Veja quais foram os 10 maiores apagões da Internet em quase 10 anos

Sites de veículos de imprensa pelo mundo saíram do ar na semana passada

Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images

Da CNN em Espanhol

Ouvir notícia

Sites de veículos de imprensa, de governo, e de outros serviços de web ficaram fora do ar na semana passada em diversos lugares do mundo. Listamos os 10 maiores apagões registrados pela empresa Downdetector desde 2012 e quem eles afetaram.

 12 horas sem Facebook

Em 13 de março de 2019, houve um apagão massivo que afetou o Facebook e os aplicativos que possui, WhatsApp e Instagram, que durou pelo menos 12 horas. O site Downdetector recebeu 7,5 milhões de relatórios de problemas. De acordo com a empresa, que coleta reclamações de usuários e relatórios quando programas ou aplicativos falham, foi o maior corte em termos de relatórios de bugs e também de tempo.

O Facebook disse que a falha foi causada por uma mudança em seu sistema e negou ter sido vítima de hackers. O corte foi sentido em Wall Street: no dia seguinte, as ações da empresa caíram 3%.

Além disso, ativistas a favor da separação da gigante das redes na época disseram que a decisão havia mostrado que a concentração da propriedade das plataformas era “perigosa” para os consumidores.

“Quanto mais integrada uma plataforma se torna, maior o risco e o alcance de falhas épicas como essa”, disse Sarah Miller, vice-diretora do Open Markets Institute na época.

Outras falhas

YouTube diminui resolução padrão de vídeos para evitar sobrecarga da internet
Youtube saiu do ar em outubro de 2018
Foto: Dado Ruvic – 28.mar.2018/ Reuters

Em segundo lugar, mas muito atrás, foi seguido por uma interrupção em outubro de 2018 que afetou o YouTube e para a qual Downdetector recebeu 2,7 milhões de relatórios de problemas. Os usuários não conseguiram reproduzir o conteúdo por cerca de uma hora .

O terceiro e quarto lugares correspondem aos apagões de 2017: um do dia 6 de novembro afetou a rede social Snapchat e gerou 1,8 milhão de denúncias de problemas e o outro do dia 3 de maio, que cortou o serviço do WhatsApp, teve 1,7 milhão de denúncias.

Cortes que afetam os videogames

Além das redes sociais, no ranking dos maiores apagões desde 2012 até hoje, destacam-se algumas que afetaram dois videogames: Pokémon Go e Fortnite.

O quinto e o sexto maiores apagões nos últimos anos, em 16 e 17 de julho de 2016, respectivamente, afetaram o Pokémon Go. Em cada caso, houve 1,7 milhão de relatórios de problemas no Downdetector. Pokémon Go disse na época que tinha sido alvo de um ataque cibernético .

A sétima maior interrupção afetou o WhatsApp (1,2 milhão de relatórios de problemas em 3 de novembro de 2017) e a oitava novamente corresponde a um jogo. Este é o Fortnite, que teve um crash em 12 de abril de 2018, com um milhão de relatos de problemas.

Eles fecham a lista dos 10 maiores apagões, um que afetou o WhatsApp em 30 de novembro de 2017 e outro que afetou a rede PlayStation em 21 de outubro de 2016.

WhatsApp, o mais afetado

Tela de celular com o app de mensagens WhatsApp
Foto: Pixabay

O WhatsApp, que pertence ao Facebook desde 2014 , é o aplicativo mais afetado no ranking: foi vítima em quatro dos dez maiores apagões. O serviço de mensagens tem mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo e foi o segundo aplicativo mais baixado em 2020 , segundo a Sensor Tower, à frente de outros que ganharam grande popularidade na pandemia como o Zoom (embora atrás do TikTok, que foi o mais popular).

O que causou o apagão massivo na terça-feira?
A indisponibilidade de terça-feira foi associada a uma falha generalizada na Fastly, um provedor de serviços em nuvem que ajuda a melhorar o tempo de carregamento do site e fornece outros serviços para sites, aplicativos e plataformas, incluindo uma grande rede de servidores. De acordo com um especialista, Fastly ficava inativo por cerca de 50 minutos durante o dia.

(Este texto foi traduzido do espanhol. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN