Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça as “tatuagens inteligentes”, que podem monitorar sua saúde no futuro

    Pesquisadores dizem que uma vantagem da nova técnica sobre a tecnologia vestível, como relógios inteligentes ou monitores de glicose, é que elas não podem ser hackeadas ou ficar sem bateria

    Pesquisadores estão desenvolvendo tatuagens inteligentes para ajudar a monitorar certas funções do corpo humano.
    Pesquisadores estão desenvolvendo tatuagens inteligentes para ajudar a monitorar certas funções do corpo humano. CNN/Woojin Lee

    Samantha Bresnahanda CNN

    As tatuagens são consideradas uma das formas de arte mais antigas, datadas de milhares de anos e praticadas por muitas culturas ao longo da história da humanidade.

    Agora, alguns pesquisadores acreditam que a próxima geração de tatuagens será mais do que apenas marcas – ajudando a manter o controle sobre nossa saúde.

    Criar pigmentos de “tatuagens inteligentes” que podem ser injetados sob a pele para monitorar certos biomarcadores no corpo humano requer uma colaboração entre “cientistas, engenheiros e designers”, diz o Dr. Ali Yetisen, pesquisador do Departamento de Engenharia Química do Imperial College de Londres.

    Seu conceito substitui a tinta de tatuagem convencional por “materiais funcionais”, diz Yetisen, criando “tatuagens que mudam de cor em resposta a estímulos externos”, como uma mudança nos níveis de açúcar no sangue para pessoas com diabetes, monitoramento das funções renais ou hepáticas, ou aviso de desidratação.

    Yetisen começou seu trabalho como cientista pesquisador de pós-doutorado na Harvard Medical School. Junto com outros pesquisadores de Harvard e do MIT, ele estreou uma prova de conceito chamada Dermal Abyss em 2017. Quatro biossensores mudaram de cor em resposta a “três informações bioquímicas no fluido corporal”, incluindo níveis de glicose e pH, de acordo com o MIT.

    “Esperamos que essas tecnologias inovadoras sejam uma plataforma geral para utilizar tecnologias de diagnóstico”, diz Yetisen, incluindo uma “ampla gama de sensores implantáveis ​​e injetáveis ​​que podem relatar e exibir a condição humana em tempo real”.

    Tinta invisível

    Enquanto o trabalho de Yetisen e sua equipe se concentra no corpo de dentro para fora, um laboratório de pesquisa dirigido pelo Dr. Carson Bruns está trabalhando em tatuagens inteligentes para monitorar fatores externos, como radiação ou exposição à luz ultravioleta, uma das principais causas de câncer de pele – “de longe o tipo mais comum de câncer”, de acordo com a Sociedade Americana Contra o Câncer.

    Bruns, professor assistente de engenharia mecânica na Universidade do Colorado, diz que fez sua primeira tatuagem aos 19 anos, despertando um amor pela arte que se estendeu à sua pesquisa.

    Em 2020, ele fez parte de uma equipe que publicou um artigo sobre uma pequena tatuagem sensível à luz apelidada de “sarda solar” – um “pequeno ponto alimentado pela luz do sol”, como Bruns o descreve.

    Em seu laboratório no Imperial College de Londres, Ali Yetisen demonstra um carimbo em seu braço criado com tinta de tatuagem que brilha sob certa luz. / CNN

    A tatuagem invisível se revelaria quando exposta à luz ultravioleta, como quando uma pessoa fica exposta ao sol por muito tempo, e desaparece quando mais protetor solar é aplicado ou após sair da luz solar.

    Convencido da segurança antes mesmo de realizar testes mais amplos – não há tintas de tatuagem aprovadas pela FDA nos EUA, diz Bruns, e sua equipe está usando “materiais não tóxicos de grau médico que têm uma longa história de uso biomédico” para as tintas inteligentes, Bruns fez várias tatuagens de sardas solares, que duraram cerca de seis a oito meses antes de desaparecer, diz ele.

    Desde então, a equipe desenvolveu pigmentos de tatuagem inteligentes que podem funcionar por pelo menos três anos, acrescenta Bruns, e podem ser “ligados e desligados” controlando a fonte de luz.

    A tecnologia agora está sendo comercializada por meio de uma nova empresa chamada Magic Ink , em parceria com Bruns, o colega cientista Jesse Butterfield e o famoso tatuador conhecido como Bang Bang.

    Há interesse de tatuadores por razões cosméticas e também para possíveis usos na saúde, principalmente no campo do tratamento com radiação, de acordo com Bruns.

    Milhões de pacientes submetidos à radioterapia recebem pequenas tatuagens, que ajudam os radioterapeutas a identificar o mesmo local durante cada tratamento. Mas muitos pacientes não querem as tatuagens como uma “lembrança permanente de uma experiência traumática”, explica ele.

