Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Turtwig”: a espécie de tartaruga que os cientistas pensavam ser uma planta

    Cientistas pensavam que fóssil encontrado era de uma planta antiga que teria morrido há mais de 100 milhões de anos

    O fóssil (à esquerda) foi originalmente considerado uma planta extinta. Uma nova pesquisa revelou que o fóssil mostra o interior da carapaça de uma antiga tartaruga bebê, incluindo as costelas e os ossos das costas, conforme representado no desenho (à direita).
    O fóssil (à esquerda) foi originalmente considerado uma planta extinta. Uma nova pesquisa revelou que o fóssil mostra o interior da carapaça de uma antiga tartaruga bebê, incluindo as costelas e os ossos das costas, conforme representado no desenho (à direita). Fabiany Herrera, Héctor Palma-Castro/Edwin-Alberto Cadena, Diego Cómbita-Romero

    Ashley Stricklandda CNN

    Uma nova pesquisa revelou que fósseis de plantas antigas que intrigaram os cientistas, na verdade, sequer eram plantas.

    Em vez disso, as pequenas formas redondas com um padrão semelhante a uma folha já foram cascos de filhotes de tartaruga que viveram na época dos dinossauros. Os cientistas apelidaram a espécie de tartaruga de “Turtwi ”, em homenagem a um personagem Pokémon que é metade tartaruga, metade planta.

    A descoberta marca a primeira vez que carapaças de tartarugas filhotes foram encontradas no noroeste da América do Sul, segundo os autores do estudo.

    Os resultados de sua pesquisa foram publicados quinta-feira (7) na revista Palaeontologia Electronica.

    “No universo Pokémon, você encontra o conceito de combinar dois ou mais elementos, como animais, máquinas, plantas, etc.”, disse o autor principal Héctor Palma-Castro, estudante de graduação em paleobotânica na Universidade Nacional da Colômbia, em uma afirmação.

    “Então, quando você tem um fóssil inicialmente classificado como uma planta que acaba sendo um filhote de tartaruga, alguns Pokémons vêm imediatamente à mente. Neste caso, Turtwig, um filhote de tartaruga com uma folha presa à cabeça.”

    Mas foi necessária alguma investigação para resolver este mistério paleontológico que começou há décadas.

    Lugar errado, hora errada

    Tudo começou quando o padre colombiano Padre Gustavo Huertas descobriu os fósseis da Formação Paja. A formação faz parte de um dos patrimônios geológicos da Colômbia denominado Réptil Marinho Lagerstätte de Ricaurte Alto.

    Descobertas fósseis anteriores no local incluem dinossauros, plesiossauros, pliossauros, ictiossauros, tartarugas e parentes de crocodilos chamados crocodilopmorfos, datados do período Cretáceo Inferior, entre 113 milhões e 132 milhões de anos atrás.

    Huertas coletou fósseis e rochas no local, próximo à cidade de Villa de Leyva, entre as décadas de 1950 e 1970. Quando ele encontrou as rochas com padrões de folhas, ele as considerou uma planta fóssil. Huertas descreveu os espécimes como Sphenophyllum colombianum em um estudo de 2003.

    Outros cientistas ficaram surpresos ao saber que a planta foi descoberta no norte da América do Sul e datada entre 113 milhões e 132 milhões de anos atrás. A planta agora extinta já existiu em todo o mundo e morreu há mais de 100 milhões de anos, conforme o registro fóssil.

    Pesquisas anteriores sobre a planta mostraram que suas folhas eram tipicamente em forma de cunha, com nervuras que irradiavam da base da folha.

    A idade e a localização dos fósseis intrigaram Palma-Castro e Fabiany Herrera, curadora assistente de paleobotânica do Negaunee Integrative Research Center do Field Museum of Natural History de Chicago.

    Herrera coleta e estuda plantas do período Cretáceo Inferior (100,5 milhões a 145 milhões de anos atrás) no noroeste da América do Sul, uma parte do continente onde ocorre pouca pesquisa paleobotânica.

    Ambos os fósseis, com cerca de 5 centímetros de diâmetro, foram guardados em coleções do departamento de geociências da Universidade Nacional da Colômbia. Ao examinarem e fotografarem os fósseis, Herrera e Palma-Castro pensaram que algo parecia estranho.

    “Quando você olha em detalhes, as linhas vistas nos fósseis não se parecem com as veias de uma planta — eu tinha certeza de que provavelmente era osso”, disse Herrera, autor sênior do estudo, em comunicado.

    Resolvendo um mistério fóssil

    Herrera contatou seu colega Edwin-Alberto Cadena, professor sênior e paleontólogo que estuda tartarugas e outros vertebrados na Universidade Del Rosario, em Bogotá, Colômbia.

    “Eles me enviaram as fotos e eu disse: ‘Isso definitivamente parece uma carapaça’, a carapaça óssea superior de uma tartaruga”, disse Cadena, coautor do estudo, em comunicado.

    “Eu disse: ‘Bem, isso é notável, porque não é apenas uma tartaruga, mas também um espécime filhote, é muito, muito pequeno.’”

    Cadena e um de seus alunos, Diego Cómbita-Romero, da Universidade Nacional da Colômbia, compararam os fósseis com as carapaças de outras tartarugas extintas e modernas.

    “Quando vimos o espécime pela primeira vez fiquei surpreso, porque faltavam ao fóssil as marcas típicas na parte externa do casco de uma tartaruga”, disse a coautora do estudo Cómbita-Romero em comunicado.

     “Era um pouco côncavo, como uma tigela. Naquele momento percebemos que a parte visível do fóssil era o outro lado da carapaça, estávamos olhando a parte da carapaça que está dentro da tartaruga.”

    Durante a análise das conchas, os pesquisadores determinaram que as tartarugas tinham no máximo 1 ano de idade quando morreram.

    À medida que as tartarugas jovens se desenvolvem, as suas taxas de crescimento e tamanhos podem variar, disse Cómbita-Romero. Mas é raro encontrar restos de tartarugas jovens porque os ossos das suas carapaças são muito finos.

    “Essas tartarugas eram provavelmente parentes de outras espécies do Cretáceo que tinham até quatro metros e meio de comprimento, mas não sabemos muito sobre como elas realmente cresceram até atingir tamanhos tão gigantescos”, disse Cadena em comunicado.

    Os pesquisadores não culparam Huertas por categorizar erroneamente os fósseis como plantas. O que ele acreditava serem folhas e caules eram vértebras e costelas dentro do casco de uma tartaruga.

    “Resolvemos um pequeno mistério paleobotânico, mas o mais importante é que este estudo mostra a necessidade de reestudar as coleções históricas na Colômbia. O Cretáceo Inferior é um momento crítico na evolução das plantas terrestres”, disse Herrera.

    A próxima equipe de pesquisa pretende descobrir as florestas que já cresceram na região, disse ele.

    “Na paleontologia, a imaginação e a capacidade de se surpreender são sempre postas à prova”, disse Palma-Castro. “Descobertas como estas são verdadeiramente especiais porque não só expandem o nosso conhecimento sobre o passado, mas também abrem uma janela para as diversas possibilidades do que podemos descobrir.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original