YouTube: conta de Trump será restaurada quando o risco de violência diminuir

O YouTube fará uma combinação de indicadores para avaliar o nível de violência, incluindo declarações de funcionários do governo

Foto: Getty Images

Brian Fung, da CNN

Ouvir notícia

A conta do YouTube do ex-presidente Donald Trump será restaurada de acordo com as políticas atuais da plataforma, disse a CEO da empresa, Susan Wojcicki, na quinta-feira (4).

O acesso de Trump será restabelecido apenas quando o YouTube estiver confiante de que o risco de violência diminuiu, disse Wojcicki em um evento organizado pelo Atlantic Council.

O YouTube fará uma combinação de indicadores para avaliar o nível de violência, incluindo declarações de funcionários do governo, o nível de prontidão da aplicação da lei e qualquer retórica violenta que possa observar em sua própria plataforma, disse ela.

É difícil dizer quando a conta de Trump pode ser restaurada, disse Susan. Mas, ela acrescentou, vai continuar suspensa, por enquanto, à luz das preocupações em curso nesta semana sobre um potencial novo ataque contra o Capitólio dos Estados Unidos.

As autoridades estão em alerta máximo após as advertências do FBI, do Departamento de Segurança Interna e da Polícia do Capitólio dos EUA sobre possíveis planos extremistas para atacar o complexo do Capitólio em 4 de março.

“Está muito claro agora”, disse ela, “que ainda existe um risco elevado de violência.”

A conta de Trump foi temporariamente suspensa em 12 de janeiro por violar as políticas do YouTube contra incitação à violência. Na época, o YouTube disse que as restrições durariam pelo menos uma semana.

Outras plataformas, incluindo Twitter e Facebook, também baniram ou suspenderam a conta de Trump após o motim no Capitólio dos Estados Unidos em janeiro. O Facebook (FB) pediu ao Conselho de Supervisão que avaliasse a possibilidade de restabelecer a conta.

Mesmo que a conta de Trump venha a ser restaurada, disse Wojcicki, ela ainda pode ser banida permanentemente se receber mais dois ataques de acordo com as regras do YouTube em 90 dias.

Mais Recentes da CNN