Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Maior manto de gelo do mundo está desaparecendo mais rápido do que se pensava, diz Nasa

    Análise mostrou que o desbaste e o desprendimento reduziram a massa das plataformas de gelo da Antártida em 12 trilhões de toneladas desde 1997, o dobro da estimativa anterior

    É relativamente comum que as plataformas de gelo na Antártida gerem icebergs. É menos comum uma plataforma de gelo se desintegrar completamente. Em março de 2022, uma plataforma de gelo na Antártida Oriental fez as duas coisas.
    É relativamente comum que as plataformas de gelo na Antártida gerem icebergs. É menos comum uma plataforma de gelo se desintegrar completamente. Em março de 2022, uma plataforma de gelo na Antártida Oriental fez as duas coisas. Observatório da Nasa / Reuters

    Reuters

    As geleiras costeiras da Antártida eestão soltando icebergs mais rapidamente do que a natureza pode repor o gelo em ruínas, dobrando as estimativas anteriores de perdas da maior camada de gelo do mundo nos últimos 25 anos, mostrou uma análise de satélite na quarta-feira (10).

    O primeiro estudo do tipo, liderado por pesquisadores do Jet Propulsion Laboratory (JPL), da Nasa, perto de Los Angeles (EUA) e publicado na revista Nature, levanta uma nova preocupação sobre a rapidez com que as mudanças climáticas estão enfraquecendo as plataformas de gelo flutuantes da Antártida e acelerando o aumento de níveis globais do mar.

    A principal descoberta do estudo foi que a perda líquida de gelo da Antártida de pedaços de geleiras costeiras “desagregando” no oceano é quase tão grande quanto a quantidade líquida de gelo que cientistas já sabiam que estava sendo perdida devido ao afinamento causado pelo derretimento das plataformas de gelo de baixo pelo aquecimento dos mares.

    Juntos, o desbaste e o desprendimento reduziram a massa das plataformas de gelo da Antártida em 12 trilhões de toneladas desde 1997, o dobro da estimativa anterior, concluiu a análise.

    A perda líquida da camada de gelo do continente apenas por desprendimento no último quarto de século abrange quase 37 mil quilômetros quadrados, uma área quase do tamanho da Suíça, de acordo com o cientista do JPL Chad Greene, principal autor do estudo.

    Imagem de satélite Modis da Nasa de uma plataforma de gelo da Antártida tirada em 21 de março nesta imagem / VIA REUTERS

    “A Antártida está desmoronando em suas bordas”, disse Greene em um anúncio da Nasa sobre as descobertas. “E quando as plataformas de gelo diminuem e enfraquecem, as enormes geleiras do continente tendem a acelerar e aumentar a taxa de aumento global do nível do mar”.

    As consequências podem ser enormes. A Antártida detém 88% do potencial do nível do mar de todo o gelo do mundo, disse ele.

    Plataformas de gelo, lençóis flutuantes permanentes de água doce congelada presas à terra, levam milhares de anos para se formar e agir como contrafortes segurando geleiras que, de outra forma, deslizariam facilmente para o oceano, fazendo com que os mares subissem.

    Quando as plataformas de gelo são estáveis, o ciclo natural de longo prazo de parto e recrescimento mantém seu tamanho razoavelmente constante.

    Nas últimas décadas, porém, o aquecimento dos oceanos enfraqueceu as plataformas por baixo, um fenômeno anteriormente documentado por altímetros de satélite que medem a mudança de altura do gelo e mostram perdas em média de 149 milhões de toneladas por ano de 2002 a 2020, segundo a Nasa.

    Imagens de satélite

    Para sua análise, a equipe de Greene sintetizou imagens de satélite de comprimentos de onda visíveis, infravermelho térmico e radar para mapear o fluxo glacial e o parto desde 1997 com mais precisão do que nunca em 50 mil quilômetros da costa da Antártida.

    As perdas medidas do parto ultrapassaram o reabastecimento natural das plataformas de gelo tanto que os pesquisadores acharam improvável que a Antártida pudesse retornar aos níveis de geleiras anteriores a 2000 até o final deste século.

    O desprendimento glacial acelerado, como o afinamento do gelo, foi mais pronunciado na Antártida Ocidental, uma área mais atingida pelo aquecimento das correntes oceânicas. Mas mesmo no leste da Antártida, uma região cujas plataformas de gelo foram consideradas menos vulneráveis, “estamos vendo mais perdas do que ganhos”, disse Greene.

    Um evento de parto da Antártida Oriental que pegou o mundo de surpresa foi o colapso e a desintegração da enorme plataforma de gelo Conger-Glenzer em março, possivelmente um sinal de maior enfraquecimento por vir, disse Greene.

    Eric Wolff, professor de pesquisa da Royal Society da Universidade de Cambridge, apontou para a análise do estudo de como a camada de gelo da Antártida Oriental se comportou durante os períodos quentes do passado e modelos para o que pode acontecer no futuro.

    “A boa notícia é que, se mantivermos os 2ºC de aquecimento global que o acordo de Paris promete, o aumento do nível do mar devido ao manto de gelo da Antártida Oriental deve ser modesto”, escreveu Wolff em um comentário sobre o estudo do JPL.

    A falha em conter as emissões de gases de efeito estufa, no entanto, arriscaria contribuir com “muitos metros de aumento do nível do mar nos próximos séculos”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original