O pub mais exclusivo de Londres fica dentro de uma fortaleza de 900 anos

É neste pub secreto que os guardas reais celebram ocasiões especiais ou simplesmente relaxam após um dia agitado

O pub Keys é gerido pelos "Yeoman Warders" que guardam a Torre de Londres.
O pub Keys é gerido pelos "Yeoman Warders" que guardam a Torre de Londres. Alasdair Skene/CNN

Arya Jyothida CNN

A Torre de Londres, com 900 anos de idade, é a atração histórica mais popular do Reino Unido. São mais de 3 milhões de visitantes que cruzam os portões para ver as joias da coroa real, encontrar seus lendários corvos e seus guardiões cerimoniais, os “Yeoman Warder”, também conhecidos como “Beefeater”, distintamente vestidos.

Mas há um segredo que eles não conseguem ver: o pub mais exclusivo de Londres.

À primeira vista, o “The Keys” se parece com qualquer outro pub adorado do Reino Unido, com banquetas de couro, mesas retangulares de madeira e um tapete ricamente decorado. Mas sua decoração apresenta características reais únicas, incluindo um machado cerimonial do século XVI e armários exibindo uniformes dos “Yeoman Warder”.

O pub é administrado pelos 35 “Yeomen Warders” da Torre, que recebem o apelido de “Beefeater” devido à porção diária de carne que tradicionalmente recebiam. Somente eles e seus convidados podem entrar.

Com alojamento para os “Beefeaters” residentes e seus familiares, consultório médico e capela, a Torre pode parecer uma vila para quem ali vive. E como qualquer cidadezinha orgulhosa, o pub é uma parte importante da comunidade – um lugar onde podem ir para celebrar ocasiões especiais ou relaxar após um dia agitado.

Do sargento ao carcereiro

“Existe como um centro comunitário, mas também o usamos como um veículo para arrecadar dinheiro para instituições de caridade, hospedando grupos de colegas e amigos”, diz Robin Fuller, chefe do órgão Yeoman. “Normalmente arrecadamos cerca de £ 500 (aproximadamente R$ 3.100), e isso é importante para nós porque alcançamos algumas dessas organizações pouco conhecidas, e essa pequena quantia de dinheiro é muito útil para elas.”

Originário do noroeste de Londres, Fuller juntou-se à guarda Yeoman em 2011, depois de servir na Marinha Real por 34 anos. “Mandei um currículo especulativo para a Torre e, felizmente, recebi uma resposta”, diz ele. “Depois de uma segunda entrevista com o Condestável da Torre… fui selecionado para me tornar o 393º Yeoman Warder desde 1827.”

Ao longo de 13 anos, Fuller subiu na hierarquia, de “Yeoman Warder” a sargento, a “gaoler” (um termo histórico para a pessoa responsável por uma prisão e o segundo responsável pelo corpo de Yeoman) e, finalmente, a chefe.

Segundo Fuller, uma característica muito apreciada do pub são os drinks exclusivos. Fornecido pela cervejaria britânica Marston’s, um acordo antigo significa que o pub pode revender suas bebidas com nomes como Beefeater Bitter, Treason e Yeoman 1485, referindo-se ao ano em que Yeoman Warders foi fundado.

“Que você nunca morra como Yeoman Warder”

Houveram vários pubs na Torre de Londres ao longo dos séculos, e The Keys herdou muitas das antigas tradições de seus antecessores. Isso inclui o brinde Yeoman: “Que você nunca morra como Yeoman Warder”.

Historicamente, os guardas que se aposentavam da Torre podiam vender seus empregos por cerca de 250 guinéus (um guinéu valia pouco mais de uma libra, ou 6 reais). Mas se morressem antes da reforma, o oficial venderia o emprego e as suas famílias não receberiam nada.

“Sempre explicamos essa história quando jantamos”, diz Yeoman Gaoler Clive Towell. “E nesse ponto vaiamos o oficial, brindamos com nossas taças de prata e bebemos nosso Porto.”

Embora o brinde ainda seja usado, a prática de compra e venda de tutelas foi abolida em 1826 pelo duque de Wellington. Em vez disso, ele introduziu novos requisitos para “Yeoman Warders” – declarando que todos eles deveriam ser ex-soldados honrados.

Esta condição ainda é mantida hoje. De acordo com a Historic Royal Palaces, uma instituição de caridade independente que cuida de alguns dos marcos antigos do Reino Unido, os novos candidatos a “Yeoman Warder” devem ser “um ex-suboficial ou suboficial sênior que tenha servido no mínimo 22 anos no Exército, Força Aérea Real, Royal Marines ou Royal Navy e possuem a medalha de Longo Serviço e Boa Conduta.

