Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nasa pode tentar novo lançamento nesta sexta; entenda adiamento da Artemis I

    Missão não tripulada à Lua estava prevista para decolar entre 9h33 e 11h33 desta segunda-feira, mas problema inesperado surgiu em um dos motores

    Ashley Stricklandda CNN no Kennedy Space Center, na Flórida

    O lançamento da missão não tripulada Artemis I foi cancelado depois que a equipe não conseguiu resolver um problema em um dos quatro motores do foguete.

    A próxima oportunidade de lançamento é em 2 de setembro, mas se outra tentativa será feita ou não naquele dia depende de como os testes acontecerão.

    “Os controladores de lançamento continuavam avaliando por que um teste de sangria para colocar os motores RS-25 na parte inferior da plataforma central na faixa de temperatura adequada para a decolagem não foi bem-sucedido e ficou sem tempo na janela de lançamento de duas horas”, de acordo com uma atualização compartilhada pela Nasa.

    “Os engenheiros continuam a coletar dados adicionais”, acrescentou a agência espacial americana.

    A equipe de lançamento ainda precisa solucionar o problema do motor e manterá o foguete em sua configuração atual para coletar dados e avaliar o que precisa ser feito.

    Tanto o foguete do Sistema de Lançamento Espacial quanto a espaçonave Orion, posicionados na plataforma de lançamento 39B no Centro Espacial Kennedy da Nasa, na Flórida, permanecem estáveis, de acordo com funcionários da Nasa.

    Antes da limpeza, a contagem regressiva foi estendida para uma espera não planejada enquanto a equipe de lançamento trabalhava em um plano de solução de problemas para um dos quatro motores do foguete.

    Isso porque a equipe de lançamento descobriu um problema com a sangria de motor no motor nº 3. As tentativas de reconfigurá-lo não foram bem sucedidas.

    Durante as sangrias do motor, o hidrogênio passa pelo motor para condicioná-lo para o lançamento. Três dos quatro motores estão funcionando conforme o esperado, mas o motor nº 3 apresentou um problema.

    O administrador da Nasa, Bill Nelson, abordou o cancelamento logo após o anúncio, enfatizando que a Artemis I é um voo de teste.

    “Não lançamos até que esteja certo”, disse Nelson.

    “Eles têm um problema com os gases da sangria em um motor. É apenas ilustrativo que esta é uma máquina muito complicada, um sistema muito complicado, e todas essas coisas precisam funcionar. Você não acende a vela até que esteja pronto para ir”, acrescentou.

    É algo com o qual Nelson tem experiência pessoal. Como astronauta, ele estava no 24º voo do ônibus espacial. Seu lançamento foi adiado quatro vezes e a quinta tentativa resultou em uma missão impecável.

    “Se tivéssemos lançado em qualquer um desses cancelamentos, não teria sido um bom dia”, disse ele.

    Mais informações serão compartilhadas em uma entrevista coletiva ainda nesta segunda-feira (29), segundo a Nasa.

    A missão Artemis I

    A jornada da Orion durará 42 dias enquanto viaja para a Lua, dá uma volta em torno dela e retorna à Terra – viajando um total de 2,1 milhões de quilômetros. A cápsula cairá no Oceano Pacífico, na costa de San Diego, em 10 de outubro.

    Embora a lista de passageiros não inclua humanos, ela tem passageiros: três manequins e um brinquedo de pelúcia Snoopy.

    A tripulação a bordo do Artemis I pode parecer um pouco incomum, mas cada uma serve a um propósito. Snoopy servirá como indicador de gravidade zero – o que significa que ele começará a flutuar dentro da cápsula assim que atingir o ambiente espacial.

    Os manequins, chamados “Comandante Moonkin Campos”, “Helga” e “Zohar”, medirão a radiação do espaço profundo que as futuras tripulações poderão experimentar e testar um novo traje e tecnologia de blindagem.

    Um experimento de biologia carregando sementes, algas, fungos e leveduras foi colocado dentro da Orion para medir como a vida reage a essa radiação também.

    Câmeras dentro e fora da Orion compartilharão imagens e vídeos durante toda a missão, incluindo visualizações ao vivo do experimento Callisto, que capturará imagens do Comandante Moonikin Campos sentado no assento do comandante.

    Se você tiver um dispositivo habilitado para a Alexa da Amazon, poderá perguntar sobre a localização da missão todos os dias.

    Espere ver imagens do “Nascer da Terra”, semelhantes ao que foi compartilhado durante a Apollo 8 pela primeira vez, mas com câmeras e tecnologia muito melhores.

    Experimentos científicos e demonstrações de tecnologia acompanham o foguete em um anel. Os 10 pequenos satélites, chamados CubeSats, se separarão e seguirão caminhos separados para coletar informações sobre a Lua e o ambiente do espaço profundo.

    A missão inaugural do programa Artemis dará início a uma fase de exploração espacial que aterra diversas tripulações de astronautas em regiões anteriormente inexploradas da Lua e, eventualmente, entrega missões tripuladas a Marte.

    O foguete e a espaçonave serão testados antes de levarem astronautas à lua em Artemis II e Artemis III, programadas para 2024 e 2025, respectivamente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original