Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    TIM, Claro e Telefônica Brasil pedem redução de R$ 3,2 bi na compra da Oi Móvel

    Empresa tem 30 dias úteis para apresentar uma discordância sobre os pontos levantados pelas rivais e já adiantou que tomará as medidas cabíveis

    Na prática, a Oi teria que devolver R$ 1,74 bilhão, uma vez que TIM, Claro e Telefônica Brasil já haviam retido um montante para potenciais ajustes de preço de fechamento ou indenizações
    Na prática, a Oi teria que devolver R$ 1,74 bilhão, uma vez que TIM, Claro e Telefônica Brasil já haviam retido um montante para potenciais ajustes de preço de fechamento ou indenizações 14/11/2014REUTERS/Nacho Doce

    da Reuters

    As operadoras de telecomunicações TIM, Claro e Telefônica Brasil pediram uma redução de R$ 3,2 bilhões no preço total da compra da Oi Móvel, alegando divergências em informações técnicas sobre os ativos.

    A Oi disse em fato relevante nesta segunda-feira (19) que recebeu notificação das compradoras referente ao ajuste de preço pós-fechamento da operação. A empresa tem 30 dias úteis para apresentar uma discordância sobre os pontos levantados pelas rivais e já adiantou que tomará as medidas cabíveis.

    Na prática, a Oi teria que devolver R$ 1,74 bilhão, uma vez que TIM, Claro e Telefônica Brasil já haviam retido um montante para potenciais ajustes de preço de fechamento ou indenizações.

    Desses quase R$ 1,8 bilhão — a diferença entre os R$ 3,2 bilhões notificados e o total que retido pelas companhias — R$ 769 milhões seriam devolvidos à TIM, R$ 587 milhões à Telefônica Brasil e R$ 383 milhões à Claro, da mexicana America Móvil.

    A Oi disse que discorda veementemente do valor alegado pelas compradoras e afirmou que os ajustes apresentam “erros procedimentais e técnicos”, com “equívocos na metodologia, nos critérios, nas premissas e na abordagem adotada”.

    Telefônica Brasil, Claro e TIM ganharam direito aos ativos da empresa no final de 2020, com uma oferta conjunta de R$ 16,5 bilhões, em um leilão que contou apenas com a oferta do grupo. O negócio passou pelo crivo de reguladores incluindo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

    A CNN Brasil pediu comentários às empresas e aguarda retorno.