Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Navio fantasma do século 7, que serviu para funeral de rei, ganhará réplica na Inglaterra

    Empresa planeja lançar a embarcação na água e começar os testes de remo em 2024

    Os visitantes de Sutton Hoo, no condado de Suffolk, no leste da Inglaterra, são recebidos por uma escultura do navio que serviu de navio funerário para um rei guerreiro do século 7.
    Os visitantes de Sutton Hoo, no condado de Suffolk, no leste da Inglaterra, são recebidos por uma escultura do navio que serviu de navio funerário para um rei guerreiro do século 7. NTI / Phil Morley

    Ashley Stricklandda CNN

    Ouvir notícia

    Quando um rei guerreiro anglo-saxão morreu há 1.400 anos em East Anglia, no Reino Unido, ele foi colocado dentro de um navio e cercado por tesouros. O navio de madeira de 27,4 metros de comprimento, arrastado a 800 metro do rio Deben, foi enterrado dentro de um monte.

    Arqueólogos que escavaram o monte em 1939 recuperaram armas, um capacete de guerreiro e tesouros intrincados feitos de metais preciosos e joias, juntamente com fileiras de rebites de ferro.

    Edith Pretty, proprietária da propriedade de Suffolk, incluindo os montes, doou o tesouro ao Museu Britânico em Londres. O enterro foi provavelmente o de Raedwald de East Anglia, que morreu em 624 d.C.

    Se você assistiu “The Dig” na Netflix, a história do local em Sutton Hoo e seu cemitério real do século sete é familiar. Permanece um dos três únicos enterros de navios anglo-saxões conhecidos.

    “Isso meio que revolucionou nossa compreensão de quem eram os anglo-saxões. Essa descoberta iluminou a chamada Idade das Trevas e mostrou que essas pessoas eram culturalmente sofisticadas, com níveis incríveis de artesanato e conexões comerciais de longo alcance”, disse Laura Howarth, arqueóloga e gerente de engajamento do site do National Trust e Sutton Hoo.

    O próprio navio, que cativou tantos, não existe mais. A madeira apodreceu no solo ácido, mas as posições precisas das tábuas deixaram uma impressão na areia, lembrando o contorno fantasmagórico do navio.

    Dois fotógrafos, Mercie Lack e Barbara Wagstaff, capturaram imagens da marca “fóssil” do navio em 1939, antes que o monte fosse coberto mais uma vez quando a Segunda Guerra Mundial se aproximava.

    Agora, Martin Carver, professor emérito de arqueologia da Universidade de York, e a instituição de caridade The Sutton Hoo Ship’s Company estão realizando a tarefa monumental de trazer o navio de volta à vida e recrutar uma tripulação para remar pelos rios da Inglaterra mais uma vez.

    Rio Deben é visto durante a maré baixa em Sutton Hoo. / ©National Trust Images/Justin M

    Criando um navio fantasma

    Na cidade de Woodbridge, perto de Sutton Hoo, há muito tempo existe o sonho de construir uma réplica em escala real do famoso navio. Das centenas de achados do enterro, quase todos encontrados originalmente em pedaços, o navio é o único item que não foi reconstruído, disse Carver.

    Depois que a instituição de caridade da empresa do navio foi formada em 2016, a equipe começou a projetar os objetivos.

    Carver, que dirigiu as escavações em Sutton Hoo entre 1983 e 1992, está supervisionando a construção, que está em andamento, e está levantando fundos para o projeto. A equipe espera arrecadar 1,5 milhão de libras (R$ 9,62 milhões) para construir o navio, atravessar rios e estuários e dar ao navio um lar permanente.

    O projeto de reconstrução conta com 70 voluntários, e o mais velho deles completou recentemente 90 anos. Sua tarefa é reconstruir o navio com a maior precisão possível com técnicas dos próprios anglo-saxões, como usar machados para moldar as madeiras. Carvalhos de East Anglia estão sendo usados ​​para construir o navio.

    Voluntários estão usando técnicas anglo-saxônicas autênticas para reconstruir o navio. / Sutton Hoo Ship’s Company

    Qualquer pessoa interessada em apoiar a reconstrução pode patrocinar rebites artesanais e outras partes do navio no site de caridade Sutton Hoo, disse Carver.

    A empresa planeja lançar o navio na água e começar os testes de remo em 2024. Uma equipe de 40 remadores treinará e aprenderá a manusear os remos de madeira de 5 metros de comprimento.

    O navio original serviu a um propósito cerimonial para o enterro do rei, mas há evidências de que o navio foi consertado e tinha vida na água antes do enterro, disse Carver.

    Entre 2024 e 2029, o navio fará três viagens que traçam onde os primeiros reinos ingleses se formaram.

    “Queremos colocar os rios no centro das atenções, as auto-estradas do dia”, disse Carver. “As viagens nos levarão a muitos dos grandes assentamentos primitivos descobertos por arqueólogos nas últimas décadas.”

    Os navios anglo-saxões eram usados ​​para transportar guerreiros, reis e cargas, e eram elegantemente decorados e pintados.

    “Espero que, quando o navio fizer suas viagens, excitará as pessoas de muitas maneiras diferentes, mas principalmente dando a elas uma sensação de que período brilhante foi esse na Grã-Bretanha do século VII”, disse Carver.

    Em 2030, o navio terminará suas viagens e será exibido – possivelmente do outro lado do rio de Woodbridge, no centro de visitantes de Sutton Hoo.

    A quilha do navio foi colocada e os trabalhos começaram / Sutton Hoo Ship’s Company

    Voltando no tempo

    Trabalhar no navio é seu próprio tipo de arqueologia experimental, disse Howarth. Ela trabalha em Sutton Hoo desde 2014 e possui mestrado em estudos medievais, com especialização em anglo-saxões do século sete.

    Quando os visitantes chegam a Sutton Hoo, são recebidos por uma escultura que mostra a escala do navio. A intriga do navio fantasma continua atraindo as pessoas, e é por isso que Howarth acredita que uma recriação tangível permitirá que eles se conectem com o espírito aventureiro de seus ancestrais — bem como com o simbolismo do navio.

    “Tudo meio que se conecta a jornadas, tanto na vida quanto na morte, e o navio é esse tipo de metáfora”, disse Howarth.

    A pesquisa continua em Sutton Hoo, e uma série de perguntas tentadoras permanecem. Não há registros escritos do período de tempo, mas os artefatos e cemitérios que os anglo-saxões deixaram para trás estão começando a se encaixar como um quebra-cabeça, revelando conexões entre as comunidades.

    Uma nova exposição, “Swords of Kingdoms: The Staffordshire Hoard at Sutton Hoo”, uniu itens do Staffordshire Hoard — o maior tesouro anglo-saxão de ouro e prata já encontrado, recuperado em 2009 — com tesouros do Sutton Hoo local. A exposição vai até 30 de outubro.

    A semelhança no design e no artesanato dos objetos das duas coleções sugere que eles foram feitos nas mesmas oficinas de East Anglia do século sete, disse Howarth.

    Ela ainda se maravilha com as minúsculas pirâmides de espada cloisonné de ouro e granada, acessórios decorativos associados a bainhas, descobertas na câmara funerária do navio pela arqueóloga Peggy Piggott em 1939.

    “Como eles criaram designs tão complexos e os concentraram nesses pequenos tesouros brilhantes?” disse Howarth. “Isso provavelmente seria uma coisa que eu gostaria de voltar e assistir se eu pudesse pular em uma máquina do tempo.”

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN