Cientistas observam a galáxia mais antiga registrada, com 13,5 bilhões de anos

Chamada HD1, a galáxia data de pouco mais de 300 milhões de anos após o Big Bang, que ocorreu há cerca de 13,8 bilhões de anos

Cientistas avistam a galáxia mais distante já registrada
Cientistas avistam a galáxia mais distante já registrada Reprodução / Harvard

Will Dunhamda Reuters

Astrônomos descobriram o que pode ser a galáxia mais antiga e mais distante já observada, uma que se formou relativamente logo após o evento do Big Bang que marcou a origem do Universo e pode ser povoada pela primeira geração de estrelas.

A galáxia, chamada HD1, data de pouco mais de 300 milhões de anos após o Big Bang, que ocorreu há cerca de 13,8 bilhões de anos, disseram pesquisadores nesta quinta-feira (7).

As observações sugerem que HD1 formou estrelas a uma taxa impressionante — talvez cerca de 100 novas estrelas anualmente — ou, em vez disso, abrigou o que seria o mais antigo buraco negro supermassivo conhecido, acrescentaram.

Por causa do tempo que a luz leva para percorrer distâncias imensas — 9,5 trilhões de quilômetros em um ano — observar objetos como o HD1 equivale a voltar no tempo.

Se os dados forem confirmados por observações futuras, HD1 superaria a GN-z11, a galáxia mais antiga conhecida em cerca de 100 milhões de anos. HD1 seria considerado a entidade astronômica mais antiga e mais distante conhecida.

Os pesquisadores usaram dados de telescópios no Havaí e no Chile e do Telescópio Espacial Spitzer em órbita. Eles esperam obter mais clareza usando o Telescópio Espacial James Webb, que deve se tornar operacional dentro de meses após ser lançado pela Nasa em dezembro.

“As informações observacionais sobre HD1 são limitadas e outras propriedades físicas permanecem um mistério, incluindo sua forma, massa total e metalicidade”, disse o astrofísico da Universidade de Tóquio Yuichi Harikane, principal autor da pesquisa que detalha a descoberta publicada no Astrophysical Journal.

Metalicidade refere-se à proporção de material diferente dos gases hidrogênio e hélio que estavam presentes no universo primordial .

“A dificuldade é que isso é quase o limite das capacidades dos telescópios atuais em termos de sensibilidade e comprimento de onda”, acrescentou Harikane.

Galáxias são vastos conjuntos de estrelas e matéria interestelar ligados por atração gravitacional, como a Via Láctea em que nosso sistema solar reside. As primeiras galáxias, surgindo 100 milhões a 150 milhões de anos após o Big Bang, eram menos massivas e mais densas do que as existentes hoje, com muito menos estrelas.

Os pesquisadores disseram que o HD1, com uma massa talvez 10 bilhões de vezes maior que o nosso Sol, pode ter sido povoado com a primeira geração de estrelas. Essas chamadas estrelas da População III são hipotetizadas como extremamente massivas, luminosas, quentes e de vida curta, compostas quase exclusivamente de hidrogênio e hélio.

“Depois do Big Bang, algumas regiões do espaço acabaram ficando mais densas que outras, e isso atraiu progressivamente mais matéria. Esse efeito criou grandes concentrações de gás, algumas das quais colapsaram para formar estrelas”, disse o astrofísico Fabio Pacucci, do Centro de Astrofísica Harvard & Smithsonian, principal autor de um estudo relacionado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society Letters.

Elementos mais pesados ​​que o hidrogênio e o hélio estavam ausentes nos estágios iniciais do universo , forjados mais tarde dentro das primeiras estrelas e depois expelidos no espaço interestelar quando explodiram no final de seus ciclos de vida.

Observou-se que HD1 possui extrema luminosidade ultravioleta. As estrelas da população III podem emitir mais luz UV do que as estrelas comuns, com a HD1 possivelmente “passando por uma explosão estelar muito abrupta”, disse Pacucci.

Uma explicação alternativa para a luminosidade UV poderia ser um buraco negro supermassivo cerca de 100 milhões de vezes mais massivo que o nosso sol situado dentro do HD1, acrescentou Pacucci. Muitas galáxias, incluindo a Via Láctea, possuem buracos negros supermassivos em seus centros . Até agora, o mais antigo conhecido deles datava de cerca de 700 milhões de anos após o Big Bang.

As primeiras estrelas e galáxias abriram o caminho para as que existem hoje.

“As primeiras galáxias eram um milionésimo da massa da Via Láctea e muito mais densas. Uma maneira de pensar nelas é como os blocos de construção no projeto de construção das galáxias atuais, como a nossa Via Láctea,” Harvard O físico teórico da universidade e coautor do estudo, Avi Loeb, disse.