Nasa busca conceitos sustentáveis de aterrissagem lunar para futuras missões

Agência espacial norte-americana abre uma competição para receber propostas de modelos de aterrissagem lunar

Ilustração de astronauta na missão Artemis da Nasa
Ilustração de astronauta na missão Artemis da Nasa Foto: Nasa

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Antes que a Nasa envie os humanos à Lua nesta década, eles precisam ser capazes de pousar na superfície lunar – e isso vai ser muito diferente do que era nos dias da Apollo.

Na preparação deste retorno lunar através do programa Artemis, a agência espacial norte-americana abre uma competição, por meio de um processo de propostas, para uma segunda empresa desenvolver conceitos de aterrissagem lunar.

Em abril de 2021, a Nasa determinou que a SpaceX seria sua parceira para ajudar a pousar a primeira mulher e a primeira pessoa negra na Lua até abril de 2025.

A exploração lunar de longo prazo, por meio de uma sucessão de missões Artemis, exigirá equipamentos sustentáveis que resgatem os astronautas de um posto lunar em órbita chamado Gateway e os levem à superfície da Lua. A nova tecnologia de pouso sob o Artemis também aumentará a capacidade da tripulação, bem como a capacidade de transporte de mais ciência e tecnologia para a superfície lunar.

Agora, a Nasa quer que a SpaceX e outras empresas desenvolvam aterrissadores para missões lunares além da missão Artemis III, que será a primeira a enviar humanos novamente à Lua.

A agência tem uma abordagem dupla para isso. Eles estão pedindo à SpaceX que faça um trabalho adicional em aterrissadores para uma segunda missão de demonstração como parte de seu contrato existente, além de abrir uma oportunidade competitiva para outras empresas norte-americanas enviarem seus conceitos para aterrissadores sustentáveis.

“Sob Artemis, a Nasa realizará uma série de missões inovadoras na Lua e ao redor dela para se preparar para o próximo salto gigante para a humanidade: uma missão tripulada a Marte“, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson, em um comunicado.

“A competição é fundamental para nosso sucesso na superfície lunar e além, garantindo que tenhamos a capacidade de realizar uma cadência de missões na próxima década. Obrigado à Administração Biden e ao Congresso por seu apoio a esta nova oportunidade de aterrissagem de astronautas, que acabará por fortalecer e aumentar a flexibilidade da Artemis”.

A agência elaborará uma solicitação nas próximas semanas que estabelece os requisitos para as propostas do módulo de pouso e a segunda adjudicação do contrato será chamada de contrato de Desenvolvimento Lunar Sustentável.

“Esta estratégia acelera o progresso em direção a uma capacidade de pouso sustentável de longo prazo já em 2026 ou 2027”, disse Lisa Watson-Morgan, gerente do Programa de Sistema de Pouso Humano no Marshall Space Flight Center da Nasa em Huntsville, no Alabama, em uma declaração.

“Esperamos que duas empresas transportem astronautas com segurança em suas sondas para a superfície da Lua sob a orientação da Nasa antes de solicitarmos serviços, o que pode resultar em vários fornecedores experientes no mercado”.

A solicitação formal de propostas deve ser publicada neste verão [no hemisfério Norte], depois que a Nasa sediar um dia virtual da indústria nesta primavera.

Mais detalhes sobre o financiamento da Artemis serão compartilhados assim que o orçamento do presidente for anunciado na próxima semana, disse Nelson.

O roteiro de Artemis

Durante uma entrevista à imprensa na quarta-feira (23), Nelson apresentou um esboço ampliado para o programa Artemis, começando com o pouso lunar tripulado de Artemis III.

“A partir daí, esperamos aproximadamente um pouso humano por ano ao longo de uma década”, disse Nelson. “E estas não são missões isoladas. Cada uma vai se construir sobre o progresso anterior. A descoberta e a compreensão que estamos buscando e o que é preciso para viver no espaço profundo e tudo isso é, obviamente, uma preparação para que tenhamos o primeira missão humana a Marte no final da década de 2030 ou 2040”.

“A introdução de competição e redundância no desenvolvimento de aterrissadores lunares pode ajudar o programa Artemis a obter mais flexibilidade”, disse Jim Frey, administrador associado da Diretoria de Missão de Desenvolvimento de Sistemas de Exploração da Nasa, durante a entrevista.

“Isso significa potencialmente duas empresas desenvolvendo capacidades de sustentação de aterrissagem e duas missões de pouso de astronautas na Lua sob os critérios que planejamos usar para a próxima década de missões tripuladas Artemis, além do primeiro pouso, tudo antes de solicitarmos serviços de forma recorrente”, disse Frey.

Sob o novo plano anunciado na quarta-feira, a SpaceX terá uma demonstração não tripulada, bem como tripulada, para o Artemis III. Além disso, a SpaceX poderá desenvolver outro módulo de pouso sob os novos requisitos de sustentabilidade, que também terá versões tripuladas e não tripuladas.

Outras empresas também serão solicitadas a seguir os requisitos de sustentabilidade e apresentar conceitos para pousos de demonstração não tripulados e tripulados, disse Frey.

A Nasa está antecipando a entrega dessas sondas dentro do prazo de 2026-2027, disse Frey.

“O objetivo da demonstração sem tripulação é provar do ponto de vista da segurança que o sistema de pouso será capaz de pousar com segurança e, portanto, é uma parte crítica da estratégia de demonstração que temos em mente antes de podermos colocar a tripulação em ação”, disse Lisa.

A agência chegou à ideia de aterrissadores sustentáveis ​​capazes de transportar mais tripulação e carga porque quer aproveitar ao máximo seu tempo na Lua, disse Lisa na quarta-feira. E esses pousos de demonstração sem tripulação podem se tornar boas oportunidades para testar mais do que apenas o retorno à superfície lunar.

Os aterrissadores não tripulados também podem levar experimentos científicos a bordo para aproveitar ao máximo cada pouso, disse Lisa. “Os pousos são realmente preciosos para nós”, disse ela.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN