Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nada de cachorro: raposas já foram “melhores amigas” do homem, diz estudo

    Pesquisadores encontraram uma raposa enterra na mesma sepultura que uma pessoa no noroeste da Argentina

    Partes da raposa que foi enterrada ao lado de um humano em Cañada Seca, um local no norte da Patagônia.
    Partes da raposa que foi enterrada ao lado de um humano em Cañada Seca, um local no norte da Patagônia. Francisco Prevosti via CNN Newsource

    Mindy Weisbergerda CNN

    Em uma antiga sepultura no que hoje é o noroeste da Argentina, uma pessoa foi enterrada com um companheiro canino, mas esse amigo animal não era um cachorro, de acordo com uma nova pesquisa. O enterro continha o esqueleto de um tipo de canídeo que pode ter competido com cães pelo afeto humano: uma raposa.

    Humanos e cães têm uma longa história. A relação entre as duas espécies tem dezenas de milhares de anos. No entanto, uma nova análise de evidências de um enterro na Patagônia que remonta a cerca de 1.500 anos sugere uma ligação estreita semelhante entre um caçador-coletor no sul da América do Sul e a grande espécie extinta de raposa Dusicyon avus.

    Os arqueólogos descobriram originalmente o esqueleto quase completo de uma D. avus enterrado ao lado de um humano em Cañada Seca, um local no norte da Patagônia, em 1991.

    Não havia marcas de corte nos ossos, então a raposa não havia sido comida, disse a Dra. Lebrasseur, pesquisadora da Rede de Pesquisa de Paleogenômica e Bioarqueologia da Wellcome Trust na Escola de Arqueologia da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

    Uma análise aprofundada do DNA antigo e da datação por radiocarbono confirmou a espécie e a idade da raposa, e o exame do colágeno nos restos mortais da raposa revelou que ela comia a mesma comida que este grupo de humanos.

    Juntamente com a colocação do esqueleto na sepultura, a dieta do animal sugeria que a raposa era domesticada e pode ter sido mantida como animal de estimação, como relataram cientistas na quarta-feira (10) na revista Royal Society Open Science.

    A descoberta soma-se a um crescente conjunto de evidências provenientes de cemitérios noutros continentes, indicando que raposas individuais foram domesticadas por humanos e partilhavam uma ligação baseada no companheirismo.

    A sociedade da raposa e dos caçadores-coletores

    D. avus viveu desde a Época Pleistocena (cerca de 2,6 milhões a 11.700 anos atrás) até o Holoceno, extinguindo-se há cerca de 500 anos. Era aproximadamente do tamanho de um pastor alemão moderno, mas muito menos volumoso, pesando até 15 quilos.

    “Em geral, Dusicyon avus tinham uma dieta carnívora”, disse Lebrasseur, que co-liderou o estudo com a Dra. Cinthia Abbona, pesquisadora do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina.

    Mas, quando os cientistas testaram o esqueleto da raposa encontrado no enterro, descobriram que a sua dieta era menos carnívora do que o esperado e mais semelhante à dieta dos humanos.

    “Isso sugere que, ou a comunidade o alimentava, ou ele estava ao redor da comunidade se alimentando de restos de cozinha”, disse Lebrasseur à CNN.

    “Isso sugeriria que existe um relacionamento mais próximo e uma integração do canídeo na sociedade.”

    A noção de raposas como animais de estimação na América do Sul está alinhada com as evidências de outros enterros de raposas na Europa e na Ásia, disse a Dra. Aurora Grandal-d’Anglade, paleobióloga da Universidade da Corunha, na Espanha.

    Grandal-d’Anglade, que não esteve envolvida no novo estudo, descreveu anteriormente sepulturas da Idade do Bronze na Península Ibérica que incluíam dezenas de cães e quatro raposas enterrados ao lado de pessoas.

    Os pesquisadores descobriram que as raposas tinham uma disposição muito parecida com a dos cães, sugerindo que elas também eram companheiras dos humanos.

    “Não há razão para que as raposas não possam ser domesticadas”, disse Grandal-d’Anglade à CNN por e-mail.

    “Sabemos que os humanos, em muitas sociedades completamente diferentes, muitas vezes mantêm animais domésticos (não apenas canídeos, mas, por exemplo, macacos, aves, répteis) simplesmente como animais de companhia. Quando vistos sob esta luz, aparecem cada vez mais locais onde as raposas parecem ter desempenhado o papel de animais de estimação.”

    Encontrar D. avus numa sepultura humana foi surpreendente por outro motivo: embora a espécie já tenha sido difundida no sul da América do Sul, era anteriormente desconhecida nesta parte da Patagônia.

    Os caçadores-coletores que viviam na região normalmente ficavam num raio de cerca de 70 quilômetros, então provavelmente encontraram a simpática raposa dentro desse raio, segundo o estudo.

    “O Dusicyon avus deve ter feito parte da vizinhança próxima, para poder ser integrado na comunidade”, disse Lebrasseur.

    O que os enterros de raposas revelam sobre o “melhor amigo do homem”

    A análise também esclareceu o que levou as raposas à extinção. Ou melhor, o que não aconteceu. Uma hipótese sugeria que as raposas cruzaram com cães que os colonizadores europeus introduziram na América do Sul, e que o cruzamento acabou fazendo com que a linhagem das raposas se extinguisse. Mas, o DNA da raposa contou uma história diferente, conforme relataram os autores do estudo.

    “Com base no que conseguimos recuperar e na técnica que desenvolvemos em Oxford há alguns anos, pudemos sugerir que a hibridização entre cães domésticos e Dusicyon avus não teria sido capaz de produzir descendentes férteis”, disse Lebrasseur.

    No entanto, ainda é possível que os cães não tenham sido totalmente inocentes no declínio das raposas. Com uma dieta semelhante à do D. avus, os cães podem ter ajudado a acelerar a extinção das raposas, superando-as na competição. Os cães também podem ter doenças que atingiram as raposas, acrescentou a pesquisadora.

    Os especialistas muitas vezes explicam a domesticação dos cães como algo que aconteceu porque os humanos perceberam que poderiam colocar os cães para trabalhar como caçadores ou pastores, disse Grandal-d’Anglade.

    Mas o esqueleto de D. avus em Cañada Seca e outros cemitérios de raposas sugerem que um animal não precisava ser um trabalhador útil para ser nutrido por humanos, poderia ser simplesmente um amigo.

    “A proliferação de canídeos de diferentes espécies em estreita relação com os humanos parece indicar que, em princípio, se tratava de uma relação de afeto, de companheirismo”, disse Grandal-d’Anglade.

    “O facto de os encontrarmos em tantas sociedades diferentes e em continentes diferentes indica que manter animais para companhia, e não apenas como animais de trabalho ou de carne, é uma característica ancestral dos humanos.”