Omã: A “Noruega da Arábia” abriga os únicos fiordes desérticos do mundo

Península de Musandam, isolada e quase intocada, apresenta paisagem montanhosa intercalada por uma sucessão de enseadas e baías cheias de vida marinha

Península de Musandam é conhecida como “a Noruega da Arábia” devido aos seus fiordes desérticos únicos
Península de Musandam é conhecida como “a Noruega da Arábia” devido aos seus fiordes desérticos únicos Holger Leue/The Image Bank Unreleased/Getty Images

Miquel Rosda CNN Governado de Musandam, Omã

À medida que o nosso pequeno dhow – espécie de veleiro das regiões do Mar Vermelho e Oceano Índico – desliza serenamente ao longo da sinuosa costa desértica, é difícil acreditar que a selva de vidro e aço de Dubai esteja apenas a algumas horas de carro.

Você não encontrará vestígios de arranha-céus, shoppings ou mesmo rodovias aqui. As únicas alturas à vista, algumas até mais altas que o recorde Burj Khalifa, são as paredes quase verticais de rocha estéril que cercam as águas quentes e cristalinas da enseada de Khor ash Sham.

A península de Musandam, no extremo nordeste da península Arábica, tem sido por vezes comparada à Noruega, e não apenas porque está próxima de águas ricas em petróleo.

Aqui, as planícies desérticas de Ras-Al-Khaimah, o extremo norte dos sete Emirados Árabes Unidos, dão lugar a uma dramática paisagem montanhosa intercalada por uma sucessão labiríntica de enseadas, baías e braços do mar.

Esta é uma terra de fiordes desérticos que pode ser tão magnífica quanto a sua “irmã” nórdica.

Isolamento

O Governado de Musandam só é acessível por terra através dos Emirados Árabes Unidos, mas a península é um enclave do Sultanato de Omã, cujo continente fica a cerca de 100 quilômetros a sul, separado dele por uma grande parte do território dos Emirados.

Porém, não é a fronteira a responsável pelo isolamento tradicional deste pequeno pedaço de terra, um pouco maior que Rhode Island, mas sim o seu terreno extremamente acidentado.

Khor Najd é um riacho natural popular entre os visitantes / CristianDXB/iStockphoto/Getty Images

Há apenas uma estrada pavimentada que liga a capital da província, Khasab, ao resto do mundo através de Ras-Al-Khaimah. E embora algumas pistas que cruzam o país atravessem o interior rochoso e desértico da península, você precisaria de um veículo 4×4 e, de preferência, de algum conhecimento da paisagem local para utilizá-las.

Até hoje, muitos assentamentos em Musandam só são acessíveis por mar. Isto moldou uma identidade local que, ao contrário dos emirados vizinhos, permaneceu relativamente intocada pelo turismo de massa.

Os habitantes locais preservaram até a sua língua única, o Kumzari, uma língua com raízes persas e fortes influências árabes misturadas com elementos do português e do hindi.

Esta mistura linguística é uma pista para o fato de que o aparente isolamento de Musandam é menos problemático quando se trata de mar aberto.

Forte: O forte de Khasab foi construído pelos portugueses no século 17 / jacquesvandinteren/iStockphoto/Getty Images

Rota comercial estratégica

O destino desta região tem sido frequentemente confundido com o dos detentores do poder geopolítico de todas as épocas, devido à sua localização estratégica que guarda o lado sul do Estreito de Ormuz e a entrada do Golfo Pérsico.

Os portugueses estiveram aqui no auge do seu poder e construíram um forte, que existe até hoje, na principal cidade da península, Khasab, para controlar o tráfego marítimo e o comércio nesta área.

No século 19 foi a vez da Grã-Bretanha pisar na península. A enseada de Khor ash Sham era anteriormente conhecida como enseada de Elphinstone, tendo sido nomeada em homenagem ao governador britânico de Mumbai, antiga Bombaim, sob cujas ordens a região foi pesquisada pela primeira vez na década de 1820.

Alguns vestígios desse período, na forma de algumas estruturas de pedra abandonadas, ainda são visíveis na Ilha Telegraph, uma pequena ilhota por onde passam dhows carregados de turistas a caminho da entrada da enseada.

