Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Radiação de estrelas gigantes pode moldar formação de planetas, diz estudo

    Estudo mostrou que a emissão de ondas eletromagnéticas dessas estrelas pode ajudar na formação de planetas ou prevenir que façam isso

    As primeiras imagens da Nebulosa de Orion feitas com o telescópio James Webb
    As primeiras imagens da Nebulosa de Orion feitas com o telescópio James Webb NASA/ESA/CSA/S.

    Giovana Christda CNN

    Cientistas da Universidade de Colônia, na Alemanha, descobriram que a radiação ultravioleta emitida por estrelas gigantes pode alterar o modo de formação de sistemas planetários.

    Buscando descobrir como o Sistema Solar foi formado, estudiosos utilizaram informações obtidas a partir do Telescópio Espacial James Webb (JWST) e o Atacama Large Millimeter Array (ALMA). Eles descobriram que, dependendo da massa da estrela, elas podem ajudar planetas a se formarem ou impedir que dispersem sua massa.

    O estudo publicado na revista Science analisou o papel de estrelas gigantes, com massa até 10 vezes maior que a do Sol e 100 mil vezes mais luminosas que a estrela do Sistema Solar, a partir de um protoplaneta, que é um “planeta em construção”.

    O astro, que tem o nome provisório de d203-506, está localizado na Nebulosa de Orion, um “berço de estrelas”, lugar onde elas são formadas.

    Essas estrelas, devido à intensidade da luminosidade que emitem, expõem os planetas que estão próximos a uma forte iluminação ultravioleta.

    “Durante seu processo de desenvolvimento, as estrelas jovens são cercadas por um disco protoplanetário de gás e poeira no qual planetas podem se formar. As estrelas geralmente se formam em aglomerados, e as brilhantes e de grande massa irradiam com luz ultravioleta os discos ao redor das estrelas de baixa massa.” explicou Keith T. Smith, editor da revista Science.

    Essa investigação ajuda a comunidade científica a dar mais passos à frente nas descobertas sobre a formação dos sistemas planetários.