‘Irmão perdido’ da Via Láctea foi destruído por galáxia canibal, sugere estudo

Ação foi realizada pela Andrômeda, a maior e mais próxima vizinha galáctica da Via Láctea

Existem cerca de 100 a 400 bilhões de estrelas em nossa galáxia, a Via Láctea, de acordo com estimativas da Nasa
Existem cerca de 100 a 400 bilhões de estrelas em nossa galáxia, a Via Láctea, de acordo com estimativas da Nasa Foto: Jan Skowron / Astronomical Observatory, University of Warsaw

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Há dois bilhões de anos, em uma galáxia não tão distante, o irmão da nossa galáxia, chamado M32p, foi violentamente triturado e canibalizado. Mas a cena do crime galáctico está cheia de evidências estreladas que levam ao culpado, de acordo com um estudo publicado na revista científica Nature Astronomy.

De acordo com o estudo, a ação foi realizada pela maior e mais próxima vizinha galáctica da Via Láctea: Andrômeda. As galáxias não competem mais entre si. E para continuar crescendo, Andrômeda tinha um apetite voraz. Sendo uma galáxia tão grande, Andrômeda foi cercada por galáxias menores; o estudo sugere que ela tenha consumido centenas destas galáxias.

Quando as grandes galáxias consomem as menores, é quase impossível aprender qualquer coisa sobre as pequenas galáxias individuais. Mas no Grupo Local, um grupo de galáxias que compreende a Via Láctea e mais de 54 outras galáxias, a M32p teria sido a terceira maior galáxia atrás de Andrômeda e da Via Láctea. Era pelo menos 20 vezes maior do que qualquer galáxia que já se fundiu com a Via Láctea.

Evidências e simulações de computador ajudaram os pesquisadores a reconstruir os eventos que levaram ao desaparecimento da galáxia M32p há 2 bilhões de anos. Se não fosse por esta pesquisa, talvez nunca tivéssemos conhecido o irmão há muito perdido da Via Láctea.

A evidência do crime inclui um halo fantasmagórico de estrelas maiores que Andrômeda, seguido por um fluxo de estrelas difícil de encontrar e, em seguida, a descoberta da galáxia M32 excepcionalmente compacta – o que resta da galáxia M32p.

Esse halo quase invisível de estrelas chamou a atenção do pesquisador de pós-doutorado Richard D’Souza e do professor Eric Bell, do departamento de astronomia da Universidade de Michigan. Uma nova simulação de computador revelou que o fraco halo externo de estrelas ao redor de Andrômeda foi em grande parte contribuído por uma grande galáxia que havia sido despedaçada.

“Os astrônomos estudam o Grupo Local – a Via Láctea, Andrômeda e seus companheiros – há muito tempo. Foi chocante perceber que a Via Láctea tinha um irmão mais velho e nunca soubemos disso”, disse Bell, co- autor do estudo, em um comunicado.

Isso os levou à pequena galáxia satélite de Andrômeda, M32. “M32 é uma esquisita”, escreveu Bell. “Embora pareça um exemplo compacto de uma galáxia elíptica antiga, na verdade tem muitas estrelas jovens. É uma das galáxias mais compactas do universo. Não existe outra galáxia como ela.”

Essas jovens estrelas trazem um detalhe revelador, disseram os pesquisadores. E agora eles acreditam que M32 é o centro sobrevivente de M32p. Eles compararam sua capacidade de sobreviver ao caroço de uma ameixa depois que o resto da fruta se foi.

O estudo sugeriu que o disco da galáxia de Andrômeda – composto de estrelas, gás e poeira – havia engrossado e a galáxia experimentou uma onda de formação estelar há dois bilhões de anos. Acreditava-se anteriormente que colisões e interações entre grandes galáxias destruiriam os discos. Mas o disco de Andrômeda sobreviveu.

Sua pesquisa está mudando a maneira como o crescimento e as fusões de galáxias são entendidos.

“A Galáxia de Andrômeda, com uma espetacular explosão de formação estelar, teria uma aparência muito diferente 2 bilhões de anos atrás”, disse Bell em comunicado. “Quando eu estava na pós-graduação, me disseram que entender como a galáxia de Andrômeda e sua galáxia satélite M32 se formaram ajudaria muito a desvendar os mistérios da formação de galáxias”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN