Rover Curiosity se depara com terreno perigoso cheio de ‘escamas’ em Marte

Rover, que está há quase 10 anos no planeta vermelho, avistou rochas pontiagudas apelidadas de "costas de jacaré"

O rover Curiosity Mars da Nasa está evitando dirigir sobre essas rochas afiadas pelo vento, chamadas ventifacts.
O rover Curiosity Mars da Nasa está evitando dirigir sobre essas rochas afiadas pelo vento, chamadas ventifacts. Nasa/JPL-Caltech/MSSS

Ashley Stricklandda CNN*

Ouvir notícia

O rover Curiosity acabou de evitar um quase encontro com algumas rochas afiadas em Marte.

O explorador robótico, que pousou no planeta vermelho há quase 10 anos, passou o último mês escalando o frontão de Greenheugh no Monte Sharp, localizado no centro da cratera Gale.

O frontão de Greenheugh é uma grande planície inclinada que os motoristas do rover da Nasa usariam para alcançar outros alvos.

Mas o rover parou quando avistou faixas contínuas de rochas pontiagudas, apelidadas de terreno de “costas de jacaré” devido à sua aparência escamosa.

Normalmente, o Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da Nasa pode ajudar o Curiosity a se preparar para encontrar perigos porque sua câmera HIRiSE pode detectar objetos do tamanho de uma bola de basquete em Marte enquanto gira ao redor do planeta.

Mas as rochas eram pequenas o suficiente para escapar do olhar atento do MRO, disse Ashwin Vasavada, cientista do projeto Curiosity, no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês) da Nasa em Pasadena, Califórnia.

Essas rochas, conhecidas como ventifacts, são rochas afiadas pelo vento, e o Curiosity já teve um encontro anterior com elas. No início das missões, as rodas do Curiosity sofreram algum desgaste depois de rolar sobre as essas pedras.

Mas há mais ventifacts que o Curiosity encontrou em 18 de março, do que durante todo seu percurso. Eles são feitos de arenito, a rocha mais dura encontrada em Marte até hoje.

“Era óbvio pelas fotos do Curiosity que isso não seria bom para nossas rodas”, disse Megan Lin, gerente de projetos do Curiosity no JPL, em um comunicado.

Ventifacts anteriormente causaram alguns danos às rodas do rover, como visto nesta foto de março de 2017. / NASA/JPL-Caltech/MSSS

“Seria demorado, e não teríamos sido capazes de implementar as melhores práticas de condução de rover.”

A equipe do rover na Terra encontrou maneiras de dirigir em terrenos mais palpáveis em Marte para preservar as rodas do rover e prolongar sua vida útil, evitando qualquer coisa que possa danificá-los.

O arenito foi desgastado por areia soprada por muitos anos, afiando os topos das rochas em facetas, disse Vasavada, e a caminhada do Curiosity o teria lançado sobre eles por cerca de um quilômetro e meio.

“Isso não necessariamente acabara com elas, mas desgastaria as rodas na mesma proporção que nos assustou no início da missão”, disse ele.

A forma como o rover dirige, que é essencialmente como dirigir para girar as rodas do seu carro no estacionamento antes de pisar no acelerador, significa que as rodas do Curiosity teriam se encostado no tapete de pedras pontiagudas, o que poderia fazer com que o rover ficasse preso.

Se o Curiosity tivesse tentado passar por vales arenosos entre os cumes, teria o enviado para uma longa e sinuosa jornada labiríntica.

Buscando segredos marcianos

O rover começou a subir a montanha de 5,5 quilômetros de altura em 2014. Ao longo dessa jornada, o Curiosity conseguiu estudar diferentes camadas que mostram o registro climático marciano e quando passou de úmido a seco bilhões de anos atrás.

“A maior parte do Monte Sharp é uma espécie de bolo de camada horizontal que se acumulou ao longo do tempo”, disse Vasavada.

O Curiosity capturou um panorama de 360 ​​graus em 23 de março do terreno “jacaré”. / Nasa/JPL-Caltech/MSSS

As camadas inferiores de sedimentos foram depositadas por rios e córregos, despejados em um lago que provavelmente encheu a Cratera Gale bilhões de anos atrás.

Quando essa lama assentou, tornou-se a base do Monte Sharp. O vento e as dunas de areia ajudaram a esculpir a cratera e sua montanha central no que é hoje.

O frontão de Greenheugh é um plano longo e inclinado que corta as camadas horizontais do Monte Sharp, disse Vasavada, e os cientistas querem entender como essa área se formou.

Também fica perto de outro ponto de interesse, chamado Gediz Vallis Ridge, que pode ter sido criado quando detritos desceram a montanha.

O rover fica no sopé inferior do Monte Sharp, mas a perspectiva do cume teria sido uma maneira de estudar o material das porções superiores da montanha.

“De longe, podemos ver pedregulhos do tamanho de carros que foram transportados dos níveis mais altos do Monte Sharp — talvez pela água relativamente tarde na era úmida de Marte”, disse Vasavada.

“Nós realmente não sabemos o que eles são, então queríamos vê-los de perto.”

Felizmente, o Curiosity terá outra chance nesta área em cerca de um ano, mas de um ponto de vista diferente.

Por enquanto, o rover está traçando um novo curso para continuar sua exploração do Monte Sharp, descendo para uma zona de transição onde uma área rica em argila se encontra com sais minerais chamados sulfatos.

Esses minerais argilosos se formaram quando a montanha estava molhada e os sais se formaram quando o clima secou. O Curiosity já havia estudado essas camadas, mas abandonou a investigação para chegar ao Greenheugh.

Esta última reviravolta na jornada do Curiosity, para retornar a uma investigação produtiva, é um lado bom, disse Vasavada.

“Foi muito legal ver rochas que preservavam uma época em que os lagos estavam secando e sendo substituídos por riachos e dunas de areia seca”, disse Abigail Fraeman, vice-cientista do projeto Curiosity no JPL, em um comunicado. “Estou realmente curioso para ver o que encontramos enquanto continuamos a subir nesta rota alternativa.”

Ver evidências para essa grande mudança no clima de Marte, da era úmida para a era seca, seria uma pena fantástica para o Curiosity, disse Vasavada. E estudar as camadas moldadas pela água pode ajudar os cientistas a entender se a vida microbiana poderia ter existido em Marte antigo.

Felizmente, o Curiosity está pronto para a tarefa. O que começou como uma missão de 2 anos celebrará seu 10º aniversário em agosto.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN