Tinta ultrabranca pode dispensar necessidade de usar ar-condicionado

Cientistas desenvolveram tinta com alto potencial de resfriamento e redução das emissões de carbono

Sara Spary, da CNN

Ouvir notícia

 

alt
Cientista segura tela pintada com a tinta branca
Foto: Purdue University/ Jared Pike

Cientistas norte-americanos desenvolveram uma tinta “ultrabranca” que, segundo eles, pode dispensar a necessidade do ar-condicionado e até mesmo reduzir as emissões de carbono, se usada em grande escala.     

A tinta, desenvolvida por engenheiros da Purdue University em Indiana nos EUA, é capaz de refletir até 98,1% da luz solar. Os índices lhe dão a capacidade de resfriar edifícios, de acordo com comunicado enviado à imprensa.

Ao contrário da tinta tradicional, a tinta “ultrabranca” é feita com um composto químico chamado sulfato de bário, que também é usado na produção de cosméticos e de papel fotográfico. As partículas de sulfato de bário são compostas de tamanhos variados, que “espalham” os raios solares e podem até mesmo resfriar as superfícies imediatas ao redor.

A tinta branca é usada há séculos em lugares com temperaturas mais elevadas para resfriar edifícios do calor, mas esta nova fórmula especificamente, segundo os pesquisadores, absorve menos luz solar e, portanto, menos calor.

 Enquanto a tinta normal absorve entre 10% e 20% da luz solar, a nova tinta absorve apenas 1,9% – quantidade pequena o suficiente para permitir que um edifício perca calor em geral, segundo disseram.

“Se você usar essa tinta para cobrir uma área de telhado de cerca de 300 metros quadrados, estimamos que você poderia obter uma potência de resfriamento de 10 quilowatts. Isso é mais poderoso do que os condicionadores de ar centrais usados ??pela maioria das casas”, disse o pesquisador-chefe Xiulin Ruan, professor de engenharia mecânica em Purdue.

Pesquisadores disseram que a nova tinta branca é tão branca que equivale ao preto mais preto, o “Vantablack”, que absorve até 99,9% da luz visível. É o “mais frio já registrado”, afirmaram, capaz de manter as superfícies 7ºC mais frias do que outros ambientes à noite e 13ºC mais fria durante a luz solar forte.

alt
Imagem de câmera infravermelha mostra como uma amostra da nova tinta ultrabranca resfria a área circundante
Foto: Purdue University/Joseph Peoples

Lukas Schertel, um especialista em dispersão de luz da Universidade de Cambridge que não esteve envolvido na pesquisa, disse à CNN que as descobertas foram potencialmente emocionantes e que a tinta, se usada em escala industrial, pode ter um impacto positivo no clima reduzindo o consumo de energia.

Ele disse que a pesquisa com tintas de resfriamento ganhou força nos últimos anos e se forem aplicadas em escala industrial, incluindo geradores e outras máquinas que irradiam calor, elas, em teoria, “podem ter um impacto global na eficiência energética”.

“O desafio seria encorajar a aceitação comercial”, disse. Para isso, a fabricação da tinta precisaria ser escalonável e acessível. Segundo Schertel, os materiais usados ??na fórmula já estão “amplamente disponíveis”, mas algum fabricante “precisaria torná-la econômica”.

 

Mais Recentes da CNN