Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba quem é o biólogo protetor do boto-cor-de-rosa na Amazônia

    Fernando Trujillo comentou que nativos acreditam que ele é um "golfinho que se transformou em humano para protegê-los"

    Nos últimos 30 anos, o cientista premiado e sua fundação trabalharam incansavelmente para ajudar a promover acordos de pesca amigáveis aos animais aquáticos
    Nos últimos 30 anos, o cientista premiado e sua fundação trabalharam incansavelmente para ajudar a promover acordos de pesca amigáveis aos animais aquáticos Sylvain CORDIER/Gamma-Rapho via Getty Images

    Michelle Cohanda CNN

    Aventureiro nas complexas vias navegáveis da Amazônia, o biólogo marinho colombiano Fernando Trujillo iniciou sua jornada para estudar o misterioso boto-cor-de-rosa em 1987, sob a orientação do falecido e renomado oceanógrafo Jacques Cousteau.

    Trujillo conheceu Cousteau em um seminário universitário em Bogotá. Quando perguntou em que deveria focar sua pesquisa, o francês lhe disse que deveria estudar os botos, que ainda não haviam sido investigados a fundo. Dois anos depois, o colombiano pegou carona em um avião de carga para iniciar sua aventura na Amazônia.

    Nascido e criado em Bogotá, Trujillo chegou à vila ribeirinha de Puerto Nariño como recém-formado, com “a arrogância de um cara da universidade”, ele lembrou. Logo percebeu que precisaria da ajuda do povo indígena Tikuna para navegar pelo terreno intricado e se aproximar dos botos.

    “Este é um ambiente muito agressivo, muito difícil de sobreviver,” o biólogo disse à CNN sobre a Amazônia. “Os indígenas começaram a me ensinar — a mostrar as diferentes espécies, como remar em uma canoa, como andar na floresta.”

    Eventualmente, ele criou uma profunda conexão com os botos de água doce e seu entorno. Descobriu que suas populações estavam diminuindo devido à pesca excessiva, destruição de habitats, poluição e mudanças climáticas.

    Existem dois tipos de golfinhos de água doce encontrados na Amazônia: o boto-cor-de-rosa — ou boto devido à sua cor — e o menor tucuxi, disse Trujillo. Ambos são predadores, ajudando a manter as populações de peixes sob controle.

    Em 2018, a espécie rosada foi classificada como ameaçada de extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza e, dois anos depois, o mesmo aconteceu com os tucuxis.

    “No primeiro ano em que vim aqui, em um ano, encontrei 21 golfinhos mortos, então soube que [tinha] que fazer algo por esses animais”, disse ele. Ele decidiu permanecer na região e continuar seu trabalho junto aos locais, que começaram a chamá-lo de Omacha, que significa “um golfinho que se transforma em homem” na língua Tikuna.

    “Eles me disseram: ‘todos nós acreditamos que você é um golfinho que se transformou em humano para protegê-los’”, disse Trujillo.

    Em 1993, seu apelido tornou-se o nome de sua organização de conservação dedicada a proteger não apenas os golfinhos, mas também outros animais aquáticos ameaçados e seus habitats em toda a América do Sul.

    “Vim aqui com uma abordagem romântica de salvar os golfinhos, mas de repente percebi que eles são apenas uma pequena parte deste enorme ecossistema” disse ele. “E para proteger os golfinhos, eu precisava proteger os rios, lagos e outras espécies como peixes-boi, jacarés e também as pessoas que vivem aqui”, completou.

    Trujillo, à direita na foto, e a veterinária María Jimena Valderrama, ao centro, realizam um exame em um peixe-boi resgatado nas instalações de reabilitação da Fundação Omacha; esta espécie é considerada vulnerável na Amazônia

    Trujillo, à direita na foto, e a veterinária María Jimena Valderrama, ao centro, realizam um exame em um peixe-boi resgatado nas instalações de reabilitação da Fundação Omacha; esta espécie é considerada vulnerável na Amazônia / CNNNos últimos 30 anos, o cientista premiado e sua fundação trabalharam incansavelmente para ajudar a promover acordos de pesca amigáveis aos animais aquáticos, revitalizar áreas úmidas e ajudar a inaugurar a primeira declaração global para proteger os golfinhos de rio, em 2023.

    Trujillo ajudou a treinar cientistas em toda a América do Sul em levantamentos e esforços de conservação de golfinhos, e participou de inúmeras expedições pelo continente para avaliar outros ecossistemas de água doce e ameaças à biodiversidade. Onde quer que vá, Trujillo diz que os botos têm sido vitais para ajudar a equipe em seus contínuos esforços de conservação.

    “Os golfinhos são uma espécie de termômetro, um sentinela da saúde dos rios,” disse ele.

    Nos últimos anos, a Fundação Omacha etiquetou mamíferos com rastreadores via satélite para monitorar suas populações. “Já etiquetamos mais de 60 golfinhos na América do Sul e 27 só na Colômbia,” ele disse à CNN. Os rastreadores de GPS ajudaram sua equipe a identificar onde os animais se alimentam, acasalam e dão à luz, para que possam proteger melhor essas áreas.

    Trujillo atualmente faz parte de uma expedição de dois anos da National Geographic e Rolex Perpetual Planet, onde está liderando esforços voltados à preservação dos golfinhos e seus ecossistemas, além de apoiar as comunidades indígenas locais. “Existem muitos desafios em trabalhar na Amazônia, e às vezes não somos muito otimistas, mas acho que podemos fazer uma pequena diferença,” disse ele.

    Apesar da dificuldade, Trujillo afirmou que continuará lutando para conservar este valioso ecossistema e seus habitantes. “Meu sonho é proteger os rios, os ecossistemas aquáticos da Amazônia; eu realmente acredito que a água é o futuro desta região e do planeta.”

    Espécie de peixe ganha nome de vilão de “O Senhor dos Anéis”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original