SoftBank renova aposta na América Latina com novo fundo de US$3 bi

O primeiro fundo latino-americano de US$ 5 bilhões foi lançado em 2019

SoftBank
SoftBank REUTERS/Issei Kato

Por Carolina Mandl, da Reuters

Ouvir notícia

O SoftBank Group lançou nesta terça-feira (14) um fundo de US$ 3 bilhões para investir em empresas de tecnologia na América Latina, numa tentativa de repetir o sucesso de seu primeiro fundo para a região, que gastou a maior parte de seu capital levantado.

Em comunicado, o SoftBank disse que planeja investir em empresas de tecnologia listadas e privadas, acrescentando que o fundo pode levantar mais capital no futuro.

A aposta renovada do SoftBank na América Latina surge no momento em que a industria de venture capital cresce rapidamente em países como Brasil e México, embora o conglomerado japonês tenha decidido interromper novos investimentos na China após uma pressão regulatória sobre empresas de tecnologia.

“Há tanta inovação e ruptura acontecendo na América Latina e acredito que as oportunidades de negócios nunca foram tão fortes”, disse o presidente do SoftBank, Masayoshi Son, no comunicado.

“A América Latina é uma parte crítica de nossa estratégia.”

O primeiro fundo latino-americano de US$ 5 bilhões foi lançado em 2019 pelo vice-presidente executivo e chefe de operações do grupo japonês, Marcelo Claure, em um momento em que nenhum investidor de grande porte havia assinado cheques tão grandes para startups na região.

Até agora, o fundo investiu US$ 3,5 bilhões em 48 empresas de setores que vão de educação a finanças e logística, que agora estão avaliadas em US$ 6,9 bilhões.

A maioria das empresas do portfólio é de capital fechado.

Ainda assim, o Banco Inter, no qual o SoftBank investiu quando já era listado, e a plataforma de software de comércio eletrônico VTEX, que abriu o capital em julho, reforçaram os ganhos do fundo no ultimo trimestre.

Claure, que também supervisionará o novo fundo, disse que os retornos do primeiro veiculo de investimento excederam as expectativas da SoftBank.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN