Roma abre praça antiga importante na história de imperador Júlio César

Uma nova passarela no antigo local permite ver as ruínas de um ângulo que antes ficava encoberto

Sítio arqueológico de Largo Argentina às vésperas da reabertura ao público, em Roma
Sítio arqueológico de Largo Argentina às vésperas da reabertura ao público, em Roma Remo Casilli/Reuters

Reuters Roma

Aficionados por história poderão passear perto do local onde, reza a lenda, o imperador Júlio César encontrou seu fim sangrento. Autoridades romanas inauguraram uma passarela no antigo local.

Os relatos, embelezados por William Shakespeare, contam como o ditador romano foi apunhalado até a morte por um grupo de senadores ofendidos nos idos de março do ano 44 a.C..

Segundo historiadores, ele morreu na praça central de Largo Argentina, na capital italiana, onde estão localizadas ruínas de quatro templos.

Atualmente, todas estão abaixo do nível da rua e até recentemente só podiam ser vistas por trás de barreiras próximas a um cruzamento movimentado de vias.

Desde a semana passada, os visitantes podem percorrer o local ao nível do solo por meio da passarela e ver as estruturas de perto.

A casa de moda italiana Bulgari financiou as obras em um sítio arqueológico que foi descoberto e escavado durante obras em Roma na década de 1920.

A área, próxima ao local onde se supõe que César exclamou “Até tu, Brutus?” ao ver seu amigo Brutus entre seus assassinos, também abriga atualmente um santuário para gatos de rua.