Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Planeta alienígena com nuvens metálicas se assemelha a “um espelho gigante no espaço”

    Astrônomos dizem que, provavelmente, o astro, que reflete 80% da luz recebida, não deveria existir

    Representação artística do exoplaneta LTT9779b orbitando sua estrela-mãe
    Representação artística do exoplaneta LTT9779b orbitando sua estrela-mãe Ricardo Ramírez Reyes/Universidade do Chile/Divulgação via REUTERS/Arquivo

    Will Dunhamda Reuters

    Washington, Estados Unidos

    Pesquisadores disseram nesta segunda-feira (10) que avistaram um planeta muito distante do nosso sistema solar, um mundo extremamente quente, um pouco maior que Netuno, que orbita uma estrela parecida com o Sol a cada 19 horas e parece estar envolto em nuvens metálicas feitas de titânio e silicatos que refletem a maior parte da luz recebida de volta ao espaço.

    “É um espelho gigante no espaço”, disse o astrônomo James Jenkins, da Universidade Diego Portales e do Centro de Excelência em Astrofísica e Tecnologias Associadas (Cata) no Chile, coautor da pesquisa publicada na revista Astronomy & Astrophysics.

    O astro reflete cerca de 80% da luz recebida, tornando-o o objeto mais reflexivo do universo conhecido. Vênus, o objeto mais brilhante no céu noturno da Terra além da Lua, é o objeto mais reflexivo do nosso sistema solar, envolto em nuvens tóxicas de ácido sulfúrico. Vênus reflete cerca de 75% da luz recebida. A Terra reflete cerca de 30%.

    O planeta, chamado LTT9779b e sua estrela estão localizados em nossa galáxia, a Via Láctea, a cerca de 264 anos-luz da Terra, na direção da constelação do Escultor. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano, o equivalente a 9,5 trilhões de quilômetros.

    O diâmetro do planeta é cerca de 4,7 vezes maior que o da Terra e ele orbita muito perto de sua estrela — mais perto do que a distância do planeta mais interno do nosso sistema solar, Mercúrio, ao Sol e 60 vezes mais perto que a órbita da Terra.

    Com a radiação solar intensa de sua estrela, a temperatura de sua superfície é de cerca de 1.800ºC, mais quente que a lava derretida.

    Com sua estrela tão próxima, é surpreendente que o planeta tenha alguma atmosfera, de acordo com os pesquisadores. Uma atmosfera com nuvens à base de água, como na Terra, teria sido expelida pela radiação solar há muito tempo.

    Mas eles acreditam que suas nuvens são metálicas, uma combinação de titânio e silicato — o material que compõe a maioria das rochas da crosta terrestre. “Nós até mesmo acreditamos que as nuvens possam se condensar em gotículas e que ocorra chuva de titânio em partes da atmosfera”, disse Jenkins.

    “Não foi descoberto, até o momento, nenhum outro planeta como este”, disse o astrônomo e autor principal do estudo, Sergio Hoyer, do Laboratório de Astrofísica de Marselha, na França.

    Possuir uma atmosfera enquanto orbita tão perto de sua estrela faz dele “um planeta que não deveria existir”, de acordo com Vivien Parmentier, do Observatório da Côte d’Azur, na França, que também participou do estudo.

    Mais de 5.000 planetas além do nosso sistema solar, chamados de exoplanetas, foram descobertos, muitos com características muito diferentes dos oito planetas do nosso sistema solar.

    Com instrumentos cada vez mais avançados entrando em operação — o Telescópio Espacial James Webb tornou-se operacional no ano passado e o Extremely Large Telescope está em construção no Chile — mais descobertas estão por vir.

    “A diversidade de exoplanetas é impressionante”, disse Parmentier, “e nós apenas arranhamos a superfície”.