Yeomanry no século 21

Como acontece com qualquer posição antiga, ao longo dos séculos, o papel de um “Yeoman Warder” – oficialmente conhecido como “Yeoman Warder do Palácio Real de Sua Majestade e da Fortaleza da Torre de Londres, e Membros da Guarda Corporal do Soberano do Yeoman Guarda Extraordinária’” – também mudou.

Onde antes eram responsáveis pela guarda da Torre e de todas as coisas dentro dela, incluindo as Jóias da Coroa, e pela supervisão dos prisioneiros, os “Yeomen” de hoje passam grande parte do seu tempo lidando com turistas entusiasmados e tirando fotos.

“Nossas funções modernas envolvem receber visitantes do público na Torre, liderar nossos famosos passeios “Yeoman Warder” e compartilhar lendas e fatos da história desta famosa fortaleza com todos que decidirem entrar”, diz Towell.

Para Fuller, conhecer pessoas de todas as esferas da vida é uma de suas partes favoritas do trabalho. “É bom ampliar seus horizontes”, diz ele. “Todos têm um lugar na Torre e se estiverem dispostos o suficiente para vir aqui e fazer algumas perguntas, o mínimo que podemos fazer é dar-lhes as respostas e talvez aprender com eles também.”

Nem todas as suas tradições foram modernizadas. “Yeomen” ainda participa de várias cerimônias reais, incluindo a coroação do soberano, o “Lord Mayor’s Show” anual de Londres e outras funções estatais e de caridade.

Os costumes históricos Tudor determinam que, em ocasiões oficiais, os “Beefeaters” devem usar seu uniforme cerimonial, também conhecido como “vermelho”, que consiste em uma túnica escarlate e dourada com meias vermelhas, um colar Tudor branco e sapatos pretos.

Mas o uniforme com o qual a maioria dos visitantes da Torre de Londres estará familiarizada é o “Blue Undress”, que consiste numa túnica e calças vermelhas e azuis escuras, usado com um gorro Tudor e sapatos pretos, bem como a cifra do actual monarca. “[Foi] alterado para ‘CIIIR’ pouco antes da Coroação no início deste ano, após 70 anos de ‘EIIR’, para Sua Falecida Majestade a Rainha Elizabeth II”, explica Fuller.

Maldição dos corvos

Chris Skaife é mestre dos corvos na Torre de Londres há cerca de 17 anos.
Chris Skaife é mestre dos corvos na Torre de Londres há cerca de 17 anos / Alasdair Skene/CNN

Todas as noites, Fuller também veste um tradicional casaco vermelho e um gorro Tudor para realizar um ritual que inspirou o nome do pub: a Cerimônia das Chaves.

Envolto na escuridão, precisamente sete minutos para as 22 horas, a cerimônia decorre entre as ameias da Torre de Londres, fazendo parte do tradicional “fechamento” da Torre – prática que já dura mais de 740 anos.

“Ela [a Cerimônia das Chaves] é obrigatória, você não pode esquecer disso”, diz Fuller. “Tenho alarmes instalados em toda a casa para garantir que estou acordado, preparado e pronto. E quando termino a cerimônia, sempre vou até o pub bater um papo com quem está lá só para ter certeza de que está tudo bem.”

Deixando de lado as cerimônias tradicionais, as superstições centenárias também desempenham um papel importante na forma como a fortaleza é mantida hoje. Por decreto real, que se pensa ter sido iniciado pelo rei Carlos II no século XVII, seis corvos são mantidos nos terrenos da Torre, embora atualmente existam sete, todos com nomes como Poppy, Rex e Georgie.

De acordo com Yeoman Ravenmaster Chris Skaife, diz a lenda: “Se os corvos deixarem a Torre de Londres, ela se transformará em pó e um grande dano acontecerá ao nosso reino”.

Skaife cuida dessas joias emplumadas, conhecidas como guardiãs da Torre, há 17 anos. Seu papel envolve todos os deveres habituais de um “Yeoman Warder”, bem como responsabilidades extras, como limpar as gaiolas dos corvos e alimentá-los com a melhor carne que os pássaros podem comer, incluindo carne bovina, ratos e pintinhos.

“Eu nunca gosto de olhar para um corvo nos olhos porque parece que eles estão olhando para dentro da sua alma”, diz ele.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original