Veja 5 maneiras de lidar com a tristeza pós-férias

Para muitos, o retorno à rotina após uma viagem pode vir acompanhado de sentimentos como ansiedade e depressão; especialistas dão dicas de como voltar às atividades sem sofrimento

Unsplash/Divulgação

Melissa Mahtanida CNN

Após dois anos de pandemia, restrições de viagem em constante mudança e testes obrigatórios de Covid-19, o verão de 2022 sinaliza que as férias finalmente voltaram à moda.

Com a maioria das restrições da Covid-19 retiradas, o planejamento de férias ficou mais fácil e muitas viagens que haviam sido adiadas anteriormente por motivos relacionados à pandemia podem finalmente ocorrer.

Mas, na prática, os cancelamentos de voos, a escassez de trabalhadores e o caos geral das viagens roubaram de muitos viajantes a felicidade sem estresse que era esperada há muito tempo.

E para aqueles que tiveram a sorte de ter conseguido fazer uma viagem tranquila, o retorno à realidade está sendo ainda mais difícil do que o habitual.

Seja qual for a sua história de férias, aqui estão cinco dicas dos especialistas para te ajudar a lidar com a tristeza pós-férias.

1. Planeje um descanso para quando você voltar

Muitas vezes nos sobrecarregamos com uma longa lista de tarefas domésticas assim que voltamos para casa ou pulamos direto para o trabalho na velocidade da luz, o que enfatiza o contraste entre férias e realidade.

Em vez disso, se possível, tire um dia para fazer a transição antes de retornar ao trabalho e minimize as tarefas domésticas, adiantando o que puder fazer antes de ir viajar, aconselha a Dra. Andrea Bonior, psicóloga clínica licenciada e autora do livro “Detox Your Thoughts”.

“Eu vejo as pessoas com frequência tendo muita dificuldade com a tristeza pós-férias quando isso acontece de repente – então ontem à noite eu estava na praia e agora estou no escritório – em vez disso, se possível, tente planejar um dia de descanso para que você possa respirar e ter algum tempo para se reajustar”, diz ela.

“Dê a si mesmo um pouco de autocompaixão”, acrescenta a Dra. Laurie Santos, professora de psicologia da Universidade de Yale e apresentadora do podcast The Happiness Lab. “Você não precisa responder a todos os e-mails imediatamente. Não há problema em voltar à rotina aos poucos, e as evidências sugerem que as pessoas serão mais compreensivas do que você prevê”.

2. Tente manter uma mentalidade de férias

“Lembre-se que o fim das férias não significa o fim da diversão”, diz Santos. “Podemos encontrar maneiras de obter um pouco mais dessa sensação de estar em viagem se continuarmos com essa mentalidade de turista em casa. Talvez tente um novo restaurante ou passeie por um novo bairro”.

A Dra. Tracy Thomas, uma psicóloga e cientista emocional, diz que é importante identificar o que faz você se sentir bem quando está fora ou em sua “mentalidade de férias” e tentar tornar isso parte da sua realidade diária.

“É fascinante quanto as pessoas fazem nas férias e que não fazem em casa – se você recebe uma massagem, acorda para ver o nascer do sol ou anda pela cidade quando está fora, tente fazer um

pouco disso quando você chegar em casa”.

Thomas também sugere cozinhar alguns dos pratos que você gostou enquanto estava fora para manter a experiência. “Quando vou para a Itália e como macarrão pomodoro, provavelmente por cerca de um mês depois disso, quando chego em casa, continuo fazendo ou pedindo esse prato em vez de deixar esse processo desaparecer”.

3. Pratique a gratidão

“Reserve algum tempo para relembrar suas memórias positivas de viagem”, aconselha Santos. Você pode fazer um álbum, um diário ou apenas se lembrar de todas as boas experiências vividas quando teve a sorte de viajar.

“Você pode ter ouvido o conselho de que você deve investir em experiências, não em coisas. Acontece que uma das razões pelas quais esse é o caso é que as experiências criam lembranças mais afetuosas do que nossas compras de materiais – podemos obter um impulso de felicidade não apenas experimentando as férias, mas se lembrando delas”, acrescenta Santos.

Além de ser grato pelo que você teve, tente praticar a gratidão em sua vida diária, diz Bonior, explicando que, embora a gratidão seja boa para nós, muitas pessoas não entendem o que isso significa.

“As pessoas tendem a pensar que a gratidão significa que você precisa contar suas bênçãos para tudo, você não pode ficar chateado com nada, alguém está pior do que você, então você deveria ser grato, mas a gratidão, na realidade, significa se apoiar em tudo – ser capaz de realmente engajar e reconhecer que temos sorte, mas também não ter medo de reconhecer os pontos não tão bons assim”.

“A verdadeira gratidão não significa que você precisa ser feliz e se sentir abençoado o tempo todo, significa perceber que toda a experiência de vida é algo incrível e que estou aqui vivendo isso”, acrescenta ela.

4. Exercícios

Muitos estudos científicos mostraram que o exercício aeróbico moderado a vigoroso é bom para combater a ansiedade e a depressão. De fato, um estudo publicado em abril na revista JAMA Psychiatry mostrou que adultos que faziam atividades equivalentes a 1,25 hora de caminhada rápida por semana tinham um risco 18% menor de depressão em comparação com aqueles que não se exercitavam.

“Exercitar-se não significa que você não ficará deprimido, mas ajuda a atenuar isso”, diz Bonior, acrescentando que o exercício não precisa ser intenso ou parecer de uma certa maneira – mesmo uma caminhada ou dançar no seu quarto pode ser um impulso para a sua saúde mental e física, ela explica.

Além disso, o exercício é amplamente conhecido por melhorar o sono, baixar a pressão arterial, reduzir o estresse e melhorar o seu humor – então, embora você possa sentir vontade de ficar deprimido pela casa após as férias, é uma boa ideia forçar-se a sair para um impulso indutor de humor.

5. Reconheça seus sentimentos

Fale com os outros sobre como você se sente, compadeça-se com outros viajantes ou faça um diário – é importante ficar conectado com amigos e entes queridos e não se isolar.

“A pesquisa mostra que, o fato de apenas podermos articular que temos uma certa emoção, isso faz com que essa emoção pareça menos assustadora, então nos sentimos mais no controle. Também nos ajuda a evitar o pensamento em preto e branco”, diz Bonior, explicando que podemos ter várias emoções ao mesmo tempo, como estar triste, mas animado.

É claro que se você está sentindo uma sensação muito pesada de medo sobre sua rotina ou seu trabalho, isso pode sinalizar uma necessidade de mudança ou uma reavaliação de onde você quer estar. Se os sintomas persistirem ou piorarem, você também pode procurar ajuda profissional para tratar de outras causas subjacentes.

“Se suas férias não foram tão boas, você pode obter um impulso de felicidade aqui tentando descobrir o que aprendeu”, diz Santos. “O ato de registrar de forma expressiva o que deu errado pode ajudá-lo a descobrir quais insights você obteve ou como cresceu nesse processo. No mínimo, até as piores férias podem se transformar em histórias engraçadas que podemos compartilhar com os amigos para aumentar a conexão social”.


Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original