Ilha Telegraph: Durante a era vitoriana, esta ilhota abrigou uma estação importante na linha telegráfica que ligava Londres à Índia britânica / robertharding/Alamy Stock Photo

Durante a era vitoriana, este foi um importante nó na rede de comunicações imperial, uma vez que abrigava uma estação chave na linha telegráfica que ligava Londres à Índia britânica. É um dos vários lugares que supostamente foram a origem da frase “dar a volta na curva”, devido a soldados solitários que perderam os sentidos no calor do deserto.

Em meados do século 19, a Marinha Real Britânica chegou a considerar a criação de uma base naval em Khasab. Isso não aconteceu, mas a Grã-Bretanha continuou estreitamente envolvida nos assuntos desta parte do mundo rica em petróleo e, ainda recentemente, em 1971, enviou forças especiais para ajudar o Sultão Qaboos de Omã a garantir a sua soberania sobre Musandam.

Nos tempos modernos, até 20 milhões de barris de petróleo passam diariamente pelo Estreito de Ormuz, tornando esta estreita faixa de água talvez a rota marítima de petróleo mais importante do mundo.

Musandam pode ser um pouco complicado de chegar, mas as recompensas valem muito a pena / GFC Collection/Alamy Stock Photo

Viagens de um dia

Para os visitantes, o mar continua a ser o principal atrativo da península de Musandam e com o turismo em expansão em Dubai e ao longo da costa dos Emirados Árabes Unidos, os turistas começaram a chegar.

Várias empresas locais organizam cruzeiros de um dia pelos fiordes. O itinerário típico inclui uma excursão de barco ao longo da costa de sua maior enseada, Khor ash Sham.

Os dhows fazem diversas paradas ao longo do caminho para que os passageiros possam dar um mergulho nas águas cristalinas. Não é necessário muito equipamento, apenas um par de óculos e nadadeiras, fornecidos pela tripulação, para poder nadar pelos recifes de coral e admirar a fauna subaquática.

Excursões: Várias empresas locais organizam excursões de um dia pelos fiordes em barcos tradicionais conhecidos como dhows / Holger Leue/The Image Bank Unreleased/Getty Images

Mas o ponto alto de qualquer viagem a Musandam é a observação de golfinhos, que foram muitos visíveis na visita da CNN. Estes mamíferos marinhos nos seguiu durante grande parte da viagem.

Khasab é o porto de origem de todas as excursões à vela e, embora a sua infraestrutura comercial e turística seja bastante discreta em comparação com a brilhante extravagância de resorts da costa dos Emirados Árabes Unidos, possui alguns hotéis equipados segundo os modernos padrões internacionais.

Além do mais, os Omanis orgulham-se da sua hospitalidade. Quando nosso grupo acidentalmente deixou para trás um brinquedo de criança em nosso hotel, o gerente se ofereceu para dirigir centenas de quilômetros e cruzar uma fronteira internacional para devolvê-lo pessoalmente.

Observação de golfinhos: Os golfinhos eram abundantes na viagem da CNN pelas águas locais / Katiekk2/iStockphoto/Getty Images

Como chegar até lá

O aeroporto local de Khasab tem voos diários diretos para Mascate, a capital de Omã, embora a maioria dos turistas venha por estrada de Ras-al-Khaimah e de outros lugares. Antes de partir para Musandam e seus fiordes, porém, é aconselhável considerar alguns pontos.

Cidadãos da maioria dos países podem obter um visto de entrada de Omã na fronteira (os cidadãos dos países do CCG – o Conselho de Cooperação do Golfo – podem simplesmente passar), mas você ainda precisará passar pela alfândega dos Emirati e de Omã e lidar com a documentação correspondente em cada um dos postos de fronteira.

Khasab: A cidade portuária de Khasab é a capital deste enclave de Omã / Edwin Remsberg/The Image Bank RF/Getty Images

Se estiver dirigindo um carro com registro nos Emirados Árabes Unidos, você também precisará ter seguro para dirigir em Omã e apresentar prova disso. Muitas locadoras de veículos nos Emirados Árabes Unidos oferecem esse seguro por uma taxa extra, mas caso contrário, você pode obtê-lo no posto de fronteira de uma seguradora de Omã que tem um pequeno escritório instalado lá.

Fora isso, e apesar da chegada ocasional de grandes grupos em ônibus, o procedimento de imigração é bastante rápido. O caminho está aberto para explorar aquela que é, sem dúvida, uma das joias naturais mais deslumbrantes do Oriente Médio.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original