    Em vez disso, usando a tinta inteligente, “você pode entrar e seu terapeuta de radiação pode acender um pouco de luz ultravioleta, você ativa a tatuagem para ficar visível e eles podem alinhar o feixe [de radiação]”, diz ele, “e então, assim que à medida que sua radioterapia é concluída, eles podem lançar uma luz branca sobre você e a tatuagem desaparecerá… até a próxima vez que você voltar para o tratamento”.

    Bruns recebeu recentemente um prêmio de pesquisa CAREER da Fundação Nacional de Ciência no valor de US$ 605 mil (cerca de R$ 2,8 milhões), separado da Magic Ink, que ele diz que financiará mais pesquisas sobre a segurança geral das tatuagens inteligentes.

    “Esperamos que nossos resultados informem a Magic Ink e todos os fabricantes de tintas para tatuagem sobre como otimizar a biocompatibilidade de seus pigmentos no devido tempo. A Magic Ink provavelmente terá a aprovação do FDA em algum momento no futuro, quando e se finalmente houver um precedente para um processo de aprovação do FDA para pigmentos de tatuagem nos Estados Unidos”, acrescenta.

    Uma “luz de verificação do motor”

    Os pesquisadores dizem que uma vantagem das tatuagens inteligentes sobre a tecnologia vestível, como relógios inteligentes ou monitores de glicose, é que elas não podem ser hackeadas ou ficar sem bateria.

    “Os wearables são ótimos”, diz Bruns, mas eventualmente se tornam desconfortáveis ​​ou precisam ser substituídos com o tempo, e os implantes geralmente requerem cirurgias mais invasivas. “[Tatuagens inteligentes] são as mais convenientes”, ele acredita, “porque é uma espécie de meio-termo maravilhoso entre wearables e implantes”.

    De acordo com o Dr. Daniel Fetraf, fundador da NextMed.Health, uma plataforma que reúne inovadores para reimaginar o futuro dos cuidados de saúde, “as tatuagens inteligentes estão no início de sua evolução, mas à medida que a tecnologia acelera em um ritmo exponencial, elas têm o potencial de desempenham um papel significativo na saúde e no bem-estar, especialmente à medida que a tecnologia diminui e os dados e insights se tornam mais personalizados e proativos”.

    Um tatuador em Londres pratica com tinta inteligente desenvolvida pelo pesquisador Ali Yetisen em um pedaço de pele de porco. / CNN

    “Tatuagens temporárias relacionadas à saúde de baixo custo podem até desempenhar um papel na triagem de saúde e em ambientes de saúde pública e saúde global com poucos recursos”, acrescentou ele em um e-mail à CNN.

    Kraft, que não está envolvido na pesquisa de Yetisen ou Bruns, compara tatuagens inteligentes, como o monitoramento do nível de glicose no sangue proposto pelo laboratório de Yetisen em Londres, a uma luz de advertência de “verificação do motor” em um carro, que poderia levar alguém a agir antes de uma questão tornar-se mais grave.

    Desafios adiante

    Mas um desafio é conseguir que o público em geral aceite essa tecnologia, concordam Yetisen e Bruns. Para algumas pessoas e culturas, existe um estigma em torno de fazer uma tatuagem, enquanto outros têm dúvidas sobre a segurança das injeções sob a pele.

    Até agora, a tecnologia de Yetisen foi testada em pele de porco, e os testes clínicos em humanos serão o foco nos próximos três anos, diz ele.

    Eles são considerados dispositivos médicos, por isso é improvável que você consiga marcar uma consulta para um em seu estúdio de tatuagem local; em vez disso, seria um ambiente hospitalar, acrescenta ele, onde um dermatologista pode injetar os biossensores de tatuagem.

    Outro desafio será garantir que os dados e insights sejam precisos o suficiente, levando a “insights significativos e acionáveis” para prevenção, diagnóstico e terapia de doenças, diz Kraft, e para todos os tipos de pele, incluindo cores de pele mais escuras.

    Ele acrescenta que outro obstáculo para a aceitação pública mais ampla será se as tatuagens devem ser reaplicadas com frequência, já que até as tatuagens tradicionais geralmente desaparecem com o tempo.

    Em sua forma atual, a tinta de alta tecnologia de Yetisen só pode ser “utilizada de semanas a meses e, após um certo período de tempo, será absorvida pelo corpo humano”, diz Yetisen.

    Sua equipe está trabalhando para estender esse prazo, enquanto explora a ideia de usar sensores bioluminescentes inspirados na natureza que brilham na pele sob uma determinada luz.

    Ele prevê um futuro em que os astronautas poderão utilizar tatuagens inteligentes no espaço para avaliar a exposição à radiação, para detecção de doenças infecciosas no público em geral ou para ajudar a monitorar doenças crônicas.

    “Acredito que na próxima década, a pele humana servirá como uma tela interativa para mostrar uma ampla gama de alterações de biomarcadores”, diz Yetisen.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original