Um tomate é uma boa fonte de vitamina C também”, disse ela em uma entrevista coletiva.

O estudo foi publicado nesta segunda-feira (23) na revista científica Nature Plants.

Vitamina do sol

A principal fonte de vitamina D para a maioria das pessoas é a dieta, mas nosso corpo também produz o micronutriente quando a pele é exposta à luz UVB – é por isso que às vezes é chamada de vitamina do sol. Os cientistas aproveitaram um processo semelhante em plantas de tomate.

O composto na pele que pode produzir vitamina D é conhecido como 7-DHC, ou provitamina D3, e também é encontrado em folhas de tomateiro e frutas verdes verdes.

Os pesquisadores bloquearam um gene em plantas de tomate que normalmente converte a provitamina D3 em colesterol, o que permitiu que a provitamina D3 se acumulasse no fruto maduro do tomate.

A planta de tomate à esquerda é geneticamente editada. / John-Innes-Centre

Para converter a provitamina D3 em vitamina D3 que ajuda nosso corpo, os tomates foram tratados com luz UVB.

Um teste no Reino Unido está avaliando se o cultivo de plantas de tomate ao ar livre, onde elas seriam expostas à luz solar natural, resultaria automaticamente na conversão de 7-DHC em vitamina D3.

Os primeiros frutos devem amadurecer até o final de junho, disse Martin. Os tomates também podem ser secos ao sol depois de colhidos, eliminando a necessidade de tratamento com luz UVB, acrescentou ela.

O Parlamento do Reino Unido aprovou uma nova legislação no início deste ano, projetada para facilitar os testes de culturas editadas por genes.

Outros vegetais

A técnica de bloqueio de genes, que os pesquisadores estão disponibilizando gratuitamente com a publicação do artigo, também pode ser aplicada a outras espécies de plantas solanáceas, como pimentão, pimenta, berinjela e batata, disse Martin.

Cogumelos também podem ser uma fonte de vitamina D quando tratados com luz UVB ou cultivados em estado selvagem, de acordo com os pesquisadores. No entanto, essas plantas produziram vitamina D2, que o jornal disse ser “substancialmente menos bioeficaz” do que a vitamina D3, que vem de carnes e laticínios.

Além disso, os suplementos de vitamina D3 normalmente não são veganos, disse Susan Lanham-New, professora de ciências nutricionais da Universidade de Surrey, no Reino Unido. Ela não estava envolvida no estudo.

“A lanolina, que é a principal fonte [para D3], é extraída da lã de ovelha. A ovelha ainda está viva, então é bom para vegetarianos. Mas não é para veganos e isso é uma das coisas que torna este estudo muito extraordinário é que você tem uma fonte D3 [de uma planta]”, disse ela no comunicado.

As folhas das plantas de tomate editadas por genes também continham uma quantidade considerável de provitamina D, disseram os pesquisadores.

Eles estavam procurando maneiras de transformar esse material residual em suplementos veganos de vitamina D. A equipe do estudo esperava que isso pudesse servir de incentivo para os produtores plantarem e produzirem os tomates biofortificados.

Os tomates editados por genes pareciam indistinguíveis e tinham o mesmo sabor dos tomates normais, disse o coautor Jie Li, pesquisador de pós-doutorado no John Innes Center, e a edição de genes não afetou o crescimento, desenvolvimento ou rendimento do plano.

Os cientistas que desenvolveram a tecnologia de edição de genes CRISPR-Cas9 ganharam o prêmio Nobel em 2020. A ferramenta está tendo um grande impacto na pesquisa biomédica, medicina clínica e agricultura.

Como uma tesoura de precisão, ele pode atingir locais predeterminados no material genético, eliminando um gene específico ou inserindo novo material genético.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN