Mais de 80 organizações de checagem de fatos denunciam resposta ‘insuficiente’ do YouTube à desinformação

Em carta aberta à CEO da companhia, grupo criticou medidas atuais da plataforma e elencou série de etapas para melhorar abordagem

Pessoas usam dispositivos móveis em frente ao logo do YouTube na ilustração
Pessoas usam dispositivos móveis em frente ao logo do YouTube na ilustração 28/03/2018 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração

Clare Duffyda CNN

Ouvir notícia

Um grupo de mais de 80 organizações de checagem de fatos de todo o mundo chamou o YouTube de “um dos principais canais de desinformação e de propagação de informações falsas online em todo o mundo” e quer que a plataforma se esforce mais para resolver o problema.

Em uma carta aberta à CEO do YouTube, Susan Wojcicki, publicada quarta-feira, o grupo disse que as medidas atuais da plataforma para combater a desinformação estão “se mostrando insuficientes” e estabeleceu uma série de etapas recomendadas para melhorar sua abordagem, incluindo fornecer mais contexto e desmerecer, bem como reduzir a capacidade de propagadores de desinformação de monetizar seu conteúdo na plataforma.

A carta vem em meio a preocupações contínuas sobre desinformação online, especialmente relacionadas as eleições e alegações de saúde. O YouTube enfrentou menos escrutínio do que outro gigante da tecnologia, o Facebook (agora uma divisão da empresa-mãe Meta), que recebeu uma carta semelhante em novembro de 2016.

“O YouTube está permitindo que sua plataforma seja armada por atores sem escrúpulos para manipular e explorar outros, e para se organizar e arrecadar fundos”, diz na carta. “Pedimos que você tome medidas eficazes contra a desinformação e a propagação de informações falsas, e elabore um roteiro de políticas e intervenções de produtos para melhorar o ecossistema de informações – e faça isso com as organizações de verificação de fatos independentes e não com as partidárias”.

A Meta, o Twitter e o YouTube fizeram algumas parcerias com verificadores de fatos ao longo dos anos. O esforço da Meta geralmente é considerado o mais robusto, pois envolve parcerias com 80 organizações de verificação de fatos, em 60 idiomas em todo o mundo, certificadas pela independente International Fact Checking Network. O YouTube, por sua vez, diz que colabora com centenas de editores para direcionar usuários em vários países a informações confiáveis em painéis de verificação de fatos.

Em uma ligação com repórteres antes da publicação da carta, vários membros signatários disseram que se reuniram diversas vezes com representantes do YouTube e do irmão corporativo Google para discutir o trabalho conjunto no combate a desinformação, mas disseram que os compromissos da empresa ainda estão muito aquém.

“Nada se move, nada muda”, disse Cristina Tardáguila, fundadora da organização brasileira de verificação de fatos Agência Lupa, durante a ligação. “Acho que a grande diferença aqui é […] que é hora de pressionar fortemente o YouTube. Eles existem há muito tempo”.

Em uma declaração à CNN Business sobre a carta, a porta-voz do YouTube, Elena Hernandez, chamou a verificação de fatos de uma “ferramenta crucial”, mas “uma peça de um quebra-cabeça muito maior para lidar com a disseminação de desinformação”.

“Ao longo dos anos, investimos pesadamente em políticas e produtos em todos os países em que operamos para conectar pessoas a conteúdo oficiais, reduzir a disseminação de desinformação e remover vídeos violadores”, disse Hernandez. “Vimos um progresso importante, mantendo o consumo de desinformações por recomendações significativamente abaixo de 1% de todas as visualizações no YouTube e apenas cerca de 0,21% de todas as visualizações são de conteúdo violador que removemos posteriormente. Estamos sempre procurando maneiras significativas para melhorar e continuaremos a fortalecer nosso trabalho com a comunidade de checagem de fatos”.

O YouTube tomou algumas medidas para combater a desinformação. Por exemplo, quando os usuários pesquisam “Covid-19” na plataforma, a página de resultados tem links para informações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e exibe vídeos de fontes de notícias oficiais primeiro. O YouTube suspendeu figuras como os senadores republicanos Rand Paul e Ron Johnson por violar suas políticas de desinformação sobre a Covid-19. E tem uma política de suspensão de anos que determina punições crescentes para violações repetidas de suas diretrizes da comunidade, que proíbem “certos tipos de conteúdo enganoso ou falso com sério risco de danos graves”, incluindo remédios prejudiciais à saúde ou conteúdo destinado a suprimir a participação no censo dos EUA.

Mas o grupo de verificadores de fatos diz que quer que o YouTube crie um sistema mais claro e consistente para trabalhar com organizações de checagem de fatos. A carta pede ao YouTube que “publique sua política de moderação completa em relação à desinformação e informações falsas, incluindo o uso de inteligência artificial e quais dados a alimentam”.

“O foco do YouTube deve ser fornecer contexto e oferecer desmascaramentos, claramente sobrepostos a vídeos ou como conteúdo de vídeo adicional”, afirma a carta. “Isso só pode acontecer ao entrar em uma colaboração significativa e estruturada […] e investir sistematicamente em esforços independentes de verificação de fatos em todo o mundo”.

Os signatários da carta incluem organizações de checagem de fatos de mais de 46 países, incluindo o Africa Check; o Rappler, das Filipinas; Science Feedback, da França; Factly, da Índia; Colombiacheck, da Colômbia; FactCheck.org e The Washington Post Fact-checker, dos Estados Unidos. A carta aponta especificamente as deficiências na capacidade do YouTube de moderar conteúdo em idioma diferente do inglês e levantou preocupações sobre a disseminação transfronteiriça de desinformação.

“Gostaríamos que o YouTube fosse realmente sério sobre outros idiomas além do inglês, outros países além dos Estados Unidos”, disse Carlos Hernández-Echevarría, chefe de políticas públicas e desenvolvimento institucional da Maldita, uma organização sem fins lucrativos de checagem de fatos e verificação de mídia social. (Hernandez, porta-voz do YouTube, disse que a plataforma aplica suas políticas globalmente e que seus sistemas trabalham para reduzir conteúdo potencialmente violador e promover conteúdo oficial em todo o mundo.)

A carta também pede ao YouTube que tome medidas contra contas cujo conteúdo seja repetidamente sinalizado como desinformação. As ações propostas incluem remover a capacidade dessas contas de monetizar esse conteúdo por meio de anúncios ou direcionar os usuários para plataformas de pagamento externas e garantir que o algoritmo do YouTube não promova desinformação.

O YouTube disse que em 2020 baniu grupos coordenados como QAnon e Proud Boys, conhecidos por espalhar teorias da conspiração e desinformação sobre votação e eleições. A plataforma diz que tomou ações semelhantes em outros países.

No final de setembro, o YouTube anunciou medidas para reprimir as declarações antivacinas. A plataforma disse na época que removeria os canais de vários conhecidos divulgadores de desinformação sobre vacinas e que os vídeos que promovendo desinformações sobre as vacinas atualmente aprovadas e administradas seriam retirados e quem os postou estariam sujeitos à sua política de suspensão. Ainda assim, os críticos questionaram por que o YouTube esperou tanto tempo para tomar tais ações.

Os signatários da carta disseram que esperam se encontrar com Wojcicki para discutir a implementação das sugestões para “tornar o YouTube uma plataforma que realmente faz o possível para impedir que a desinformação e as informações falsas sejam usadas como armas contra seus usuários e a sociedade em geral”.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN