Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Elefantes usam nomes para chamar uns aos outros, sugere estudo

    Pesquisa sugere que animais reconhecem e usam sons individualizados para se comunicar com outros de sua espécie

    Dois elefantes juvenis se cumprimentam na Reserva Nacional de Samburu, no Quênia.
    Dois elefantes juvenis se cumprimentam na Reserva Nacional de Samburu, no Quênia. George Wittemyer/Divulgação

    Amarachi Orieda CNN

    Elefantes selvagens africanos podem se comunicar entre si usando chamadas individualizadas que se assemelham aos nomes pessoais usados por humanos, sugere um novo estudo.

    Enquanto os golfinhos são conhecidos por chamarem uns aos outros imitando o assobio característico de quem querem chamar e os papagaios têm sido encontrados se comunicando de maneira semelhante, os elefantes africanos no Quênia podem ir um passo além na identificação uns dos outros.

    De acordo com o estudo publicado nesta segunda-feira (10) na revista Nature Ecology and Evolution, esses elefantes aprendem, reconhecem e usam chamadas individualizadas semelhantes a nomes para se comunicar com outros de sua espécie, aparentemente sem usar imitação.

    O tipo mais comum de chamada destes animais é um ronco, que possui três subcategorias. Os sons de contato são usados para chamar outro elefante que está longe ou fora de vista. As saudações são usadas quando outro elefante está ao alcance do toque. Os chamados de cuidador são usados por uma fêmea adolescente ou adulta em direção a um filhote pelo qual ela está cuidando, de acordo com o estudo.

    Os pesquisadores analisaram esses três tipos de roncos usando um modelo de aprendizado de máquina para analisar gravações de 469 chamadas feitas por grupos selvagens de fêmeas e filhotes no Parque Nacional Amboseli e nas Reservas Nacionais de Samburu, ambas no Quênia, e Buffalo Springs, nos Estados Unidos, entre 1986 e 2022. Todos os elefantes podiam ser identificados individualmente pela forma de suas orelhas, pois haviam sido monitorados continuamente por décadas, segundo a pesquisa.

    A ideia era que “se as chamadas contivessem algo como um nome, então deveria ser possível descobrir para quem ela era dirigida apenas pelas características acústicas do próprio som”, disse Mickey Pardo, autor principal do estudo, comportamentalista animal e pós-doutorando na Universidade Cornell em Nova York, nos Estados Unidos.

    Os pesquisadores descobriram que a estrutura acústica das chamadas variava dependendo de quem era o destinatário. O modelo de aprendizado de máquina identificou corretamente o destinatário de 27,5% dos sons analisados, “o que pode não parecer muito, mas foi significativamente mais do que o modelo seria capaz de fazer se tivéssemos apenas alimentado com dados aleatórios”, disse Pardo à CNN.

    “Isso sugere que há algo nas chamadas que permite ao modelo identificar quem era o destinatário pretendido”, acrescentou.

    Os pesquisadores também descobriram que os elefantes provavelmente não estavam apenas imitando a voz do indivíduo a quem estavam se dirigindo. Comparando pares de chamadas entre os emissores e os receptores, bem como os sinais dos receptores para outros indivíduos, eles descobriram que a maioria dos vocativos feitos pelo emissor não soava mais parecida com a chamada do receptor do que quando eles se dirigiam a outros indivíduos, de acordo com o estudo.

    Os pesquisadores então reproduziram chamadas para 17 elefantes para ver se eles reconheciam e respondiam às chamadas que tinham sido originalmente direcionadas a eles.

    Eles descobriram que os elefantes respondiam mais fortemente a um som que tinha sido originalmente direcionado a eles do que a um vocativo do mesmo emissor que tinha sido originalmente direcionado a outra pessoa. “Então isso significa que os elefantes podiam perceber se uma chamada era destinada a eles apenas ouvindo-a”, disse Pardo.

    Ele acrescentou que o estudo “nos diz algo sobre as habilidades cognitivas dos elefantes porque, se os elefantes estão se dirigindo uns aos outros dessa maneira, eles estão basicamente criando nomes uns para os outros. Isso implica alguma capacidade de pensamento abstrato — eles precisam ser capazes de aprender esse som arbitrário e associá-lo a outros indivíduos e, essencialmente, chamar uns aos outros pelo nome.”

    A evolução da linguagem

    Os elefantes mantêm laços sociais variados e duradouros com muitos indivíduos e muitas vezes estão separados de seus parceiros sociais mais próximos, de acordo com o estudo.

    Assim, algumas chamadas podem ser usadas para chamar a atenção de um indivíduo que está longe, enquanto as de curta distância podem ser usadas para fortalecer os laços sociais, semelhante ao comportamento humano, que responde de forma mais positiva e cooperativa quando alguém se lembra de seu nome, disseram os pesquisadores.

    Quando os elefantes estavam próximos, os roncos de cuidado eram mais propensos a serem classificados corretamente pelo modelo de aprendizado de máquina do que os de saudação. Os pesquisadores sugeriram que os cuidadores podem usar nomes com mais frequência com seus filhotes para confortá-los ou para ajudá-los a aprender seu vocativo.

    As chamadas das fêmeas adultas também foram classificadas mais corretamente do que as dos juvenis, sugerindo que as fêmeas adultas podem usar nomes mais frequentemente, porque o comportamento leva anos para se desenvolver, de acordo com o estudo.

    Pardo disse que a maioria dos mamíferos não é realmente capaz de aprender a produzir novos sons — uma habilidade necessária para rotular algo com um nome. Ele acrescentou que, como humanos, golfinhos e elefantes se dirigem a pares de sua espécie com algo parecido com um nome, “a necessidade de nomear outros indivíduos pode ter tido algo a ver com a evolução da linguagem.”

    “Talvez essa pressão de ter todas essas relações sociais complexas — e a necessidade de poder se dirigir a outros como indivíduos — seja o que levou os animais, incluindo potencialmente nossos próprios ancestrais, a desenvolver essa habilidade de associar novos sons a novas coisas. Isso poderia ser o que levou à linguagem,” continuou Pardo.

    Os autores do estudo não conseguiram determinar conclusivamente se diferentes elefantes usavam o mesmo nome para se referir ao mesmo indivíduo, ou se eles se dirigiam ao mesmo indivíduo com chamadas diferentes.

    Eles também não conseguiram determinar quais aspectos dos sons constituíam o nome, com as chamadas também contendo informações como identidade, idade, sexo e estado emocional do emissor codificados em suas características, de acordo com o estudo.

    Pardo disse que gostaria muito de descobrir “como essas chamadas realmente contêm um nome e eu gostaria de poder isolar os nomes para indivíduos específicos, então acho que isso abriria muitas outras áreas de investigação.”

    Girafas são tão complexas quanto os elefantes, diz estudo

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original