Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua em missão histórica de coleta do solo

    Chang'e-6 faz esforço lunar robótico mais complexo da China até à hoje na missão não tripulada que visa devolver à Terra amostras do outro lado da Lua pela primeira vez

    Simone McCarthyda CNN Hong Kong

    O módulo lunar Chang’e-6 da China pousou com sucesso no outro lado da Lua na madrugada deste domingo (2), em um passo significativo para a ambiciosa missão que poderia promover as aspirações do país de colocar astronautas na Lua.

    A sonda Chang’e-6 aterrou na Bacia do Polo Sul-Aitken, onde começará a recolher amostras da superfície lunar, anunciou a Administração Espacial Nacional da China.

    Sendo o esforço lunar robótico mais complexo da China até à data, a missão não tripulada visa devolver à Terra amostras do outro lado da Lua pela primeira vez.

    O pouso marca a segunda vez que uma missão alcança com sucesso o outro lado da lua. A China completou esse feito histórico pela primeira vez em 2019 com a sua sonda Chang’e-4.

    Se tudo correr como planejado, a missão – que começou em 3 de maio e deverá durar 53 dias – poderá ser um marco fundamental no esforço da China para se tornar uma potência espacial dominante.

    Os planos do país incluem pousar astronautas na Lua até 2030 e construir uma base de pesquisa no polo sul – uma região que se acredita conter água gelada.

     

    A alunissagem de domingo ocorre num momento em que um número crescente de países, incluindo os Estados Unidos, olha para os benefícios estratégicos e científicos da exploração lunar expandida num campo cada vez mais competitivo.

    As amostras recolhidas pela sonda Chang’e-6 poderão fornecer pistas importantes sobre a origem e evolução da Lua, da Terra e do sistema solar, dizem os especialistas – enquanto a própria missão fornece dados importantes e práticas técnicas para promover as ambições lunares da China.

    Chang’e-6 pousou em uma cratera de impacto conhecida como Bacia Apollo, localizada na extensa Bacia Aitken do Polo Sul, com cerca de 2.500 quilômetros de diâmetro, de acordo com a mídia estatal chinesa Xinhua.

    Ele orbitou a Lua por cerca de 20 dias como parte de uma sonda maior, composta de quatro partes: um orbitador, um módulo de aterrissagem, um ascendente e um módulo de reentrada.

    Espera-se agora que utilize uma broca e um braço mecânico para recolher até 2 quilogramas de poeira lunar e rochas da bacia, uma cratera formada há cerca de 4 bilhões de anos.

    A sonda passará dois dias no outro lado da Lua e 14 horas para coletar amostras do solo lunar, informou a Xinhua.

    Um foguete transportador Long March-5 Y8 transportando a sonda lunar Chang’e-6 decola do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang em 3 de maio de 2024 em Wenchang, província de Hainan, na China / Zhenzhou/VCG via Getty Images

    Para completar sua missão, o módulo de pouso precisará armazenar roboticamente essas amostras em um veículo de subida que fez o pouso com ele.

    O veículo de subida retornará então à órbita lunar, onde irá atracar e transferir as amostras para uma cápsula de reentrada, de acordo com informações da missão fornecidas pela Administração Espacial Nacional da China.

    A cápsula de reentrada e o orbitador viajarão então de volta à órbita da Terra e se separarão, permitindo que a cápsula de reentrada faça seu retorno esperado no final deste mês ao local de pouso de Siziwang Banner, na região rural da Mongólia Interior, na China.

    A missão tecnicamente complexa torna-se mais desafiadora devido ao local onde está sendo conduzida. O lado oculto da Lua está fora do alcance das comunicações normais, o que significa que a Chang’e-6 também deve contar com um satélite que foi lançado em órbita lunar em março, o Queqiao-2.

    A China planeja lançar mais duas missões da série Chang-e à medida que se aproxima de sua meta para 2030 de enviar astronautas à Lua.

    Múltiplas nações estão expandindo os seus programas lunares, com um foco crescente na garantia do acesso aos recursos e na maior exploração do espaço profundo.

    No ano passado, a Índia pousou uma espaçonave na Lua pela primeira vez, enquanto a primeira missão de pouso lunar da Rússia em décadas terminou em fracasso quando sua sonda Luna 25 colidiu com a superfície lunar.

    Em janeiro, o Japão se tornou o quinto país a pousar uma espaçonave na Lua, embora seu módulo de pouso Moon Sniper enfrentasse problemas de energia devido a um ângulo de pouso incorreto.

    No mês seguinte, a IM-1, uma missão financiada pela NASA e projetada pela empresa privada Intuitive Machines, com sede no Texas, pousou perto do polo sul.

    Módulo lunar Nova-C projetado pela empresa aeroespacial Intuitive Machines é exibido na sede da empresa em Houston / 03/10/2023 REUTERS/Evan Garcia

    Essa alunissagem – a primeira de uma nave espacial fabricada nos EUA em mais de cinco décadas – está entre as várias missões comerciais planejadas destinadas a explorar a superfície lunar antes da NASA tentar devolver para lá os astronautas dos EUA já em 2026 e construir o seu acampamento de base científico.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original