Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Américo Martins
    Blog

    Américo Martins

    Especialista em jornalismo internacional e fascinado pelo mundo desde sempre, foi diretor da BBC de Londres e VP de Conteúdo da CNN; já visitou 68 países

    Lula diz que não fará ajuste fiscal “em cima dos pobres”

    Em resposta à CNN, presidente criticou propostas de rever gastos federais com saúde e educação

    Lula em evento do G7 na Itália
    Lula em evento do G7 na Itália 14/06/2024REUTERS/Louisa Gouliamaki

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o seu governo “não vai fazer ajuste (fiscal) em cima dos pobres” e criticou a possibilidade de cortes nos gastos obrigatórios em saúde e educação.

    As declarações de Lula foram dadas em resposta ao questionamento feito pela CNN sobre a possibilidade de cortes reais nos gastos do governo e a eventual desvinculação de investimentos na saúde e na educação como parte de um esforço para atingir a meta de déficit fiscal zero.

    “Vou dizer alto e bom som: a gente não vai fazer ajuste em cima dos pobres. Porque os que ficam criticando o déficit fiscal, os que ficam criticando os gastos do governo, são os mesmos que foram pro Senado aprovar a desoneração de 17 grupos empresariais. São os mesmos. E que ficaram de fazer uma compensação para suprir o dinheiro da desoneração (dos impostos sobre as folhas de pagamento) e não quiseram fazer”, respondeu o presidente.

    Lula afirmou ainda que o governo tem conseguido vitórias em sua agenda econômica e que não será necessário fazer cortes na saúde ou na educação.

    “Nós já fizemos o que ninguém esperava que seria feito. Nós já fizemos a regulação do marco fiscal, já aprovamos a reforma tributária… Nós estamos demonstrando a nossa seriedade de garantir estabilidade jurídica, estabilidade política, estabilidade fiscal, estabilidade econômica e estabilidade social. Isso tá garantido”, disse ele.

    Ele também rebateu a ideia defendida por alguns setores de possibilidade de mudanças nos gastos em educação e saúde.

    “Achar que nós temos que piorar a saúde, que nós temos que piorar a educação para melhorar… Isso é feito há 500 anos no Brasil. O povo pobre não participava do orçamento”, afirmou.

    Segundo o presidente, os mais pobres sempre foram os primeiros a sofrer com decisões orçamentárias e políticas.

    “Se não tem dinheiro (no orçamento), vamos deixar o pobre para lá. Você não tem dinheiro… Não, deixa o pobre pra lá. Não, isso não é possível. Eu quero acabar com a pobreza neste país. Eu quero criar um país de classe média baixa, onde todas as pessoas possam trabalhar e estudar, comer, almoçar, e ainda passear com a sua família”, conclui Lula.